Interrompemos a programação internacional para falar de uma viagem super bacana pelo Brasil: Bento Gonçalves. Estive lá no último feriado e adorei o local. Além de ser um lugar lindo, é um passeio delicioso para fazer em casal, em família, com crianças…

Fui com uma missão especial: ser madrinha de um casamento. Mas já que estava lá, mal não faria em dar uma voltinha, conhecer a região, as vinícolas, restaurantes e claro, anotar tudo para passar pra vocês.

A cidade

Bento Gonçalves é um município do estado do Rio Grande do Sul, na Região Sul do Brasil. Ao longo de sua história, já foi conhecida como Cruzinha e Colônia Dona Isabel. A cidade foi erguida onde antigamente era um distrito da cidade de Montenegro. A área era habitada por índios caigangues desde tempos imemoriais, mas estes foram desalojados violentamente pelos chamados “bugreiros”, abrindo espaço, no final do século XIX, para que o governo do Império do Brasil decidisse colonizar a região com uma população europeia. Desta forma, milhares de imigrantes, em sua maioria italianos da região do Vêneto, mas com alguns integrantes de outras origens como alemães, franceses, espanhóis e polacos, cruzaram o mar e subiram a Serra Gaúcha, desbravando uma área ainda quase inteiramente virgem.

Depois de um início cheio de dificuldades e privações, os imigrantes conseguiram estabelecer uma próspera cidade, com uma economia baseada inicialmente na exploração de produtos agropecuários, com destaque para a uva e o vinho, cujo sucesso se mede na rápida expansão do comércio e da indústria na primeira metade do século XX. Ao mesmo tempo, as raízes rurais e étnicas da comunidade começaram a perder importância relativa no panorama econômico e cultural, à medida que a urbanização avançava, formava-se uma elite urbana ilustrada e a cidade se abria para uma maior integração com o resto do Brasil. Durante o primeiro governo de Getúlio Vargas houve uma séria crise entre os imigrantes e seus primeiros descendentes e o meio brasileiro, quando o nacionalismo foi enfatizado e as manifestações culturais e políticas de raiz étnica estrangeira foram severamente reprimidas. Depois da Segunda Guerra Mundial a situação foi apaziguada, e brasileiros e estrangeiros passaram a trabalhar concordes para o bem comum. Em 2016 o município adotou o talian como língua co-oficial, ao lado da língua portuguesa.

Atualmente, a cidade é o 18º município mais populoso do Rio Grande do Sul e o 264º município mais populoso do Brasil. Sua economia se baseia na produção de uva e vinho, no turismo e no setor moveleiro, sendo o maior polo moveleiro e um dos maiores polos industriais e turísticos do Brasil. Fonte: Wikipedia.

Como chegar

Se você estiver em outro estado ou país, pode ir até Porto Alegre ou Caxias do Sul de avião e seguir viagem de carro ou ônibus. O aeroporto mais próximo de Bento Gonçalves fica em Caxias do Sul, a 45km. O aeroporto de Porto Alegre fica a 124km e tem vôos internacionais, além dos nacionais como Latam, Gol, Avianca e Azul.

As empresas Itapemirim e Penha têm ônibus partindo de diversas capitais do país com destino a Porto Alegre. A viação Unesul faz a linha Porto Alegre x Bento Gonçalves.

A nossa opção foi avião + carro alugado. Saímos do Rio de avião e chegando no aeroporto de Porto Alegre alugarmos um carro. A estrada é boa e com um GPS/GoogleMaps/Waze em mãos o caminho é bem fácil de achar. A viagem dura em média 1h45. Como de costume, alugamos o carro com a RentCars, que é parceria do blog e costuma ter o melhor preço no comparativos das empresas de aluguel.

Clima

Sou suspeita para falar pois sou apaixonada pelo friozinho da região Sul do país. Bento Gonçalves é assim, sempre friozinho. No verão as temperaturas sobem bastante, na primavera e no outono fica aquele frio gostoso e no inverno as temperaturas despencam. Por isso, prepare-se bem para o período da sua visita.

No verão, as temperaturas máximas chegam a 27ºC enquanto as mínimas não passam de 15ºC. Já no inverno, a temperatura máxima é de 18ºC e as mínima de 6ºC.

Onde ficar

Optamos por conhecer e nos hospedar no Spa do Vinho, um hotel da Autograph Collection, e um dos melhores (se não o melhor) da região. Gostamos bastante de ficar lá, além de ser do lado do local do casamento, era um ótimo hotel, com boa estrutura, super bem localizado na região e claro, um spa de cair o queixo.

Os quartos eram simples, principalmente os banheiros que deixavam a desejar um pouco já que é um hotel 5 estrelas. Mas ainda assim, gostamos muito. O café da manhã era delicioso e muito farto. O spa, maravilhoso. Fiz uma das melhores massagens da vida por lá. Valeu muito a pena.

Além disso, o hotel fica bem em frente a Miolo, no alto de uma colininha, então, tem uma vista lindíssima. Curtimos!

Como estávamos em um grupo grande que foi para o casamento, meus amigos tiveram a oportunidade de experimentar outros hotéis da região. Vou aproveitar para colocar aqui outras opções pra vocês. Alguns são ainda na região das vinícolas, outros ficam mais perto da cidade. Os preços mudam também. É bom pra todos os gostos, bolsos e estilos. Vamos lá: Hotel LaghettoDall Onder Grand Hotel, Pousada Terragnolo e Hotel Villa Michelon.

Vinícolas

Como vocês sabem, eu viajei grávida, mas nem por isso perdi a oportunidade de visitar as vinícolas e conhecer melhor a região. Sobre os vinhos, dessa vez, não vou dar minha opinião, mas sobre os lugares que foram bacanas de serem visitados isso sim vocês vão ver por aqui.

  • Miolo: Não tinha como não ir. Além de ser bem em frente ao nosso hotel, é uma das vinícolas mais famosas da região. Fizemos o tour por lá e foi super bacana conhecer mais do processo de produção, engarrafamento e estoque de todos os vinhos da Miolo. Essa degustação tem um custo, mas como éramos hospedes do Spa do Vinho, tínhamos um voucher que dava direito a gratuidade.Outro ponto positivo da visita, é o jardim aberto que eles tem do lado de fora onde você pode sentar, fazer um picnic, ver os patinhos no lago e comer por ali. Os noivos do nosso casamento organizaram um almoço nessa área externa e foi delicioso. Vários lounges baixinhos, almofadas no chão pra sentar, ambiente super lindinho. Gostei muito.

  • Lidio Carraro: Uma das vinícolas mais indicadas na região para degustação de vinhos. Nós também fomos nela. Ela fica coladinha na Miolo e também é bem perto do Spa do Vinho. O esquema lá é diferente. Você não conhece a vinícola em si, eles te mostram tudo através de um video enquanto você vai degustando alguns dos vinhos deles. Eles tem uma bela seleção de vinhos premiados e comprando na vinícola os preços costumam ser melhores, né!? Essa degustação tem um custo, mas como éramos hospedes do Spa do Vinho, tínhamos um voucher que dava direito a gratuidade.
  • Casa Valduga: Outra vinícola com vinhos bem legais. Sou suspeita para falar pois escolhi um espumante deles para servir no meu casamento. O esquema lá é diferente. Ou você faz um super tour demorado, com muitas explicações e passeios pela vinícola ou entra na lojinha e prova os vinhos que possam te interessar para comprar. Foi isso que nós fizemos. Como não tínhamos tanto tempo assim para fazer o super tour, acabamos optando por esse esquema. Pra fazer isso você não precisa pagar nada. Uma dica aqui é: Suba até o topo do prédio onde fica a lojinha, a vista lá de cima é bem bonita e vale umas fotos.

  • Pizzato: Uma vinícola bem pequenininha mas com ótimos vinhos (foi o que me disseram!). Visitamos ela exatamente pelo excesso de elogios que ouvimos aos vinhos. Fizemos o mini tour e depois a degustação. Nela pudemos ver o pequeno parreiral que fica atrás da vinícola e tivemos uma ótima aula sobre vinhos, degustação, produção e etc. Cada pessoa pagou R$20 pelo tour + degustação.

  • Almaúnica: Infelizmente nas duas vezes que fomos estava fechada. Queríamos muito ter feito o tour e a degustação por lá. Já conheço alguns vinhos deles e assumo que era uma das que eu estava com mais vontade de conhecer. Como ela fica bem pertinho de todas essas outras, acho que vale colocar na sua listinhas de lugares para visitar por lá.
  • Cave de Pedra: Essa não conseguimos fazer tour ou degustação em si, mas como o casamento aconteceu por lá, tive a oportunidade de ver o espaço e provar os vinhos durante o casamento. O lugar é lindíssimo e já vale a visita por isso. Parece um castelinho de pedras mesmo, cercados pelos parreirais. Lindo demais. Fomos no fim da tarde e recomendo esse horário. O sol se pondo ali é lindíssimo.


As que eu não fui, mas queria ter ido…

  • Cristofoli: Não tivemos tempo de conhecer, mas sei que eles oferecem um picnic no meio das parreiras. Acho que deve ser uma experiência muito legal. Queria muito ter tido a oportunidade de conhecer.
  • Cave Geisse: Além de ter o espumante mais premiado do Brasil, eles tem um passeio de 4×4 pela vinícola que parece ser super interessante. Infelizmente era longe demais pra gente, e balançante demais pra uma grávida. Mas tá na minha lista para a próxima visita a região.
  • Salton: Além de ser uma das mais conhecidas da região, oferece um menu harmonizado com seus espumantes que deve ser uma delicia.
  • Chandon: Não fica em Bento, mas fica no caminho para lá. Não seria nada mal para para degustar alguns espumantes né?!

DICAS: É importante lembrar que quase todas as degustações precisam de reserva. É possível sim conseguir fazê-las sem reservar, mas na alta temporada recomendo que vocês reservem pela internet. | Esses passeios diferentes como o da Cave Geisse e o da Cristofoli só são feitos com reserva, por isso, não pense duas vezes e reserve tudo pela internet com antecedência. Eles costumam esgotar bem rápido. | Se você está grávida ou não bebe, não se preocupe. Quase toda as vinícolas oferecem suco de uva para quem não quer degustar os vinhos. | Se você vai com crianças, não precisa pensar duas vezes, a região apesar de focada em vinhos, tem muitos atrativos para os pequenos. Inclusive um tour de suco de uva na Aurora. Muito interessante.

Onde comer:

Como falei aqui ficamos super em função do casamento então não tive a oportunidade de comer em muitos restaurantes diferentes, mas consegui experimentar alguns que gostei muito e faço questão de recomendar.

Valle Rústico: Sem dúvidas o melhor restaurante da viagem. Comemos muitíssimo bem. A ideia do restaurante é fazer um menu degustação de 11 pratos com o melhor que a região oferece. Então, o cardápio não é pronto pensado com antecedência, ele muda diariamente com o que tem de mais fresco para você comer. Todos os produtos são orgânicos, frequíssimos e o cardápio é todo pensado para que os pratos estejam alinhados entre si e claro, com o ambiente natural do restaurante. Foi uma experiência incrível de jantar e eu recomendo muito. Ah! Lembrem-se de fazer reserva.


Spa do Vinho: Jantamos no restaurante do Spa do Vinho uma das noites em que estivemos por lá e gostamos muito dos pratos. O restaurante em si não é nada demais, porém, a comida estava bem gostosa e a comodidade de não precisar sair do hotel em um dia cansativo valeu o jantar.

Miolo: Como comentei acima, na Miolo eles tem um espaço aberto em que você pode comer, fazer um picnic e curtir o ambiente. As comidas são carinhas, mas bem saborosas. Gostei da ideia do lugar e do ambiente. Acho que vale para um lanche no fim da tarde ou para beliscar alguma coisa caso bata uma fominha. Como fomos no esquema do almoço de casamento, acho que a estrutura era diferente, mas ainda assim recomendo o espaço para um passeio e um lanchinho/almoço.

Acho que com esse post vocês conseguem ter uma ideia bacana sobre Bento Gonçalves, seus vinhos, vinícolas, programas e passeios né? Certamente preciso voltar a cidade para conhecer um pouco mais da região, para experimentar os vinhos e claro, para conhecer a cidade em si, que eu não tive a oportunidade de conhecer.

IMG_5053 (1)Olha ai um testei diferente dos que eu costumo fazer. Normalmente falo de beleza, maquiagem, cosméticos… mas hoje vou contar pra vocês sobre um aparelho que eu tenho em casa que eu amo e recomendo que toda dona de casa (desengonçada como eu) tenha: um saca-rolha elétrico. O meu é esse da Cuisinart e eu sou apenas completamente apaixonada por ele.

“Desenvolvido pela americana Cuisinart, este saca-rolhas elétrico e sem fio facilita sua vida na hora de servir o vinho de sua preferência. O Saca-rolhas Elétrico Cuisinart é fabricado em aço e tem design moderno. Possui corta cápsulas e autonomia de até 80 garrafas antes do próximo carregamento de bateria, possui leds indicativo que avisa a hora de recarregar e cabo emborrachado que facilita o manuseio. Abra suas garrafas sem nenhum esforço com o Saca-rolhas Elétrico Cuisinart WO51”

Ah! Mas que frescura Nathalia pra que eu preciso disso se eu tenho aquele abridor manual? Pra absolutamente nada, na verdade. Mas eu sou meio tapada e tenho muita dificuldade de abrir com o manual, principalmente depois de algumas garrafas já abertas, hahahaha. Ou seja, esse abridor é uma super mão na roda e te ajuda muito nessas horas.

Eu ganhei esse saca-rolha no chá de panela e desde então NUNCA precisei abrir um vinho de forma tradicional. O meu fica carregando todo o tempo, no aparador junto com as bebidas e o bar. Não precisa ficar, mas como eu tenho uma tomada logo atrás, não me incomoda de deixá-lo carregando.

Eu pessoalmente amo isso e acho que é o tipo de coisa que vale muito a pena ter. Ele não é barato, pelo contrário é até bem carinho, mas como uso muito (e como ganhei de presente) pra mim acaba valendo a pena.

Onde? Ganhei, mas achei para vende aqui (preço mais baixo), aqui e aqui.
Quanto? A partir de R$287.

estou-de-ferias-agendado

15
jul 2015

Clube Wine

IMG_1131Vou completar 1 ano de casada na semana que vem e queria dar ao Alexandre alguns presentes legais mas ao mesmo tempo úteis. Pensei em muitas coisas até que me ocorreu de nos inscrever em um clube do vinho. Além da praticidade de receber uma quantidade X de garrafas por mês, em casa, eles explicam cada um deles, ensinam a harmonizá-los e tentam nos fazer entender melhor o vinho em si.

Achei que seria um presente legal e bacana para nós dois. A nossa primeira caixa chegou essa semana e nós adoramos. Foi muito legal receber as garrafas, ler um pouco sobre cada um dos vinhos… e sabe o que foi mais especial?! Na caixa de julho, os vinhos eram uma seleção da Califórnia. Um dos lugares onde passamos a lua de mel.

Esse vídeo explica bem como funciona o clube da Wine.com.br. Nós, inicialmente, assinamos a modalidade Classic, que custa R$112 por mês e é a assinatura do meio deles, mas queremos no futuro experimentar a One, que é modalidade mais básica e barata deles custando R$58 por mês. Acho legal experimentar vinhos bacanas, mas também curto a ideia de que vinhos baratinhos podem ser ótimos. E sem dúvidas, ninguém  melhor que eles para fazerem essa seleção para mim, certo? Afinal, eles entendem tudo do assunto.

Acharam essa ideia legal? Descobri que existem muitos sites que oferecem assinaturas de vinhos, escolhi esse pela indicação que recebi e pelo preço, mas vocês podem ver aqui, aqui e aqui também. Se preferirem receber uma cervejinha em casa, tem essa opção aqui no Clube do Malte.

Ou seja, estou muito satisfeita com o presente que eu dei e com essa nova compra para a gente. É um presente diferente e que vamos aproveitar juntos durante muito tempo. Espero que vocês tenham curtido essa dica.

13
out 2014

As vinícolas de Napa

coisas que amamos vinicolas de napa valley vinicolasResolvi fazer um post falando especificamente sobre as vinícolas de Napa, porque afinal, 90% das pessoas que visitam a região vão a procura disso. Todos querem ver os vinhedos, provar muitos vinhos e conhecer o máximo de vinícolas possível. Comigo não foi diferente, com um diferencial: eu não entendo absolutamente NADA de vinho. Adoro beber, mas não sou uma entendedora. E honestamente, acho isso ótimo!

Mas sem entrar nesses detalhes, explico que esse post fala um pouco sobre as vinícolas que eu fui e algumas que me foram indicadas. Sempre lembrando que não entendo nada de vinhos e que escolhi a grande maioria por serem famosas, bonitas e/ou fotogênicas. hahahahah Meu roteiro foi assim:

Dia 1: Chateau Montelena + Sterling + VSattui (só almoço) + Robert Mondavi
Dia 2: Domaine Carneros + Opus One + Domaine Chandon + Inglenook

coisas que amamos vinicolas de napa valley vinicolas

  • Chateau Montelena: Essa foi a primeira vinícola que visitei. Como ela fica um pouco mais afastada (uns 40 minutos de Yountville) vale a pena começar seu dia por ela. Pra fazer o tasting tem que reservar e pagar pelo site. O processo é bem simples e rapidamente você recebe em seu email o comprovante de agendamento. O vinhos são bem gostosos e você bebe muuuuito na degustação. Achei que valeu por ser um lugar bonito, diferente, um legítimo castelo e bem menos turistão que o Castelo di Amorosa. Sem falar que bebemos bastante. A degustação custou U$50 por pessoa.

coisas que amamos vinicolas de napa valley vinicolas

  • Sterlling: Essa vinícola não estava nos nossos planos, mas três pessoas de Napa elogiaram o passeio/vinícola, então, como estávamos perto, acabamos indo conhecer. Ela não precisa de reserva. Os tours custam U$29 e U$39 por pessoa. O primeiro tem menos opções de vinhos caros e mais exclusivos, mas achei satisfatório. A vinícola é bem bonita e você sobe até ela de teleférico, o que faz com que você tenha uma vista linda da região. É bem interessante. Foi lá que por U$20, pisei nas uvas e “marquei” uma camisa de lembrança. Achei super legal.

coisas que amamos vinicolas de napa valley vinicolas

  • VSattui: não conheci a vinícola mas almocei na deli de lá e é maravilhosa. O lugar é uma gracinha e mesmo que você não queira almoçar, vale parar para beliscar alguma coisinha ou comprar alguma coisa para levar para o hotel. As opções são infinitas e você, provavelmente vai ficar louco querendo comprar tudo.

coisas que amamos vinicolas de napa valley vinicolas

  • Robert Mondavi: Foi uma das mais bonitas que visitamos. Ela tem um ar mais tradicional e os vinhedos são bem no meio dela. Fica super pertinho de Yountville. O tour é bacana apesar de você só experimentar dois vinhos. Não precisa de agendamento, mas o último tour acontece as 16h30 e tem limitação de pessoas, então, fique atento para não chegar depois e perder o timing do tasting.

coisas que amamos vinicolas de napa valley vinicolas

  • Domaine Carneros: Lindíssima e também com um tasting bem generoso. Os valores são de $30 e $40 e você escolhe o tipo que quer experimentar (entre espumantes e tintos, vem sempre 4 opções). Essa é a vinícola do famoso espumante Tattinger, então, os espumantes são bem presentes. Como também é mais afastada vale ir no primeiro horário. Assim como a maioria, você precisa fazer o agendamento, mas não precisa pagar antecipado. O agendamento pode ser feito pelo site e automaticamente você recebe uma confirmação no seu email e um evento na sua agenda (!!!). Muita modernidade.

coisas que amamos vinicolas de napa valley vinicolas

  • Opus One: O vinho é super famoso na região e eles cobram bem caro por ele. O tasting de uma única taça (do único vinho que eles produzem e vendem) custa $40. Você pode dividir se não quiser gastar tudo isso em apenas uma tacinha. E não precisa ficar com vergonha, a grande maioria das pessoas faz isso. A vinícola é bem diferente das outras. Tem uma entrada mais suntuosa e é bem mais moderna. Precisa de agendamento e eles são super rígidos com isso. Fiz a reserva indo lá no dia anterior, mas pelo site você consegue fazer. Ou peça ao concierge do seu hotel para fazer.

coisas que amamos vinicolas de napa valley vinicolas

  • Domine Chandon: Fica praticamente dentro de Yountville de tão perto que é. Além de ter espumantes ótimos, o tour é bem interessante. Você tem a oportunidade de conhecer os vinhedos e o local em que o espumante é produzido. Também precisa de agendamento prévio. Foi o cellar tour mais completo que fizemos, junto com o da Mondavi. Achei interessante para quem quer conhecer todo o processo e entender um pouco mais sobre a produção desse tipo de vinho nos EUA. Custa U$40 por pessoa e você degusta três vinhos.

coisas que amamos vinicolas de napa valley vinicolas

  • Inglenook: a antiga vinícola de Coppola. Fui na esperança de ver o museu e conhecer um pouco mais sobre sua história mas infelizmente o museu dele foi removido desta vinícola e transferido pra uma outra que fica há 50 minutos de lá. Apesar dela ser bonita, não achei imperdível e por isso não recomendo a visita. Se alguém for, experimentem o rosé da Sofia Copolla, dizem que é bom. Eu achei gostoso, mas como não entendo nada fico com medo de recomendar! hahahahahha

Além dessas vinícolas me indicaram também: Castelo di Amorosa (um castelo construído super bonito, mas totalmente turístico. Passei!), Grgich Hills Winery (dizem que lá você pode pisar nas uvas. Eu paguei pra pisar na Sterling), Viader (vinho bom e vista linda) e Merry Edwards (dizem que o vinho é ótimo e o tasting também).

coisas que amamos vinicolas de napa valley vinicolas 2Outra opção é o Wine Train. Ele tem diversos programas e sai em horários variados durante o dia. Você pode optar pelo pacote com almoço ou jantar ou apenas pela opção onde ele vai parando em algumas vinículas e você desce para fazer as degustações.

Fiquei dois dias inteiros na cidade e acho que valeria ter ficado pelo menos mais um pra conhecer vinícolas menores e passear mais pela cidade. Acho que três dias é um número excelente para quem, como eu, está de passagem por ali, curtindo a região, relaxando e provando vinhos.

Dei todos os detalhes de Napa aqui. Lá você verá todos os detalhes, onde ficar, o que fazer e o que é e o que não é imperdível na região. Para saber onde comer bem por lá, clique aqui.

comissão booking hotel minicomissão real seguro minicomissão rentcars carro mini