Conhecer Niagara Falls nunca esteve na minha listas de prioridades, mas assumo que depois que estive em Foz do Iguaçu (e me apaixonei) o desejo de ver mais uma grandiosidade da natureza aumentou, e muito.

Com a nossa ida para o Canadá definida, resolvemos que iríamos a Niagara Falls, nem que fosse apenas para dar um check e conferir se o lugar era mesmo tão bonito como falavam. Ainda bem que fomos. É uma beleza totalmente diferente de Foz, aliás, isso vai virar post em breve, mas é muito lindo sim.

A CATARATA

As Cataratas do Niágara ficam exatamente na divisa entre os Estados Unidos e o Canadá. De um lado Ontario, do outro lado o estado de Nova York. A Catarata é composta por três grupos de cachoeiras: as canadenses, as americanas e o véu da noiva.

Apesar de não ser excepcionalmente alta, as Cataratas do Niágara são muito largas, sendo facilmente a mais volumosa queda d’ água localizada na América do Norte. Quando o volume de água é alto, cerca de 168 mil m³ de água cai das quedas cada minuto.

Uma curiosidade: Niágara significa trovoada das águas. E quem a nomeou assim, foram desbravadores europeus que estavam na região disputando terras com os índios.

COMO CHEGAR

Sem dúvidas a melhor forma de chegar a Niagara Falls, pelo lado canadense, é alugar um carro. Dessa forma você tem mais liberdade para ir e vir a hora que quiser, parar no caminho, conhecer outros lugares e claro, ter o seu tempo ali nas Cataratas. Sem dúvidas a opção mais rápida e prática. Foi como fizemos e foi bem tranquilo.

Saindo de Toronto você pode também ir de ônibus. As empresas Megabus e Greyhound levam até a cidade. O valor da passagem é em média CAD20, cada perna. Chegando na rodoviária você terá que fazer uma caminhada de mais ou menos 4km para chegar as cataratas ou pegar um taxi.

Contratar um shuttle também é uma boa opção. Eu indico a Diana, da Intermundo Canadá (+1 647 569 6560). Foi ela nos atendeu em Toronto, tem carro grande, fala português, tem cadeirinha para colocar no carro se você tiver um bebê e é um amor de pessoa.

ONDE FICAR

A minha melhor sugestão e recomendação para você é: hospede-se em Niagara on the Lake. A cidade fica a 20 minutos de Niagara Falls e é uma gracinha. Muito mais agradável para ficar. De qualquer forma, como sei que as vezes não conseguimos montar o nosso roteiro de viagem exatamente como queremos selecionei alguns hotéis nas duas cidades para você.

  • Niagara Falls

Aqui tem taaaanta opção de hotel, que achei melhor selecionar alguns de rede que eu conheço e que sei que são bons ou tem bom preço. Na hora de tomar a sua decisão acho que vale pensar da seguinte forma: prefiro ter vista (ou estar bem perto) da catarata e mais afastado um pouco da rua principal ou vice e versa? Tomando essa decisão você escolhe entre algum desses hotéis aqui.

Sheraton on the Falls | Best Western Fallsview | Radisson Fallsview | Holliday Inn | Hilton

Se por acaso nenhum desses hotéis te atender, você pode ver outras opções clicando aqui.

Foto da galeria desta acomodaçãoFoto da galeria desta acomodação

  • Niagara on the Lake

Riverbend Inn: Foi o hotel que nos hospedamos. Ele não fica exatamente no centrinho, mas é em uma vinícola e tem um restaurante delicioso com uma vista de cair o queixo.

Pillar and Post Inn and Spa: Ótima opção para quem vai no inverno pois o spa deles é uma delicia e eles são super bem localizados.

Prince of Wales: Um dos hotéis mais procurados da cidade. Fica super bem localizado na esquina de maior movimento da cidade.

The Charles Hotel, Somerset e 124 Queen Hotel são outras ótimas opções super bem localizadas na cidade. Pertinho dos restaurantes, lojas e claro, do lago. Se quiser ver mais opções de hotéis, pousadas e apartamentos em Niagara on the Lake, clique aqui.

Foto da galeria desta acomodaçãoFoto da galeria desta acomodação

O QUE FAZER

Acho que aqui não preciso falar muito né? Você vai andar muuuuito pelo calçadão que beira as cataratas, tirar milhares de fotos, admirar os barquinhos que chegam super perto da queda d´água, passear, passear e passear. Esse é um programa pra fazer com calma, pra admirar a natureza. Se você, como eu, só vai passear pelo calçadão. Em uma manhã você consegue ir e vir com bastante calma, fazendo muitas fotos e parando para admirar a paisagem a cada passo.

Se você quer um pouco mais de emoção e está indo visitar as Cataratas no verão, pode fazer os passeios de barco. O Maid of Mist é o barco da empresa Hornblower que te leva bem pertinho das quedas e sai do lado canadense. Junto com seu ticket você ganha uma capa de chupa, que serve apenas para ilustrar porque mesmo com ela você vai sair completamente encharcado. Prepare-se. Ah! Se você costuma enjoar em barco, pense duas vezes. Li em todos os blogs que os barco balançam muito.

Outro programa super interessante para fazer por lá é o “Journey Behind de Falls“. O programa nada mais é do que passear por túneis construídos em 1846 e chegar a uma plataforma na parte inferior da Horseshoe Fall, a maior queda de Niágara.

Outro programa bastante procurado por lá é a Skylon Tower. Uma torre de observação com 160m e uma excelente vista para as Cataratas. Pessoalmente, achei ela um pouco detonada e não tive muito interesse em subir.

Last but not least… o sobrevôo de helicóptero. Eu achei o vôo suuuuper legal. Amo fazer esse tipo de programa que te dá uma perspectiva totalmente diferente do lugar. Ver as Cataratas do alto foi incrível. O vôo é bem rápido em 15 minutos você faz o passeio, e o piloto pode fazer com emoção se você (e as outras pessoas do vôo quiserem). No meu helicóptero tinham várias crianças que amaram isso.

Você pega o helicóptero na sede da Niagara Helicopters, a empresa oficial dos vôos na região. Ela fica a uns 15 minutos de carro da Catarata em si. O vôo começa ali, passa por cima da hidrelétrica, vai sobrevoando o rio até chegar em cima das Cataratas de fato. Ali o piloto voa em 8 para todo mundo do helicóptero tenha uma boa visão da Catarata. Bem legal!

DICAS

Uma das coisas que me falaram assim que eu estava chegando lá foi a respeito do estacionamento. Parar o carro por lá é super caro. O estacionamento “público” cobra mais ou menos CAD25 e os cassinos cobram CAD20. Ou seja, uma graninha alta. A dica é: procure pelo ihop que fica logo no alto da rua em que está a torre de observação e estacione lá gratuitamente. Em menos de 5 minutos você vai estar nas Cataratas e não vai precisar pagar uma fortuna para parar o carro.

Outra dica legal é sobre o horário de visitação. Quanto mais cedo você chegar, mais vazio vai estar e mais fácil vai ser fazer fotos sem ninguém por perto. O lado ruim disso? A luminosidade pode não ser a melhor. Quanto mais para o meio dia, mais verdinha fica a água pois o sol bate de cima na Catarata.

Se você só for andar pelo calçadão não se preocupe em levar roupa extra, por lá você não vai ficar tão molhado. Mas se resolver fazer os passeios de barco ou o que vai embaixo da queda d´água prepare-se para ficar encharcado e precisar trocar de roupa depois.

Se você tiver tempo de sobra passeio um pouco pela cidade de Niagara Falls. Sim, apesar desse ser o nome da Catarata é também o nome da cidade. Lá é uma cidade com vida noturna, cassinos, restaurantes e muito turismo. Mas se você estiver com o tempinho contado, faça suas fotos e corra para Niagara on the Lake, você vai se apaixonar.

Para ler mais posts sobre o Canadá clique abaixo:

Antes de viajar pra Orlando procurei alguns desses posts na internet e achei pouca coisa com as informações que eu procurava. Queria saber como outros pais fizeram a viagem deles com os bebês, como eles viajaram para Orlando, como os pequenos puderam (ou não) curtir as coisas, como eles lidavam com os brinquedos, filas, jantares, desfiles… Enfim, queria entender e programar mentalmente a minha viagem, baseada na viagem dos outros. Mais a minha cara, impossível.

Chegou a hora da viagem e acabei vivendo as coisas do meu proprio jeito, e querem saber? Foi ótimo. Eu tinha pego algumas dicas na internet, sabia o que procurar, sabia onde encontrar o que eu poderia precisar e principalmente, estava preparada para viajar para a Disney com um bebê, sabendo de todas as mudanças que isso implicaria. Acreditem, entender isso é o principal para a sua viagem ser um sucesso.

Hospedagem: Escolher bem o lugar de dormir é fundamental. Nós estávamos em um grupo grande e optamos por alugar uma casa. Desde o primeiro momento pedi um bercinho pra ela e ela dormiu muito bem obrigada. Sem problema algum. Aliás, essa não precisa ser uma preocupação. Como Orlando é um destino para crianças, todos os hotéis e casas/apartamentos para alugar tem berço para disponibilizar. Outra vantagem da casa era ter uma lavanderia a nossa disposição para emergências e claro, a boa e velha cozinha. Como Vic ainda mamava no exclusivamente no peito, não precisamos para fazer comida, mas foi ótimo para esterelizar chupetas, lavar brinquedos… Se você estiver com pouca gente, Orlando oferece várias opções de hotéis no estilo flat com cozinha que podem ser ótimos também. Dá uma olhada aqui para achar o que melhor vai te atender.

Comida: Como disse, Victoria estava mamando no peito durante a viagem, então, não tive que me preocupar com isso. Mas fiquei atenta nos parques e vi que muitos deles tem opções de comidas saudáveis para vender, alguns restaurantes preparam refeições sem sal e mais com carinha de comidinha de bebê, e claro, você mesma pode fazer em casa e levar para o parque. Se quiser uma coisa mais prática, mercados como o Whole Foods, tem muitas opções orgânicas, sem conservantes e super práticas para os babies. (Fiz uma pesquisa e algumas das melhores marcas de papinhas orgânicas sem conservantes são: Earths Best, Plum Organics, Happy Tot, Peter Rabbit Organics, Sprout Organics e Ella´s Organics).

Os parques: Passar os dias nos parque é realmente cansativo, tanto para a gente quanto para os bebês. Então, optamos por ir bem cedinho e voltar para casa no horário que a Vic costuma dormir para seguirmos a rotininha dela da noite e não desandar com isso. Pra gente isso funcionou super bem, mas obviamente implicou em algumas coisas como: não jantamos fora nenhum dia (e ok pra gente!), não vimos nenhum show de fogos e o único parque que vimos iluminado a noite foi o Epcot. Vic dorme cedo, 19h30 em geral ela já está morta de sono, então, quando dava umas 18h30/19h, no máximo, saíamos do parque para casa. Além disso, tentamos seguir a rotina de sono dela durante o dia. Ela fazia as sonecas no carrinho (vou entrar nesse assunto já já) e nós fazíamos os nossos horários baseados nos horários dela. Com relação a brinquedos, honestamente, ela não aproveitou nada. O único brinquedo que ela foi mesmo foi um 4D do Sherek e não achou a menor graça. Mas, no dia que fomos ao Magic Kingdom, que provavelmente teria mais brinquedos pra ela, estava chovendo e muito frio. Então, não conseguimos curtir tanto. Optamos por não ir ao Bush Gardens pois sabíamos que ela não ia curtir praticamente nada e era longe de Orlando. Um desgaste desnecessário pra ela. Assistimos a um desfile na Universal e ela AMOU. Então, acho que se eu voltasse no tempo, me organizaria para assistir a todas as paradas dos parques. São muitas cores, músicas e movimentos e eles adoram.

Carrinho: Optamos por levar o nosso carrinho grande pra Disney mesmo sabendo que íamos comprar um pequenininho por lá. Isso, porque como passávamos o dia inteiro no parque, ela tirava as 3 sonecas do dia no carrinho, então queríamos que fosse o mais confortável possível pra ela. O lado ruim: nosso carrinho é grande e pesado, chato de carregar pra lá e pra cá. No aeroporto, tínhamos que tirar a roda dele pra ele passar no raio-X. Um saco! Ainda assim não nos arrependemos nem um pouco. Lá em Orlando compramos um carrinho pequeno, desse que entra no avião, mas nem abrimos. Deixamos fechadinho e ficamos usando o nosso grandão mesmo. No aeroporto usamos o carrinho até a porta do avião. Despachávamos lá na porta mesmo e pegavamos na porta quando o avião pousava.

Troca de Fraldas: Orlando é o lugar mais kids/baby friendly do mundo né minha gente, então, isso não precisa ser preocupação. Em todos os parques tem banheiro com trocadores e TODOS sem exceção tem um “baby care center”. Um espaço para você amamentar, trocar fraldas, dar banho, comidinha e claro, comprar algum item que você possa ter esquecido de levar para o parque como fraldas, lencinhos, pomada… Como fomos no inverno, usei algumas vezes para amamentar e troquei algumas fraldas super explosivas por lá também!

Baby Care Center: Todos os parques tem esse espaço. É muito legal você chegar e já identificar aonde fica o BCC do parque que você está. Você pode até não usar, mas o espaço está lá e é super disponível pra você. É tudo gratuito e pode ser uma mão na roda para uma emergência.

Roupas: Isso depende muito da época que você vai. Eu fui no inverno, então minha maior dica é: vista seu bebê em camadas e vá tirando a roupa aos poucos conforme a temperatura for mudando. Se for verão, capriche nas roupas fresquinhas e no protetor solar ou roupas com proteção UV. (Frescuras da minha parte: levei um frasquinho com o sabão liquido que eu costumo lavar a roupa da Victoria aqui no Brasil e levei aqueles sacos de proteção pra máquina de lavar. Então, tanto as roupas novas que eu comprei pra ela e quis usar lá quanto as coisas que eu precisei lavar, eu usei o sabão que eu já tinha com o saquinho da máquina!)

Mala: Bom, acho que isso não vale apenas para Orlando, mas para qualquer viagem com um bebê. Vic levou uma mala grande. Pois é… como ela ainda era muito pequenininha, levei tudo que eu achei que ela poderia precisar e mais um pouco. Sou dessas que acha que prevenir é melhor do que remediar. Levei lençol, toalha, 2 cobertores, muitas mudas de roupa, roupas para todos os tipos de temperatura, remédios para todas as doenças, todos os itens de higiene que já está acostumada, fraldas, fórmula (mesmo ela mamando só no peito, porque vai quer…) e alguns brinquedinhos.

Brinquedos nos parques: Se você está indo apenas com seu filho e mais uma pessoa não se preocupe. Vocês vão conseguir ir a todos os brinquedos numa boa. Todos os parques tem um esquema de “Baby Swap” que nada mais é do que um vai no brinquedo enquanto o outro fica com o bebê, e em seguida o que estava com o bebê vai no brinquedo sem precisar enfrentar a fila. Nos parques da Universal é tudo tão organizado que vários brinquedos tem até uma salinha de espera com sofá, ar condicionado e água para os pais que ficam aguardando. Na Disney, o pai que espera fica fora do brinquedo e ganha um ticket do fastpass para quando chegar a sua vez de se divertir. Se por acaso for um brinquedo onde todos vão, você pode estacionar o seu carrinho do lado de fora (nos lugares demarcados) e ficar tranquilo. Todo mundo faz isso. Nós fizemos isso diversas vezes e nada aconteceu. Outro país né pessoal…

Remédios: Conversei com o pediatra antes de viajar e fiz 2 necessaires de remédio. Uma que foi na mala de mão com as coisas que ela mais usa e poderia precisar em uma emergência e outra que foi despachada na mala com essas mesmas coisas (sim, levei remédios duplicados) + antibiótico, antiinflamatório, termômetro de testa (levei um tradicional e menor na mala de mão), e alguns itens que ela não precisaria a qualquer momento ou talvez nem usasse!

Carro: Alugar um carro em Orlando é fundamental, e quando você está com um bebê isso é ainda mais importante. Se você tem um bebêzinho você vai precisar de um bebe conforto para o carro. Se o seu filho é maiorzinho, peça a cadeirinha. Isso é lei nos Estados Unidos e é fundamental solicitar o bebê conforto ou cadeirinha no ato da sua reserva de carro. Nós reservamos aqui e pedimos o bebê conforto para a Vic sem problema nenhum. A instalação no carro é super fácil, feita apenas com o cinto de segurança. Mas se você tiver dúvida ou dificuldade, o pessoal da locadora te ajuda a instalar tudo certinho.

Outlets e shoppings: Os EUA são o paraíso das compras. Seja para os bebês, seja para os adultos. Victoria não tem muita paciência para ficar nos outlets e no shopping passeando e entrando e saindo de lojas. Acho que nenhum bebe tem. Mas conseguimos ir com ela ao shopping e ao outlet e claro, respeitar o tempo dela. Todos os outlets e shoppings que fomos tinham banheiro familiar, que foi ótimo para trocar fralda e até pra amamentar (muitos tinham cadeira de amamentação). Nenhum deles tinha muita estrutura de entretenimento para criança, mas na idade que ela viajou, bastava pegar no colo e dar uma passeada para ela se distrair.

Restaurantes: Nos parques todos os restaurantes tem estrutura para receber bebês e crianças. Tem cadeirinha, alguns preparam uma comidinha especial se você pedir, tem banheiro com fraldário e trocador ou seja, são super acessíveis. Fora dos parques isso é quase igual. A grande maioria é bem receptiva e estruturada para receber os bebês. Uma curiosidade e ponto para atenção: a grande maioria dos restaurantes, diferente aqui do Brasil, não permite que o carrinho fique estacionado ao lado da mesa. Pois é, como nós costumávamos almoçar na hora que a Vic dormia, tínhamos que pedir uma mesa especial, avisar que o carrinho ficaria ao lado da mesa e ainda assim aguentar alguns olhares tortos.

Seguro Viagem: Nem preciso dizer que isso é IMPRESCINDÍVEL né? Não tem como viajar pra nenhum lugar, com ou sem bebê sem ter seguro. E não me venha querendo dizer que vai usar o seguro do cartão tá?! Você está levando o seu bebê, a coisa mais preciosa da sua vida, não queria economizar R$100 com ele. Obrigada, de nada. Nós sempre fazemos seguro com a Real porque ela compara todos os preços e coberturas das melhores seguradoras do mercado. Uso eles há anos e gosto MUITO. Recomendo de verdade. Faça seu orçamento aqui.

Fotografia: Sou a louca da foto. Amo, tenho tripé, maquina DSLR, gopro, celular… levei tudo isso e no final das contas percebei que com um bebê isso acaba sendo um trambolho gigante e a gente quase não usa. Comprei o Memory Maker para os parques da Disney (falei sobre isso aqui) e acabei fazendo MUITAS fotos com o celular porque era mais prático. Acho que esse foi um dos maiores furos que demos, muita tralha pra pouca foto com a máquina grande.

DICAS FINAIS:

  • Leve um tapetinho, uma canga ou toalha para colocar no chão e deitar o seu bebê de vez em quando. As costas dele agradecem. Se ele já é maior e senta, o mesmo serve para você brincar um pouquinho e tirar ele do “ambiente” colo/carrinho um pouco.
  • Além da famosa Babies´r´us (que fechou), comprei várias coisas para Vic na Macrobaby. Achei uma loja ótima para bebês com preços super competitivos (e eles cobrem qualquer preço mais baixo que você encontrar), e as vendedoras falam português. Excelente para quem tem dificuldade com o inglês.
  • A viagem de avião não foi um bicho de 7 cabeças. Contei mais sobre ela e dei as dicas que funcionaram comigo nesse post aqui.
  • Não esqueça os acessórios do seu carrinho de bebê. Capa de chuva e mosquiteiro são importantes sim. Não deixe de fora.
  • Uma dica que eu sempre falo pras pessoas é: entenda que a viagem que você fazia antes de ter filho NUNCA vai ser igual a que você vai fazer depois dos filhos. Sabendo disso, você vai curtir muito e entender que as viagens mudam sim, e a gente também. E isso, é só uma questão de adaptação. Não espere ficar até altas horas no parque, ou dormir como se não houvesse amanhã. Seu filho não vai mudar só porque viajou. Tente manter a rotina dele como der e sem dúvidas, a sua viagem vai ser a melhor possível!
  • Aproveite! Você está em Orlando com o seu bebê!

Espero que vocês tenham gostado desse post, tenham tirado todas as dúvidas e claro, tenha deixado todos os corações mais tranquilos para a viagem. Acho que no final das contas é isso que a gente precisa né? Se tiverem qualquer dúvida, podem deixar no Facebook ou no instagram que eu respondo pra vocês! =)

21
fev 2018

Montevidéu | Uruguai

A capital do Uruguai foi o nosso ponto de partida nessa viagem. A ideia era conhecer um pouquinho da cidade, passear, comer bem e relaxar. Sem pressa, sem pressão, sem correria. Queríamos curtir pela primeira vez na vida o famoso slow travel, uma novidade pra gente. Montevidéu não poderia ser o destino mais perfeito para isso. 

Apesar de ser a maior cidade do país, é uma cidade tranquila com muitos parques, lugares para passear e “ponto turísticos” muito tranquilos e agradáveis. Eu diria que é um mix de Buenos Aires com São Paulo e uma pitadinha de Rio de Janeiro por causa da orla. É uma cidade grande, mas pequena ao mesmo tempo. Tem ares de cidadão, mas aquele toque charmoso de lugares menores.

Pra quem não sabe, Montevidéu esta na lista das 30 cidades mais seguras do mundo, e é a capital do Mercosul. Hoje, tem uma população aproximada de 1,9 milhões de pessoas, metade da população total do país. Pra vocês terem uma ideia de grandeza, a cidade do Rio tem aproximadamente 6,3 milhões de pessoas e São Paulo 12 milhões. Ou seja, é suuuuper agradável passear por lá. Não tem engarrafamento, não tem multidão… uma delicia.

Como chegar

Para chegar a Montevidéu é super fácil. Várias companhias aéreas voam do Brasil pra lá. Nós fomos de Latam em um vôo de 2h30, direto do Rio. Prático, rápido e com excelente custo x benefício. A Gol e a Aerolíneas Argentinas fazem vôos com escalas para lá. Eu uso esse buscador para pesquisar as minhas passagens.

É possível chegar de ônibus e de carro também. Principalmente se você sair do Sul do Brasil. As estradas no Uruguai são boas e muito bem sinalizadas. Nós alugamos um carro para sair de Montevidéu e rodar pelo Uruguai e foi ótimo. Ah! A dica aqui é: pague o aluguel do carro com cartão de crédito (por esse site mesmo) e ganhe o desconto de 22% do IVA.

Clima/Quando ir

O clima pode ser um fator decisivo para você organizar sua viagem para o Uruguai. Os dias de clima quente, coincidem com a alta temporada (e consequentemente com os preços mais altos). A baixa temporada é no inverno, e as temperaturas podem ser bem baixas por lá.

Em Montevidéu você não vai ser muito afetado por isso mas fique atento a época se for casar sua viagem a capital com outras cidades pelo país. Punta del Este, por exemplo, fica completamente vazia no inverno. Muitos estabelecimentos fecham e você pode deixar de aproveitar o que a cidade tem a oferecer por esse motivo.

(Praia de Pocitos vista do letreiro, bem em frente ao Hyatt Centric)

Vistos e Vacinas

Como o Uruguai faz parte do Mercosul você não precisa nem do passaporte para ingressar no país, basta uma carteira de identidade recente (com 10 anos mais ou menos) e pronto. O país também não exige vistos e vacinas específicos.

Mas, como eu costumo dizer, acho super válido estar com a vacina de febre amarela em dia e levar o certificado de vacinação em todas as viagens, principalmente agora, que o Brasil está no meio de um surto.

Seguro Viagem

Para entrar no Uruguai você não é obrigado a apresentar nenhuma comprovação de que tem um seguro de viagem, como é feito na Europa. Porém, como sempre falo por aqui independente de onde você vá, na minha opinião, é imprescindível ter um seguro. É o famoso “Vai que…”. Muita gente usa o do cartão de crédito e eu já falei sobre os prós e os contras aqui.

Hoje em dia, recomendo e uso esse site aqui, que é um comparador de preços e coberturas. Já há alguns anos fecho com eles (inclusive faço os seguros da Victoria) e estou muito satisfeita. Agora, eles são parceiros do blog, então, confio ainda mais.

coisas que amamos comissão real seguros

Moeda/Câmbio

A moeda no Uruguai é o peso uruguaio. Recomendo que vocês troquem pouco dinheiro, pois, por incrível que pareça você não vai usar tanto a moeda corrente. Essa foi uma dica do concierge do nosso hotel e foi realmente uma barbada!

Vou explicar: usamos uber sempre que precisávamos nos locomover dentro da cidade, além de muito mais barato do que os taxis, o valor era cobrado direto no cartão. Nos restaurantes, pagávamos com cartão de crédito (pois você tem uma devolução de 22% dos valores gastos em restaurantes quando paga no cartão!). Trocamos apenas R$300 para 8 dias de viagem e funcionou super bem. Usamos o dinheiro em alguns poucos lugares que não aceitavam cartão, para dar gorjetas e para comprar um imã pra nossa coleção.

Mas, ainda assim, acho importante ter um pouco de dinheiro local em mãos e pra isso sugiro que você não troque no aeroporto, foi a taxa mais alta que vimos por lá. O lugar mais barato para trocar dinheiro foi em uma casa de cambio, na cidade vieja, na Praça Constituición (Plaza Matriz). Era tão mais barato que tinha ate fila na porta.

Onde ficar

Não tive muito dificuldade em escolher o lugar que ficaríamos. Com a Victoria participando da viagem, fiquei um pouco mais criteriosa com certas coisas, e o hotel é uma delas. Antes, a localização era o mais importante na decisão do hotel. Agora, além da localização valorizo muito um hotel mais moderninho, que tenha um quarto espaçoso (se possível com varanda), um bom restaurante, room service, piscina e claro, que aceite bebês e tenha alguma infra pra eles.

Dito isso, minha primeira opção em Montevidéu foi o Hyatt Centric. O hotel fica em Pocitos, um dos bairros mais bacaninhas da cidade, perto de uma rua cheia de restaurantes e bares, um shopping, de frente para o calçadão (ramblas)… Foi a escolha perfeita pra gente.

Foto da galeria desta acomodaçãoFoto da galeria desta acomodação

(Fotos do Booking, porque com a Vic a tiracolo já chegamos bagunçando tudo!)

O quarto era ótimo. Eles disponibilizaram um bercinho pra Victoria, o serviço de room service foi excelente e o hotel ainda conta com um semi-spa com uma piscina aquecida super linda e deliciosa, academia e disponibilidade para massagens. Pra completar o combo do nosso hotel ideal, eles tem um dos restaurantes mais bem falados da cidade, o Plantado e um barzinho super delicia, o Moderno.

Além do Hyatt vi como uma boa opção o Sofitel Carrasco, que apesar de ser meio distante do resto da cidade, é em um bairro bacaninha com bons restaurantes e bares por perto. Cheguei a visitar o hotel e achei bem bonito. É nele que fica o Cassino Carrasco, o maior da cidade.

Outra opção legal é o Tryp Montevideu, que fica em Punta Carretas, bairro vizinho a Pocitos que também é bem legalzinho cheio de restaurantes, bares e lojas. Inclusive o melhor shopping da cidade fica aqui.

Outras opções: Sheraton, Regency Rambla, NH Montevideu (na cidade velha) e Own.

Passamos dois dias em Montevidéu e conseguimos fazer um roteiro conciso com os principais pontos da cidade. Mas vou colocar aqui vários pontos que podem ser visitados pra quem for passar mais tempo ou quiser conhecer mais pontos quando for visitar a cidade.

  • Ciudad Vieja: concentra as principais atrações turísticas como o Palacio Salvo, Teatro Solis, Café Brasileiro, Puerta Cidadela e Mercado del Puerto. Em uma manhã você consegue passear pela região e ver todos esses pontos. Recomendo que o passeio termine no Mercado do Porto para você almoçar por lá. Lembrem-se que essa região é o centro da cidade, portanto nada funciona aos sábados depois das 13h e aos domingos. Por isso, evite visitar durante esse período.

  • Palácio Salvo: Prédio mais fotografado de Montevideo. (Pertinho tem o Hotel Radisson, que tem uma linda vista da cidade no último andar!)
  • Teatro Solis: O mais lindo teatro da cidade. Oferece visitas guiadas de segunda a domingo às 11h, 12h, 16h e 17h; aos sábados às 13h.

  • Café Brasilero: Café/lanchonete super histórico .
  • Museu Andes 1972: Museu dedicado ao avião que caiu na Cordilheira dos Andes
  • Plaza Zabala: a mais antiga e uma das mais bonitas praças da cidade.
  • Puerta Cidadela: Um portal na Plaza da Independência que é a entrada da cidade antiga.

  • Rambla: Calçadão que margeia o Rio da Prata.
  • Tristan Navaja: a feira de mil e uma coisas que acontece aos domingos.
  • Parque Rodó: Lindo parque para visitar no domingo. Ótima opção para levar crianças.
  • Mercado del Puerto: Uma das principais atrações de Montevidéu. Perfeito para almoçar. Peça uma típica parrillada

  • Farol de Punta Carretas: Local mais famosos para ver o por do sol na cidade.
  • Casino Carrasco: O cassino fica dentro do hotel Sofitel.
  • Estadio Centenário: Palco da primeira copa do mundo, realizada em 1930.
  • Letreiro de Montevidéu: Bem em frente ao Hyatt Centric.

  • Jardim Japonês e Jardim Botânico
  • Bodega Bouza: A vinícola mais próxima de Montevidéu. Fica a 40 minutos de carro e vale a visita. É linda, tem um restaurante delicioso e os vinhos são muito bons.

Infelizmente eu não consegui visitar tudo isso, mas achei que valia colocar a minha pesquisa aqui pra vocês.

Onde comer

El Palenque: O restaurante que mais gostamos no Mercado do Porto. Pelo que vimos lá (e pelas muitas indicações que recebemos) é mesmo o melhor. Chegue cedo para não pegar fila ou prepare-se para esperar um pouco. Se quiser seguir a tradição, sente-se no balcão (preferencialmente longe do forno) e peça sua parrillada seguida de panqueca de doce de leite ali mesmo.

Francis: Um restaurante mais arrumadinho que fomos. Fica em Punta Carretas e é bem famosinho. O ideal é chegar com reserva ou chegar bem cedinho, quando abre. Nós chegamos as 20h em ponto (sem reserva) e conseguimos uma mesa para nós e o carrinho da Victoria.

Plantado: O restaurante do Hyatt Centric. Jantamos uma das noites por lá e gostamos muito. O restaurante é mais moderninho e tem um cardápio bem caprichado. Se quiser, pode fazer reserva, mas quando fomos não estava muito cheio.

Garcia: Outra boa opção de carne para o almoço. Pedimos a tradicional parrillada e adoramos. A comida estava deliciosa. Ele fica em uma rua bem perto do Sofitel Carrasco. Dá pra emendar em um passeio pelo bairro.

Bodega Bouza: O restaurante da Bodega Bouza é delicioso e super vale a visita. Além da comida boa, o ambiente é super agradável. De um lado você tem vista para a vinícola e do outro lado você olha algumas parreiras de uva.

  • O uber funciona muito bem por lá. Usamos em todas as situações e valeu super a pena. Bem mais barato que o táxi e super fácil de pedir.
  • Faça o pagamento dos seus almoços e jantares com cartão de crédito para economizar os 22% da taxa de IVA (igual ao nosso ICMS) que é devolvida diretamente no seu cartão.
  • Não troque muito dinheiro por pesos uruguaios, além de usar muito o cartão, em vários lugares você consegue fazer os pagamentos em reais e dólares.
  • A cidade é uma das 30 mais seguras do mundo, mas nem por isso você vai dar bobeira. Fique sempre atento.
  • Se tiver tempo e gostar de vinho não deixe de ir a Bodega Bouza. Nós adoramos!
  • Se você está com um bebê, fique ligado pois os restaurantes não gostam que você entre com o carrinho e deixe ele aberto próximo a mesa. Eles fazem cara feia, reclamam e muitas vezes mandam fechar. Um saco!
  • Fomos no verão e a temperatura variou no mesmo dia de 16 a 29 graus, ou seja, prepare-se para essa grande variação de temperatura.
  • Achamos o valor das refeições super alto. Mesmo descontando os 22% do imposto. Então, saia do Brasil sabendo que comer por lá custa caro.
  • Os cassinos são proibidos para menores de 18 anos. Inclusive bebês de colo.

(O que é, o que é um pontinho vermelho na frente do letreiro?! É a Vic! <3)

Se quiserem saber mais sobre  a minha viagem pelo país:
– Leia aqui sobre Colonia del Sacramento
– Leia aqui sobre Carmelo e Carmelo Resort and Spa – A Hyatt Hotel.

Viajamos no Carnaval de 2018. Victoria tinha 7 meses.

Prontinho! Acho que agora vocês estão munidos de informações e dicas para fazer seu passeio pela capital do Uruguai.

Acompanhem minhas viagens em tempo real pelo instagram @coisasqueamamos 
E curtam a nossa página no Facebook!

Acho que um dos momentos que os pais mais temem quando o assunto é viajar com um bebê é o avião. Assumo que eu estava um pouquinho apreensiva com esse momento. Será que o ouvido vai doer? Será que ela vai chorar sem parar? Será que vai conseguir dormir? Mil questionamentos passaram pela minha cabeça, mas só a vivência e a prática conseguem fazer com que a gente se tranquilize né?

Como acabei de voltar da Disney com a Victoria (que viajou com 5 meses e meio) e consegui reunir algumas dicas essenciais para você fazer uma viagem de avião com bebê da forma mais tranquila e confortável possível pra você e pro seu pequeno também.

  • Vôos noturnos são excelentes: Independente se o seu bebê dorme a noite toda ou não, sem sombra de dúvidas fazer um vôo noturno vai ser a melhor escolha. Ou eles vão dormir no bercinho ou vão dormir no seu colo. Mas pode ter certeza, eles não passaram a noite inteira acordados dentro do avião.
  • Evite escalas: Além de serem cansativas, elas também fazem com que o bebê fique desperto. Sei que as vezes é impossível não ter alguma escala no vôo, mas se puder evitar, acho que a melhor opção é pega um vôo direto.

(Esse é o bercinho da Delta. No meu vôo só havia um disponível. Ele não é muito confortável e é bem pequenininho. Vic quase não coube.)

  • O bercinho não é necessariamente um big deal: Peguei o bercinho na ida e na volta, e nas 18h totais de vôo, pude usá-lo no máximo por 6h. Talvez eu tenha dado azar, talvez não. Quando o aviso de apertar cintos está aceso o bebê não pode ficar no bercinho. Ou seja, Vic passou grande parte do tempo no meu colo. Além disso, o berço é pequenininho e ela com 5 meses mal cabia nele.
  • Procure o assento mais confortável pra você: Procure marcar o assento que seja mais confortável pra você. Prefere janela, sente-se na janela. Gosta de esticar a perna no corredor, então não pense duas vezes. Eu gosto de sentar na primeira fila pois estico a perna na parede e quando não tem parede, tem muito espaço na frente e achei esse espaço extra excelente para ficar de pé quando Vic estava acordada e inquieta (antes do avião levantar vôo principalmente!).

  • Trocar fralda não é uma missão impossível: Apesar daquele micro banheiro, trocar fraldas por lá não é uma missão impossível. Tenha em mãos tudo que você precisa para uma troca e vá com tudo. O trocador é fácil de abrir e o máximo que acontece é o bebê colocar a mão na parede do banheiro (que eu morro de nojo! #fresca) mas depois você limpa a mão dele e pronto.
  • A TV pode ser um aliado: Victoria não está acostumada a ver televisão, então, toda vez que aparece uma telinha na frente dela ela fica maluca. No vôo de ida, ela acordou mais ou menos 1h antes do avião pousar… do momento que precisamos sentar e apertar os cintos até a hora que pude levantar, a TVzinha foi uma mão na roda. Pros que costumam ver TV, as cias áereas tem programas para crianças e bebês.
  • Alimentação no vôo: se o seu filho está só no peito, ótimo, ele é um excelente “cala boca” ou melhor, acalma bebês. Mas se ele já come ou toma mamadeira, não conte com a boa vontade da tripulação para esquentar água ou nem mesmo para te dar água. Leve o que você precisa com você no vôo e garanta a comidinha do seu baby na hora em que ele precisar e não na hora em que os comissários tiverem boa vontade.

(O bercinho é acoplado na parede em frente as cadeiras da fileira do meio, que normalmente ficam bloqueadas para aqueles que solicitam o bercinho. Reparem que ele aguenta até 12kg).

  • A mala de mão dos sonhos: Capriche na mala de mão. Pode parecer uma bobeira, mas ela pode salvar sua vida durante o vôo. Leve mudaS (no plural) de roupa para você e seu marido, e principalmente para o bebê. Pense que pode fazer frio, calor, ele pode vomitar, pode derramar alguma coisa na roupa… quando o assunto são bebês, é beeem melhor prevenir do que remediar. Nosso vôo foi cancelado e fomos parar em Atlanta a -4ºC. Vic nem percebeu. Eu tinha um gorrinho, uma boa coberta, roupas e pijamas extras, e muitas fraldas.
  • Documentos em mãos: Deixe os seus passaportes e os do seu bebê, assim como cartões de embarque sempre em mãos. Pode ser nas suas ou na da pessoa que estiver com você. Vira e mexe alguém pede para ver a documentação do bebê e é muito melhor deixar tudo de fácil acesso.
  • Facilite a sua vida ao máximo: Sei que essa dica parece bem idiota, mas acredite, não é. Pense em tudo que pode facilitar o seu processo de vôo. Do momento que você sai de casa até o momento que você pisa no quarto do hotel com seu bebê. Bolsa transpassada ajuda (e muito!), roupa confortável,  um sapato que você não precise das mãos para calçar, nada de metais, acesso rápido as coisas do bebê (trocador, muda de roupa, cobertinha, paninhos, remédios…), pouca tralha nas mãos…

Além dessas dicas, ainda tem aquelas coisas básicas que lemos em todos os lugares: chupeta ou peito na hora do pouso e da decolagem, muito entretenimento para seu bebê principalmente se for um vôo diurno, entretenimento que não faça muito barulho para não incomodar os vizinhos, não ligue para os olhares atravessados se o seu bebê começar a chorar, calma e paciência…

Acredite, o vôo é muito mais tranquilo do que parece. Claro que os bebês choram. Claro que ficamos aflitos quando isso acontece. Mas passa, eles se distraem, nós acalmamos eles, eles dormem com aquele barulho gostoso e com o escurinho do avião.