Acho que 99% das pessoas só conta o lado bom das viagens, mas vocês já pararam pra pensar que muitas vezes as coisas podem dar errado? Podem ser coisas pequenas, podem ser coisas grandes… não temos controle sobre tudo que pode acontecer, o importante é estarmos preparados para toda situação, inclusive as que não são esperadas.

Já passei alguns perrengues em viagem e acho que posso compartilhar com vocês algumas formas de amenizar a frustração, raiva e todos os sentimentos ruins que passam pela gente quando alguma coisa não dá certo nas nossas viagens.

  1. Perder um vôo: Seja culpa sua ou não, perder um vôo é sempre um saco. Você perde horas (ou dias) no seu destino, as vezes perde diárias de hotel, programas e passeios já pagos e muitas vezes ainda tem que arcar com as despesas de um novo vôo, acomodação no lugar que está e etc. Pra resolver isso, você precisa em primeiro lugar se alocar em um novo vôo, o mais rápido possível. Fale com a companhia aérea e veja o que é possível fazer no seu caso. Se a culpa foi um atraso da mesma cia aérea fica tudo mais fácil. Exija seus direitos. Se perdeu o vôo por causa do mal tempo ou alguma coisa do tipo, as companhias aéreas não costumam fazer nada nesses casos. Em seguida entre em contato com o hotel do destino para ver o que pode fazer, se consegue um reembolso da diária perdida, ou pelo menos, se consegue um voucher para gastar aquele valor em outro momento. O mesmo serve para os seus fornecedores de passeios. Caso tenha comprado um pacote de viagens, deve entrar em contato com a agencia para que ela faça esses contatos e acertos para você.
    Como evitar: Saia sempre com muita antecedência par ao aeroporto (o recomendado é chegar 3h antes em vôos internacionais e 2h antes em vôos nacionais). Sim, parece muito, e é. Mas é sempre melhor prevenir do que remediar. Nunca marque escalas com menos de 3h, principalmente em grandes aeroportos como Londres, Paris, Amsterdam… Tenha em mãos os todos os contatos que você pode precisar em “caso de emergência”.
  2. Malas extraviadas: Outra grande chateação comum em viagens. Chegou no seu destino (ou em casa) e as suas malas não. Se for em casa, menos mal… mas se for no seu destino, é um saco. Tem que dar queixa no aeroporto, falar com a cia aérea e contar com a boa vontade dos atendentes e com a sorte. E se acontecer? Tenha sempre uma (ou mais) muda de roupa na mala de mão e leve com você itens de valor. Contate seu seguro viagem que, normalmente, cobre extravio de bagagem também. Se quiser pode colocar um gps dentro da mala, hoje em dia pequenos dispositivos com rastreamento são vendidos para identificar aonde a mala está.
    Como evitar: Confira sempre o ticket colocado na sua mala e veja se o destino está correto. Retire tickets de viagens anteriores para não confundir o envio. Não deixe para despachar a sua mala no último segundo. Pesquisas indicam que malas despachadas nos últimos minutos tem mais chances de serem perdidas.
  3. Ser roubado: Por mais cuidados que sejamos, os bandidos estão cada vez mais espertos e conseguem driblar todas os nossos cuidados. Furtos são muito comuns em viagens e pra não surtar caso isso aconteça é importante que você sempre tenha seus documentos escaneados no seu email, cópias físicas em sua mala e os telefones importantes com você. (Seguro saúde, cartão de créditos, consulados…)
    Como evitar: Nunca deixe seu dinheiro todo num único lugar, fique atento a sua bolsa/carteira em locais de muito movimento, pesquise sobre as áreas de (in)segurança das cidades que você vai visitar, verifique se o cofre do hotel não abre com a senha default 0000, deixe seus pertences de valor sempre em local seguro e trancados e esteja sempre de olho nas suas coisas e no ambiente ao seu redor.
  4. Overbooking: Essa é uma situação cada vez mais recorrente nos aeroportos, e por incrível que pareça, nos hotéis também. Mas, infelizmente isso é algo que está completamente fora do nosso controle.
    Como evitar: Apesar de estar fora do nosso controle, existem algumas coisas que podemos fazer para talvez evitar isso. Por exemplo: faça sempre que possível seu check in online e chegue cedo no aeroporto. Pode até ser que seu vôo tenha overbooking, mas chegando cedo você consegue garantir o seu lugar. No caso dos hotéis, o overbooking é bem menos comum. Mas se você quiser ter certeza absoluta de que está tudo ok com a sua reserva, envie um email para o hotel uma semana antes da sua reserva e garanta que está tudo certo.
  5. Falta de documentos: Vocês podem até pensar que isso quase não acontece, mas acreditem, cada lugar do mundo exige uma documentação diferente para você entrar e sair dele e esquecer ou errar a documentação necessária para acessar um país é um dos erros mais comuns dos viajantes.
    Como evitar: Confira várias vezes toda a documentação necessária para entrar no país que você está visitando, tenha cópias de todos os seus documentos com você, acesse o site do consulado do país que você vai, verifique se é necessário algum tipo de visto especial, tenha em mãos o comprovante internacional de febre amarela (sou dessas que leva em todas as viagens, por que nunca se sabe!), veja se é necessário pagar alguma taxa na entrada e se precisa ter a moeda local… o ideal é você verificar isso sempre próximo a sua viagem pois as regras podem mudar.

Acho que esses são alguns dos perrengues de viagem mais comuns. Espero que as dicas ajudem vocês a evitar passar por eles e claro, deixem vocês preparados para o que der e vier.

Fotos da Internet

Não sei se já contei por aqui, mas Victoria mal nasceu e já tem sua primeira viagem internacional marcada #vicpelomundo Adoro! Vamos para os EUA no réveillon e para isso, comecei todo aquele processo de tirar passaporte, fazer cidadania, visto e etc.

Espero que ela curta ser uma pequena viajante como os pais são né… porque vai começar desde cedo! =)

O processo, no todo, foi bem mais simples do que eu esperava. Para tirar o passaporte dela foi bem tranquilo. Só precisei acessar o site da Polícia Federal e marcar a opção “Requerer Passaporte”. Nesse momento você vai preencher todas as informações necessárias e dados da criança, estar com a GRU paga (aquela taxa de R$257,25) e marcar a opção se a criança pode viajar apenas com um dos pais ou precisa dos dois juntos para realizar as viagens. Marquei “autorizando o menor a viajar com apenas um dos genitores, indistintamente”, assim ela pode ir só comigo ou só com o Alexandre sem precisar de toda aquela burocracia de autorização de viagem e etc.

Uma informação que eu não sabia é que a duração do passaporte para bebês e crianças pequenas é completamente diferente dos adultos. Até 1 ano de idade ele é válido por 1 ano, de 1 a 2 por 2 anos, 2 a 3 por 3 anos, 3 a 4 por 4 anos e acima de 5 ele já vale pelos 5 anos, como é o padrão. Ou seja: só vale tirar se você tiver uma viagem planejada mesmo.

Agora é a hora de separar a documentação e mandar ver. Você vai precisar de:

  • Certidão de nascimento original;
  • Identidade e CPF dos pais (ou passaporte);
  • Uma foto 5×7 com fundo branco, recente, colorida, sem data e sem nada que cubra o rosto do bebê (adultos têm a foto feita na hora, crianças menores de 3 anos precisam levar);
  • Protocolo e comprovante do pagamento da GRU;
  • Caso um dos pais não esteja presente no dia, uma autorização do pai ausente para a emissão do passaporte com firma reconhecida.
  • Caso já tenha feito, é importante levar o passaporte anterior.

(Foto do meu pacotinho para o passaporte | Nanda Castelo Fotografia)

É imprescindível que no dia do agendamento os pais estejam juntos com o bebê no ato da solicitação. Já para buscar o documento pronto, basta o menor de idade com um dos responsáveis.

Depois é só aguardar a emissão que costuma ser rápida (aqui no Rio leva no máximo 15 dias corridos) e buscar o documento pronto.

Viajar sozinha é uma coisa que pode assustar. Eu mesma nunca tentei, nunca tive coragem e nunca precisei. Mas como sei que essa é a realidade de muita gente, reuni aqui algumas dicas de como fazer a sua viagem ainda melhor quando se está sozinho.

  1. Abra a cabeça: Acho que o passo mais importante em uma viagem em que você está sozinha é abrir a cabeça a novas experiências, amizades, lugares… vá preparada para as novidades e esteja disposta a viver esse momento.
  2. Hospede-se em um hostel: Hotéis são confortáveis e bacanas, porém, quando você viaja sozinha pode acabar um tanto quanto entediada. Hospedar-se em albergues e hostels pode ser uma boa solução. Muitas pessoas estão viajando sozinhas, como você e será mais fácil conseguir companhia, conversar com alguém e até mesmo dividir gastos de passeios.
  3. Tenha em mãos telefones importantes: Esse dica serve para qualquer viagem, mas quando se está sozinha, todo cuidado é pouco. Tenha em mãos telefones e emails importantes como os contatos do seu seguro viagem, cartão de crédito, consulado do local que você está visitando e um cartão do seu albergue.
  4. Diga sempre onde você está: Mantenha sua família no Brasil informada das cidades, países e locais que você está visitando. Deixe com alguém um roteirinho da sua viagem com as hospedagem já reservadas, horários e dias de vôos, números de reserva e etc.
  5. Não exagere nas malas: Lembre-se que quando estamos sozinhas as coisas podem ser mais difíceis, por isso, seja comedida na hora de fazer as malas. Você pode precisar carrega-las sozinha em escadas, longas distâncias e pode até mesmo não ter onde coloca-las confortavelmente no hostel.
  6. Tenha uma cópia dos seus documentos no seu email: Pra garantir sua segurança e menos perrengues de viagem, tenha sempre no seu email uma cópia dos seus documentos de viagem, passaporte, dados de vôos, endereço de hotel…
  7. Cuidado com seu dinheiro: Mantenha seu dinheiro e cartões em lugares seguros e bem escondidos quando não estiverem com você. Confira sempre se o cofre não abre com a senha padrão 0000 e se deixar na mala, deixe escondido em lugares inusitados e claro, mantenha a mala super bem trancada.
  8. Não tenha medo: Viajar sozinho pode ser assustador, mas acredite, milhares de pessoas no mundo fazem isso e tudo corre bem. Seja cautelosa e informe-se sobre o local que você está visitando. Veja onde é e não é seguro, o que pode fazer, aonde pode ir e tenha sempre aquele pé atrás com pessoas nova. Não se feche para elas, mas fique ligada.
  9. Fique conectada: Se está insegura, permanecer conectada pode te dar mais tranquilidade. Compre um chip de internet e tenha acesso ao GPS, whatsapp e ao bom e velho Google. Isso vai te deixar mais tranquila e certamente mais informada.
  10. Aproveite. Curta. Viva!: Experiências como essas podem ser comuns na vida de muita gente, mas se você está lendo esse post é porque está disposta a viajar sozinha e curtir essa nova experiência. Então se jogue, aproveite, viva esse momento ao máximo. Tenho certeza que vai ser incrível!

Dicas dadas, agora é só comprar as passagens, embarcar e aproveitar! Na volta, me contem como foi a experiência, se as diquinhas ajudaram e claro, deixem uma mensagem motivadora(e as suas dicas, claro!) para o amiguinho que ainda não foi viajar sozinho, mas assim como você, está tomando coragem pra ir.

21
jun 2017

Viajando grávida

viajando grávida Acho que esse foi um dos assuntos que mais me perguntaram em todas as viagens que eu fiz durante essa gravidez. Como era a minha relação gravidez x viagem, como eu lidei com isso, como eu fiz para viajar, se foi desconfortável… foram tantas perguntas que eu resolvi reunir isso em um post para contar pra vocês.

Agora, estou com 35 semanas, quase 8 meses e durante esse tempo eu fiz 3 viagens internacionais e 4 viagens nacionais. Então, acho que posso falar um pouquinho sobre como foi a minha experiência de viajar grávida, certo!?

A primeira viagem que eu fiz estando grávida foi para Búzios. Eu ainda não tinha contado para ninguém, estava com 9 semanas mais ou menos e estava super receosa de ir pois era uma viagem de amigos, bebedeira e pra Búzios (no verão), um lugar que estava cheio de mosquitos e aquele terror da zika. Conversei com o meu médico e ele falou para eu me entupir de repelente e ir tranquila. Foi ótimo e eu não me arrependo nem um pouco de ter ido. Na época ainda ficava muito cansada e com muito sono, então, o meu maior problema era esse, disfarçar a gravidez e não demonstrar minha exaustão.

viajando grávida A segunda viagem foi para Cuba, mas nessa ai fomos com a família e todo mundo já sabia. Foi ótimo não precisar disfarçar nada. Eu já estava com 11 semanas, prestes a fazer 12. A terceira viagem foi para o sítio do meu pai. Eu estava com 12 semanas de gravidez mas ainda não tinha contado para a familia toda pois estava aguardando o resultado de um exame. Foi difícil não beber um vinho a noite e conseguir disfarçar, ou pior, segurar a lingua do meu pai que estava doido para contar para o mundo que Victoria estava chegando. Mas deu certo…

A quarta viagem foi uma grande mudança de planos gerada pela gravidez. Eu e o Alexandre planejamos passar o Carnaval na Ásia, mas com a descoberta da gravidez, mudamos os planos e resolvemos fazer uma viagem mais “tranquila” pela Europa. Fomos para Islândia, Inglaterra, Escócia e Irlanda. Foi uma viagem longa de 3 semanas. Eu estava com 17 semanas quando fui e voltei com 20 semanas. A quinta viagem foi para Teresópolis para o aniversário de uma amiga. Foi tranquilo também. Quando as outras pessoas já sabem, fica bem mais tranquilo. Depois, com 26 semanas, fui para Bento Gonçalves para o casamento de uma amiga querida e logo que voltei, já com 27 embarquei para Miami para fazer o enxoval da Victoria.

O que eu achei

No geral achei beeeem tranquilo viajar grávida. Como vocês sabem, não tive nenhuma complicação, tive uma gravidez ótima, sem enjoos, sem dores, sem desconfortos… então, realmente não vi nenhum problema nessas viagens.

viajando grávida Escolher bons destinos para a viagem quando se está grávida é bem importante, principalmente se você está de férias ou se está querendo descansar. Ter mudado a Ásia pela Europa foi a melhor escolha que poderíamos ter feito pra gente, naquele momento. Conseguimos fazer uma viagem mais tranquila, sem precisar pegar mil vôos, com tempo para descansar, curtir os hotéis, passear…

Se numa próxima gravidez eu estiver tão bem quanto estava nessa, não mudaria em nada meu esquema de viagens. Nos adaptamos muito bem. Mudamos o ritmo da viagem para que eu pudesse acompanhar dentro do meu novo ritmo, fizemos viagens mais calmas (coisa que não é o meu perfil), descansamos… funcionou perfeitamente.

viajando grávida O que eu fiz de diferente do meu usual

Quando se viaja grávida, você começa a pensar em várias coisas que não pensa normalmente. Então tive algumas precauções que acho que são super válidas para quem vai viajar grávida:

  • Consulta com o obstetra sempre antes das viagens.
  • Lista de medicamentos permitidos para levar caso sejam necessários.
  • Autorização médica para viajar. (Levei em todas as viagens que fiz de avião, inclusive a primeira).
  • Seguro de viagem que tenha ótima cobertura para grávidas (fechei com a Real mesmo e deu tudo certo).
  • Usar meias de compressão até a barriga em todos os vôos. TODOS. (também usei desde o primeiro vôo).
  • Informar em todas as situações possíveis que eu estava grávida. Não só pelas prioridades e mimos, mas pelo conforto também. Por exemplo, na volta de Miami a companhia aérea não conseguiu me dar um lugar com espaço maior para as pernas, mas fecharam uma fileira de 3 lugares para mim e para o Alexandre. Voltei deitada, esparramada, dormindo feito um neném. Foi ótimo!
  • Estar em contato com meu obstetra pelo whats para qualquer emergência. Graças a Deus não precisei de nada, e ele teve sossego em todas as minhas viagens! ehehhehe
  • Andar de tênis (principalmente na viagem de Miami) para ficar mais confortável. E esse é um hábito que não tenho, então, foi ótimo pra mim.
  • Massagem. Sempre que tinha a oportunidade fazia uma massagem e foi ótimo, principalmente mais pro final quando já estava começando a ficar mais inchada.

viajando grávida O que eu mudaria

Talvez a minha alimentação nas viagens. Não por nada referente a saúde ou a gravidez em si, mas meio que chutei completamente o balde em todas as viagens e obviamente engodei mais do que eu gostaria/deveria.

Fora isso, acho que consegui fazer tudo como deveria, atendendo as minhas necessidades, o novo ritmo do meu corpo, da gravidez. O Alexandre acompanhou super bem e entendeu em todos os momentos em que eu precisava pegar mais leve, ir com mais calma, voltar pro hotel/casa para descansar… então, acho que foi ótimo. Não mudaria nada.

Enfim, foi assim que eu lidei com a minha gravidez durante essas viagens que eu fiz. E vocês? Viajaram grávida? Como lidaram com isso? Como o corpo de vocês reagiu? Tem alguma dica infalível? Deixa aqui nos comentários…