Tag Archives: viagens

Assim que saí de Londres, pegamos o carro e caímos na estrada. Nossa primeira parada foi na cidadezinha de Winchester, no interior do país. Sabíamos que era uma cidade pequena, porém cheia de histórias para contar, então, não pensamos duas vezes na hora de incluí-la no nosso roteiro.

A cidade

Winchester é uma cidade no sul da Inglaterra, capital do condado de Hampshire, com uma população de aproximadamente 35 mil habitantes. Winchester, no passado, foi capital da Inglaterra. Se desenvolveu a partir da cidade romana de Venta Belgarum. O maior ponto de referência da cidade é a Catedral de Winchester, uma das maiores catedrais da Europa, com distinção de ter a extensão mais longa e geral de todas as catedrais góticas da Europa. A cidade é também lar da Universidade de Winchester e a famosa escola pública, Winchester College.

O interesse arquitetônico e histórico da cidade, e suas ligações rápidas com outras cidades, levaram Winchester a se tornar uma das áreas mais caras e desejadas do país. Fonte: Wikipedia.

Como chegar

Chegar em Winchester é bem fácil. De carro, saindo de Londres, você chega em 1h30 sem trânsito, numa estrada ótima. Como contei no post sobre como é dirigir no Reino Unido, alugamos o carro na RentCars,

Se você quiser ir de trem, é bem tranquilo também. Na estação de Waterloo, em Londres, saem trens várias vezes por dia para lá. O trajeto leva aproximadamente uma hora e te deixa bem pertinho do bafafá da cidade. De lá é só caminhar e conhecer tudo.

Onde ficar

Nós passamos apenas uma noite, então, fizemos questão de ficar em um hotel super bem localizado na cidade para poder ir e vir com facilidade e conhecer o máximo possível a pé.

Nos hospedamos no Mercure Winchester Wessex Hotel. A localização é perfeita. Ele fica coladinho na Catedral e bem perto de tudo. Uma outra vantagem que vimos nesse hotel era o fato dele ter estacionamento, um ponto positivo pra quem vai de carro. O quarto que ficamos era bem pequeno, mas não chegou a ser um problema pra gente. Vocês podem optar por um quarto superior com vista para a catedral, deve ser bem lindo. O café da manhã, incluído na diária, é muito gostoso e farto. Sem falar na vista da hora do café… linda!

Quando estava escolhendo onde ficar, recebi outras boas indicações de hotéis por lá. Algumas opções mais luxuosas e confortáveis, com preços variados, mas todas com excelente localização. Dos que eu vi por lá, os que eu mais gostei foram: Hotel Du Vin e Winchester Hotel & Spa.

Além desses, recebi ótimas indicações também do Winchester Royal Hotel e do Nº 5 Street. Vale você dar uma pesquisada e ver qual atende melhor seu gosto, bolso e estilo.

O que fazer/Quanto tempo ficar

Passei meio dia em Winchester e conheci conhecer bem a cidade, mas recomendo que você passe um dia inteiro para ver tudo com mais calma e para conseguir aproveitar bem.

Sem dúvidas, só consegui conhecer bem a cidade pois com a ajuda do Winchester City Council, eu agendei um guia para nos levar para passear nessa tarde que tivemos por lá. Aliás, fica ai uma dica super bacana para quem quiser conhecer melhor a cidade. Amamos o guia e foi super legal ver os lugares e saber mais da história com ele.

Steve Heath
steve.heath@entadic.co.uk
078 3322 8425

Como tínhamos pouco tempo, o Steve fez um apanhadão da cidade alta e da cidade baixa com a gente em 3h30, que era mais ou menos o tempo que tínhamos disponível antes de escurecer. Foi super legal e valeu cada minuto. Recomendo muito.

  • Catedral de Winchester: É uma das maiores catedrais da Inglaterra. Ela começou a ser construída no século XI, quando Winchester era a capital de Inglaterra, e só terminaram no século XVI. A sua base foi um mosteiro fundado por monges beneditinos em 642. Ela tem um lugar de destaque na história de Inglaterra, pois foi o local de eventos importantes como, por exemplo, a coroação de Eduardo o Confessor ou o casamento de Maria I de Inglaterra com Filipe II de Espanha. É na catedral de Winchester que você encontra o túmulo de Jane Austin. A catedral funciona todos os dias das 9h30 às 17h e você precisa pagar uma entrada no valor de £7.95. Aos domingos, ela funciona de 12h30 às 15h. Para saber mais e planejar sua visita veja o site da catedral aqui.

  • Jane Austin House: A casinha amarela na College Street é famosa por ser o local onde Jane Austin passou os últimos dias de vida. Ela não está aberta para visitação, mas vale dar uma passadinha por ali para conhecer o local.

  • Wolvesey Castle: Como era inverno, não pudemos entrar no Castelo de Wolvesey. Ele funciona apenas no verão pois é quando a cidade recebe mais visitantes. Não espere chegar lá e dar de cara com um castelo, hoje, só existem as ruínas do que um dia foi o castelo. Ele foi erguido no início do século 12, mas durante a guerra civil de 1646 foi destruído. Entrada gratuita.
  • High Street: É uma das principais ruas da cidade. Liga a parte alta, a parte baixa. Lá você encontra comércio, lojinhas, restaurantes, mercados… Achei uma delicia passear por ali, entrar e sair das lojas e tomar um cafézinho vendo as pessoas passarem.

  • Westgate: Fomos subindo a High Steet até chegar ao Westgate, um dos cinco portões originais da cidade, que ainda existe, e hoje é um museu. A dica aqui é: suba até o rooftop para ter uma vista privilegiada da cidade, e tirar uma boa foto da High Street.
  • Kingsgate: Esse portão é um bônus, que vale ser visitado. Ele fica próximo a Catedral, portanto, inclua ele no seu passeio quando estiver por lá. Junto com o Westgate, eles são os únicos que sobraram na cidade. Ele tem um diferencial que é a igreja de São Swithun-upon-Kingsgate, que fica no alto do portão. Se tiver a oportunidade, visite a mini-igreja gratuitamente para ver como ela é diferente.

  • Great Hall: Era, na minha opinião, o ponto alto da cidade. Eu estava animadíssima para conhecer por um único motivo: é lá que fica a famosa Távola Redonda do Rei Arthur. Não se sabe se de fato a história é verdade, nem tampouco se a mesa é original, porém, a gente é turista e torce para que seja né? Afinal, quão legal é dizer que você ficou cara a cara com a famosa Távola Redonda do Rei Arthur? Mas antes disso, vale explicar que o Great Hall, nada mais é do que o que sobrou do Castelo de Winchester. A visita vale também para você admirar a arquitetura do local, que é linda. Uma dica legal é: atrás do pequeno jardim do Great Hall tem uma escadinha que leva a alguns prédios, que hoje são residenciais. Vá até ali tirar umas fotos e ver como era o castelo antigamente. A ideia, era fazê-lo bem parecido com o Castelo de Versalhes na França.

Onde comer

Acreditem, acho que foi em Winchester que comi as melhores refeições da minha viagem pela Inglaterra, então, faço questão de recomendar dois lugares que eu comi e amei, e alguns outros que me indicaram e que pareciam ser ótimos também.

The Wykeham Arms: É um pub super tradicional da cidade. Inaugurado no século 16, e mantido da forma original desde então. Ele possui vários ambientes e uma comida deliciosa. No almoço eles oferecem um menu diferenciado, com preço mais acessível. Vale muito a pena. Se for final de semana ou alguma data comemorativa na cidade, faça reserva. Mesmo para almoço.

The Chesil Rectory: Outro lugar muito legal, que vale a visita. Fomos jantar lá e a comida estava divina. O ambiente também é muito legal. Faça reserva para garantir a sua mesa.

Outro lugar que todo mundo nos recomendou mas infelizmente não conseguimos ir foi o The Black Rat. É um pub/restaurante com comida delicia e estrelas Michelin. Chegamos a ir na porta, mas como era uma segunda feira, as 21h30 já estava fechado. Apesar de não ter ido, cheguei a entrar e adiando que achei o ambiente do Chesil Rectory melhor. Portanto, minha dica é: coma no Chesil e tome uns drinks no Black Rat.

Adorei a visita a Winchester e acho que você pode sim incluir a cidade no seu roteiro. Ela é cheia de história, de lugares lindos, de bons restaurantes e, na época de Natal, ainda acontece por lá uma das feirinhas natalinas mais famosas da Inglaterra. Nada mal, né?!

Se você quiser saber mais sobre a cidade, sua atrações, restaurantes… não deixe de visitar o site Visit Winchester. Lá você encontra várias outras informações que pode precisar para fazer uma visita super completa na cidade! Ah! Se já quiser ir curtindo o clima da cidade, pode seguir eles no instagram @kingalfwinchester!

 

Special thanks to Steve and Winchester City Council for all their support and for helping us organize the perfect time in Winchester.

Resultado de imagem para passaporte italiano e brasileiroComo já contei aqui para vocês, eu tenho dupla cidadania. Sou metade brasileira e metade italiana. Na prática isso só interfere na minha vida quando eu faço viagens internacionais, mais especificamente para Europa e para os Estados Unidos.

Na Europa, como a Itália faz parte da união européia eu pego uma fila diferenciada ao chegar lá e a minha imigração no continente é bem mais rápida e sem questionamentos. Nos Estados Unidos, é legal pois eu não preciso de visto para entrar, pois os cidadãos italianos tem a passagem liberada para o país, contando que você esteja com o ESTA atualizado. Não sabe o que é o ESTA? Calma, que eu te explico.

ESTA são as iniciais de “Electronic System for Travel Authorization” (Sistema Electrônico para Autorização de Viagens). ESTA é um sistema de candidatura online desenvolvido pelo governo dos Estados Unidos da América para realizar uma pré-verificação dos viajantes antes de que a sua entrada nos Estados Unidos seja permitida. Devido às regulamentações de segurança intensificadas que entraram em vigor no dia 12 de Janeiro de 2009, os visitantes que viajarem no âmbito do Waiver Program devem candidatar-se à obtenção da Autorização de Viagens com antecedência, antes da sua visita aos Estados Unidos. Todos os viajantes devem igualmente possuir um passaporte passível de leitura por máquina para poderem ser admitidos nos Estados Unidos. O processo de candidatura à obtenção do ESTA desenrola-se totalmente online e é levado a cabo pelo Departamento Americano de Segurança Interna (DHS).”

Conseguiram entender? Pois é, tendo seu ESTA em mãos, sua entrada para os EUA está liberada. Isso não funciona com os brasileiros, que precisam passar pelo processo do visto, mas para cidadãos de algumas outras cidadanias além da italiana funciona super bem.

 

Conseguir o ESTA é bem simples. Você deve fazer sua solicitação online nesse site aqui, que é o oficial. Cuidado pois várias outras empresas se passam por site oficial e cobram uma taxa absurda para “fazer o pedido por você”. Você precisa ter em mãos seu passaporte brasileiro, seu passaporte da outra cidadania (se for uma das acima), seu contato nos EUA, endereço de hospedagem (caso fique lá e não esteja apenas de passagem) e um cartão de crédito internacional para pagar a taxa de $14.

Lembre-se que ao solicitar a autorização, você estará entrando nos EUA com o seu passaporte que não é brasileiro, portanto, é importante que você coloque que é cidadão do outro país, dê os dados corretos desse outro passaporte e só na parte em que eles perguntam se você tem dupla cidadania você fala sobre o Brasil.

Atenção: Se você tiver algum visto para os EUA válido, mesmo em passaporte vencido, você não está apto para tirar o ESTA. Se tiver algum visto válido, use-o até o final e só então solicite o seu ESTA. Ele é válido por 2 anos, e te dá direito a uma permanência de até 90 dias no país.

Chegando na imigração, você passará pelo procedimento de praxe onde eles irão perguntá-lo onde você ficará hospedado, por quanto tempo ficará lá, qual o motivo da viagem… Tenha todas as informações em mãos e não se preocupe. Ah! Leve uma cópia da autorização do ESTA com você, para garantir. É sempre melhor prevenir do que remediar.

Esse era um vídeo que eu estava doida para fazer. Como vocês sabem, sou meio organizada demais (prazer, virginiana) então, deixar tudo certinho e estar preparada para imprevistos é quase uma especialidade. Quando a gente vai viajar, imprevistos acontecem, e se o destino for frio, é bom estar bem preparada para não passar perrengue. Arrumar bem a sua mala de mão de inverno é fundamental para garantir que você vai ter uma viagem mais tranquila, sem estresse e com o mínimo de perrengue que você puder evitar estando com a mala correta.

E ai? Gostaram? Acham que esse video ajudou vocês a deixar a mala de mão super organizadinha? Como diz o ditado popular, é melhor prevenir do que remediar né? Então, não custa nada pecar pelo excesso e caprichar na malinha. Eu faço isso há anos, já tive a mala extraviada e foi a mala de mão que me salvou, por isso, só viajo com mala de mão e recomendo sempre que vocês façam o mesmo!

Se vocês gostaram do video e quiserem acompanhar as novidades do canal, não esqueçam de se inscrever e, claro de curtir o vídeo. É assim que eu consigo ver o que vocês gostam e o que não gostam de assistir no CqA TV. Ah! Lembrando que quem está inscrito no canal, assiste os videos sempre primeiro e tem acesso a conteúdo exclusivo! =)

Vocês que acompanharam essa minha última viagem de férias perceberam que fizemos a Inglaterra e a Escócia de carro. Muita gente nos questionou por conta dessa decisão, mas sem dúvidas acho que foi super acertada e vou explicar o porque.

Saímos da Islândia para Londres e lá não precisamos de carro para turistar. Então, reservamos o carro no dia de ir embora, fazendo a retirada no aeroporto Heathrow. Ficamos 10 dias com o carro e percorremos o interior da Inglaterra e a Escócia. E vou contar os detalhes aqui pra vocês…

Roteiro

Essa foi uma das primeiras coisas que a gente definiu antes de começar a pensar em alugar ou não o carro. Saber aonde você vai, conhecer as estradas, saber a respeito das condições climáticas e etc é bem importante na hora de tomar a decisão final do carro.

Resolvemos fazer Inglaterra e Escócia, no inverno, ou seja, com muita possibilidade de neve, e passando pelas Highlands, que são “os alpes” escoceses e indo a Skye, a “ilha” vizinha a Inverness. Tínhamos que ter um carro que desse conta do recado. Nosso roteiro ficou assim:

Dia 1: Londres – Winchester
Dia 2: Winchester – Stonehenge – Bath
Dia 3: Bath
Dia 4: Bath – York
Dia 5: York
Dia 6: York – Edimburgo
Dia 7: Edimburgo
Dia 8: Edimburgo – Inverness
Dia 9: Inverness
Dia 10: Inverness – Skye – Glasgow

Roteiro traçado, foi fácil definir o modelo do carro, os horários de retirada e devolução e qualquer outra coisa que a gente pudesse querer garantir na reserva.

Onde alugar?

Bom, costumo alugar em locadora conhecidas para evitar transtornos. Dessa vez não foi diferente. Aluguei pela RentCars, que eu sempre recomendo aqui, é a minha escolha 100% das vezes e eu super confio.

Aluguei o carro com uns 15 dias de antecedência para garantir um bom preço e conseguir o carro que eu queria. Explico: como por lá se dirige na mão inglesa, queríamos um carro que fosse automático para que a nossa experiência dirigindo na “contra mão” fosse mais confortável. Um carro grande era importante também, afinal, estávamos com malas grandes e queríamos garantir que tudo ia caber no carro.

Seguro

O nosso cartão de crédito nos dá seguro de carro, caso a gente queira. Em uma situação normal, talvez utilizássemos só esse, mas dirigindo no Reino Unido achamos melhor contratar um seguro da locadora para garantir que se alguma coisa acontecesse não teríamos problema.

Contratamos um seguro na hora da retirada do carro e tudo ótimo. Custou £13/dia, que não é a coisa mais barata do mundo, mas nos dava o conforto de saber que tanto o nosso carro, quanto com o carro de terceiros estavam segurados em caso de algum tipo de acidente. Seja grande ou pequeno.

GPS ou Google Maps?

Contratamos também o GPS para garantir que os caminhos seriam acertados. Fizemos isso quando reservamos o carro pelo site. Isso é uma dica importante. Muitas locadoras não tem o mesmo número de GPS que elas tem de carro, por isso muita gente acaba ficando sem. Então, é sempre bom você já garantir o seu, caso queira, no ato da reserva.

Nós estávamos com chip de internet e tínhamos acesso ao Google Maps, mas nos guiamos 95% do tempo com o GPS do carro e foi super tranquilo.

Dirigir na mão inglesa

Bom, não fui eu quem dirigiu, foi o Alexandre e acho que ele tirou de letra. Claro que no início é estranho, você fica meio tenso, ainda se preocupa com as medidas do carro, fica mais atento as laterais… mas no geral, acho que foi bem tranquilo.

O Alexandre já tinha dirigido antes na mão inglesa, mas não acho que isso tenha feito muita diferença. Realmente o que ajuda é você ir com calma até pegar o jeito. Atenção especial nas rotatórias e na pista de quem vai mais rápido e devagar.

Estacionamento

Em quase todas as cidades que paramos tínhamos estacionamento incluído no hotel ou algum esquema de estacionamento público perto. Essa foi uma outra preocupação na hora de fazer as reservas.

Estacionar o carro por lá é bem carinho, portanto, tente conseguir hotéis com estacionamento gratuito ou com algum lugar próximo em que você tenha noção do preço que vai pagar para parar o seu carro. Lembre-se que estacionamento de rua lá é pago e muita vezes você não pode passar de 2h parado no mesmo lugar, ou seja, tem que procurar um estacionamento mesmo para o carro passar o dia e a noite parado.

As estradas

Em geral as estradas são ótimas e super bem sinalizadas, principalmente na Inglaterra. Nesse roteiro que a gente fez, pegamos muitas estradas grandes e movimentadas. Bem tranquilo.

Na Escócia as principais estradas também são muito boas, porém, as menores com as estradas próximas aos lagos, por exemplo, são pequenininhas e apertadinhas. Nada que seja problemático, mas dá um nervosinho dirigir na “contramão” em uma mini estrada de mão dupla. A dica aqui é reduzir a velocidade (ou até parar o carro) e ir para

E se bater…

Pois é, aconteceu com a gente. Na verdade, não batemos. Bateram na gente. Estávamos estacionados em uma lojinha na Escócia quando uma pessoa deu ré e amassou um pouquinho a traseira do nosso carro.

Tínhamos os papéis da reserva em mãos e lá tinha um telefone para contactar em caso de batida. A pessoa que bateu também estava com o carro alugado e também tinha seguro completo que cobria terceiros, ou seja, na teoria, estava tudo certo.

O nosso carro e o carro que bateu na gente um pouco depois do “acidente”

Ligamos para o número que a locadora indicou em caso de acidentes e passamos todas as informações e dados da pessoa que bateu para eles. Com aquele seguro que fizemos na hora de retirar o carro, o máximo que nos aconteceria era ter que pagar £100 para o caso de algum acidente. Entenda ai qualquer tipo de acidente. Seja pequeno, médio ou grande. Seja um arranhão ou perda total.

Até o momento não cobraram nada em nosso cartão, então, estamos acreditando que o seguro do cara que bateu na gente cobriu tudo. Por isso é tão importante ter seguro. Pelo que vimos na hora de devolver o carro, um amassadinho daqueles que fizeram no nosso carro, podia custar até £1500. Socorro! Santo seguro.

Mas afinal, vale a pena?

Pessoalmente achei que foi a melhor decisão que tomamos. Além de você ficar livre para ir e vir quando quiser, você pode ir parando na estrada, descobrindo cidadezinhas, tirando fotos, conhecendo novos pontos e até mudando de ideia.

Foi ótimo poder fazer tudo no nosso tempo, com calma ou com pressa, nos nossos horários, parando onde queríamos… Dirigir na mão inglesa foi um desafio no início, mas com o tempo acostuma. Se você não tem problemas com direção fora do seu ambiente de costume, não pense duas vezes e alugue um carro. Certamente vale muito a pena!

Dicas e atenção:

  • Se o seu roteiro, assim como o meu, começar em Londres ou em alguma outra grande cidade, uma boa dica é retirar o carro no aeroporto de Heathrow. Como ele fica “fora da cidade” você não pega o trânsito urbano logo no seu primeiro momento dirigindo na mão inglesa.
  • Carros automáticos ajudam muito. Passar a marcha com a mão esquerda não deve ser fácil.
  • Fique atento aos radares e controles de velocidade das estradas se não quiser ser multado. O GPS apita toda vez que você está acima do limite permitido e mostra constantemente a velocidade permitida naquele trecho da estrada.
  • Contrate o seguro completo. Custe o que custar. Não pense duas vezes.
  • Fique atento ao estacionar na rua. Na Europa o estacionamento na rua raramente é gratuito, portanto, procure sempre a máquina em que você pode pagar por ter parado o seu carro ali e não esqueça de deixar o ticket/comprovante em um local bem visível no carro.