Quem é leitor das antigas aqui o blog talvez já saiba dessa história. Talvez já tenha lido meu breve relato sobre esse “causo”. Mas nunca fui mais a fundo com isso. Até hoje.

Senti vontade de falar mais sobre o que me aconteceu, porque não é todo dia que temos uma história dessas pra contar. E também porque por mais incomum que isso seja, esse relato pode ajudar algum de vcs em uma situação parecida. (Espero que não, mas…)

o que fazer quando picada por um escorpiãoNa ambulância, a caminho do hospital. A cidade não tem táxis e esse foi o único transporte que conseguimos para ir para o hospital. Nessa hora já estava um pouco mais tranquila apesar da dor.

Há 3 anos atrás resolvi passar o carnaval na Amazônia com um grupo de amigos. Escolhemos um hotel bem legal, mais chiquezinho porque apesar de estar na Amazônia ninguém ali queria passar perrengue. Chegamos lá e o quarto era um sonho… lindo, super bem decorado, charmoso… tudo que tínhamos imaginado e mais um pouco.

O encantamento começou a acabar no primeiro banho. O chuveiro, que fica no meio do quarto (sem porta ou cortina), tinha um piso por onde escorria a água. Por esse mesmo piso, subiam varias mini pererecas. Era um inferno na hora de dormir. Colocamos varias toalhas molhadas no chão pra elas não subirem e entrarem no quarto.

Depois de 2 noite e muitos bichos no quarto (apesar da tela), fomos dormir cedo pois no dia seguinte tínhamos um passeio na hora do nascer do sol. No meio da noite eu senti a picada. Na verdade, estava dormindo e senti alguma coisa andando em mim e dei um tapa imediatamente. Foi nessa hora que ele me picou, bem mão entre o dedão e o indicador. A dor na hora foi beeem grande, mas assumo que o susto de ver que tinha sido picada por um escorpião foi ainda maior.

Fiquei muito nervosa, mas consegui sair do quarto pra chamar um funcionário do hotel enquanto meu marido ficava de olho no escorpião. Depois de matar o bicho é que a situação começou a complicar pois a dor da mordida começou a se tornar uma fornecia muito forte que foi tomando conta de todo o meu braço. Colocamos ele num pote pra levar pro hospital e ligamos pra uma amiga médica que estava viajando com a gente.

o que fazer quando picada por um escorpiãoNo dia seguinte de manhã logo após a minha alta, pensando em como ir para o hotel.

Na mesma hora fomos pro hospital público da cidade. Estávamos em Novo Airão, uma micro cidade na Amazônia. Chegando lá, achei que seria uma coisa corriqueira e todos soubessem lidar com a situação, só que não! Para o meu espanto eu virei atração turística do hospital e uma enfermeira chamava a outra e a outra pra ver “uma menina que foi picada por um escorpião”.

O plantonista cubano, por sua vez, deixou claro que nunca tinha tratado um caso de picada de animal peçonhento pois isso não acontecia muito em seu país e ele estava a pouco tempo no Brasil. Dado esse cenário comecei a entrar levemente em pânico.

Nesse meio tempo meu marido e a amiga médica (que foram comigo para o hospital), acharam um cartaz igual aqueles de trabalho de escola, feito na cartolina com as indicações do que fazer em caso de picada de escorpião, cobra, aranha… analisamos o bicho que eu levei com o cartaz e identificamos o tipo de escopião e como proceder. Graças a Deus minha picada foi leve e eu não precisei de soro/antídoto pra mordida. Mas tive que ficar em observação até as 7h da manhã no hospital, e nesse horário só fui liberada porque eu disse que a minha amiga médica ia tomar conta de mim! Hahahahahaha

Ou seja, tenso! Com relação a picada e dor, passei quase 1 semana sem sentir a mão e 3 dias sem conseguir mexer o dedão e o indicador. Foi bem ruim.

o que fazer quando picada por um escorpiãoO “bichinho”. Ele devia ter uns 12cm de ponta a ponta. Nojento e assustador.

Achei que o hotel fez pouco caso e não deu muita assistência, tampouco se desculpou oficialmente. A noite seguinte foi horrível pois não consegui dormir nada com medo de outro escorpião e pra piorar apareceu uma aranha gigante na parede. Ok que ela ficou na mesma posição toda a noite, mas mesmo assim foi bem ruim.

O que eu aprendi com isso? 1. Seguro viagem é fundamental em qualquer circunstância, em qualquer viagem e para qualquer destino. 2. Shit happens. Por isso é bom estar preparado e não deixar que isso acabe com a viagem. 3. Em caso de picada de animais peçonhentos, leve o bicho para o hospital e vá o mais rápido possível.

E esse foi o caso do dia em que fui mordida por um escorpião. Na melhor das hipóteses, que foi o meu caso, você vai ter história para contar, relembrar e compartilhar. Espero que nunca aconteça com vocês, mas se acontecer… já sabem o que fazer!

02
jul 2018

Yummy Tip: Le Blond

Há algumas semanas eu estava tentando conhecer o mais novo empreendimento do chef global Claude Troigos, o Le Blond.

A casa que abriu no final do Leblon tem filas homéricas na porta desde o dia da inauguração, independente da hora ou dia da semana. Por conta disso nunca tinha conseguido ir conhecer.

Mas esse final de semana tomamos coragem, nós preparamos psicologicamente para a fila que pegaríamos e fomos até lá. Cheguei às 21h do sábado, e tinham 14 mesas na minha frente. Tudo bem. Segui o melhor esquema que pude pensar: coloquei o nome na lista e fui pra Dias Ferreira fazer hora até ser chamada. Em 1h20 nos sentamos.

O restaurante é simpático, com uma decoração que me remeteu aos bistrôs franceses (apesar de achar que a ideia deles nem é essa) e não muito grande.

Começamos o jantar com algumas entradas que o garçom recomendou: ovo poche Paul Bocuse, bruschetta de Parma e picles e bonbons de Brie. Achamos todos gostosos, mas nada excepcional.

Para o prato principal, o pessoal da mesa não foi muito criativo. Três pessoas pediram o peixe com banana caramelizada e purê de baroa, e eu pedi o risoto de camarão trufado. Tudo bem gostoso. Inclusive esses pratos também são servidor no Chez Claude. Aliás, vários dos pratos de lá são.

Para terminar a orgia alimentar pedimos o Petit Gateau de Doce de leite com queijo canastra. De-li-ci-o-so! Comemos dois. Hahahahahaha Tudo isso regado a vinho, claro. Levamos 2 garrafas e pagamos R$42 pela taxa de rolha. Achei honesto.

No geral achei o restaurante gostoso. Não amei, mas achei bom. O atendimento foi excelente, a comida é gostosa e o preço é o que se espera de um restaurante no Leblon que leva a marca/nome do Claude. O ponto negativo na minha opinião: o restaurante é realmente muito barulhento. Fomos tarde, já não estava mega lotado e ainda assim tínhamos que falar alto (em uma mesa redonda de 4 pessoas) para conseguir nos ouvir. Chato isso né?

Resumindo: achei bom, apesar de barulhento. Iria novamente mas pessoalmente achei a experiência de ir no Chez Claude bem melhor. Portanto, se eu tivesse que escolher entre eles (e digo escolher pq os dois são perto, do mesmo chef, com comida parecida, mesmo estilo e preços iguais) ia optar pelo Chez Claude.

Serviço:

Le Blond
Av. Ataulfo de Paiva, 1321 – Leblon
Tel.: (21) 3322-1440
Não aceita reserva

Antes de viajar pra Orlando procurei alguns desses posts na internet e achei pouca coisa com as informações que eu procurava. Queria saber como outros pais fizeram a viagem deles com os bebês, como eles viajaram para Orlando, como os pequenos puderam (ou não) curtir as coisas, como eles lidavam com os brinquedos, filas, jantares, desfiles… Enfim, queria entender e programar mentalmente a minha viagem, baseada na viagem dos outros. Mais a minha cara, impossível.

Chegou a hora da viagem e acabei vivendo as coisas do meu proprio jeito, e querem saber? Foi ótimo. Eu tinha pego algumas dicas na internet, sabia o que procurar, sabia onde encontrar o que eu poderia precisar e principalmente, estava preparada para viajar para a Disney com um bebê, sabendo de todas as mudanças que isso implicaria. Acreditem, entender isso é o principal para a sua viagem ser um sucesso.

Hospedagem: Escolher bem o lugar de dormir é fundamental. Nós estávamos em um grupo grande e optamos por alugar uma casa. Desde o primeiro momento pedi um bercinho pra ela e ela dormiu muito bem obrigada. Sem problema algum. Aliás, essa não precisa ser uma preocupação. Como Orlando é um destino para crianças, todos os hotéis e casas/apartamentos para alugar tem berço para disponibilizar. Outra vantagem da casa era ter uma lavanderia a nossa disposição para emergências e claro, a boa e velha cozinha. Como Vic ainda mamava no exclusivamente no peito, não precisamos para fazer comida, mas foi ótimo para esterelizar chupetas, lavar brinquedos… Se você estiver com pouca gente, Orlando oferece várias opções de hotéis no estilo flat com cozinha que podem ser ótimos também. Dá uma olhada aqui para achar o que melhor vai te atender.

Comida: Como disse, Victoria estava mamando no peito durante a viagem, então, não tive que me preocupar com isso. Mas fiquei atenta nos parques e vi que muitos deles tem opções de comidas saudáveis para vender, alguns restaurantes preparam refeições sem sal e mais com carinha de comidinha de bebê, e claro, você mesma pode fazer em casa e levar para o parque. Se quiser uma coisa mais prática, mercados como o Whole Foods, tem muitas opções orgânicas, sem conservantes e super práticas para os babies. (Fiz uma pesquisa e algumas das melhores marcas de papinhas orgânicas sem conservantes são: Earths Best, Plum Organics, Happy Tot, Peter Rabbit Organics, Sprout Organics e Ella´s Organics).

Os parques: Passar os dias nos parque é realmente cansativo, tanto para a gente quanto para os bebês. Então, optamos por ir bem cedinho e voltar para casa no horário que a Vic costuma dormir para seguirmos a rotininha dela da noite e não desandar com isso. Pra gente isso funcionou super bem, mas obviamente implicou em algumas coisas como: não jantamos fora nenhum dia (e ok pra gente!), não vimos nenhum show de fogos e o único parque que vimos iluminado a noite foi o Epcot. Vic dorme cedo, 19h30 em geral ela já está morta de sono, então, quando dava umas 18h30/19h, no máximo, saíamos do parque para casa. Além disso, tentamos seguir a rotina de sono dela durante o dia. Ela fazia as sonecas no carrinho (vou entrar nesse assunto já já) e nós fazíamos os nossos horários baseados nos horários dela. Com relação a brinquedos, honestamente, ela não aproveitou nada. O único brinquedo que ela foi mesmo foi um 4D do Sherek e não achou a menor graça. Mas, no dia que fomos ao Magic Kingdom, que provavelmente teria mais brinquedos pra ela, estava chovendo e muito frio. Então, não conseguimos curtir tanto. Optamos por não ir ao Bush Gardens pois sabíamos que ela não ia curtir praticamente nada e era longe de Orlando. Um desgaste desnecessário pra ela. Assistimos a um desfile na Universal e ela AMOU. Então, acho que se eu voltasse no tempo, me organizaria para assistir a todas as paradas dos parques. São muitas cores, músicas e movimentos e eles adoram.

Carrinho: Optamos por levar o nosso carrinho grande pra Disney mesmo sabendo que íamos comprar um pequenininho por lá. Isso, porque como passávamos o dia inteiro no parque, ela tirava as 3 sonecas do dia no carrinho, então queríamos que fosse o mais confortável possível pra ela. O lado ruim: nosso carrinho é grande e pesado, chato de carregar pra lá e pra cá. No aeroporto, tínhamos que tirar a roda dele pra ele passar no raio-X. Um saco! Ainda assim não nos arrependemos nem um pouco. Lá em Orlando compramos um carrinho pequeno, desse que entra no avião, mas nem abrimos. Deixamos fechadinho e ficamos usando o nosso grandão mesmo. No aeroporto usamos o carrinho até a porta do avião. Despachávamos lá na porta mesmo e pegavamos na porta quando o avião pousava.

Troca de Fraldas: Orlando é o lugar mais kids/baby friendly do mundo né minha gente, então, isso não precisa ser preocupação. Em todos os parques tem banheiro com trocadores e TODOS sem exceção tem um “baby care center”. Um espaço para você amamentar, trocar fraldas, dar banho, comidinha e claro, comprar algum item que você possa ter esquecido de levar para o parque como fraldas, lencinhos, pomada… Como fomos no inverno, usei algumas vezes para amamentar e troquei algumas fraldas super explosivas por lá também!

Baby Care Center: Todos os parques tem esse espaço. É muito legal você chegar e já identificar aonde fica o BCC do parque que você está. Você pode até não usar, mas o espaço está lá e é super disponível pra você. É tudo gratuito e pode ser uma mão na roda para uma emergência.

Roupas: Isso depende muito da época que você vai. Eu fui no inverno, então minha maior dica é: vista seu bebê em camadas e vá tirando a roupa aos poucos conforme a temperatura for mudando. Se for verão, capriche nas roupas fresquinhas e no protetor solar ou roupas com proteção UV. (Frescuras da minha parte: levei um frasquinho com o sabão liquido que eu costumo lavar a roupa da Victoria aqui no Brasil e levei aqueles sacos de proteção pra máquina de lavar. Então, tanto as roupas novas que eu comprei pra ela e quis usar lá quanto as coisas que eu precisei lavar, eu usei o sabão que eu já tinha com o saquinho da máquina!)

Mala: Bom, acho que isso não vale apenas para Orlando, mas para qualquer viagem com um bebê. Vic levou uma mala grande. Pois é… como ela ainda era muito pequenininha, levei tudo que eu achei que ela poderia precisar e mais um pouco. Sou dessas que acha que prevenir é melhor do que remediar. Levei lençol, toalha, 2 cobertores, muitas mudas de roupa, roupas para todos os tipos de temperatura, remédios para todas as doenças, todos os itens de higiene que já está acostumada, fraldas, fórmula (mesmo ela mamando só no peito, porque vai quer…) e alguns brinquedinhos.

Brinquedos nos parques: Se você está indo apenas com seu filho e mais uma pessoa não se preocupe. Vocês vão conseguir ir a todos os brinquedos numa boa. Todos os parques tem um esquema de “Baby Swap” que nada mais é do que um vai no brinquedo enquanto o outro fica com o bebê, e em seguida o que estava com o bebê vai no brinquedo sem precisar enfrentar a fila. Nos parques da Universal é tudo tão organizado que vários brinquedos tem até uma salinha de espera com sofá, ar condicionado e água para os pais que ficam aguardando. Na Disney, o pai que espera fica fora do brinquedo e ganha um ticket do fastpass para quando chegar a sua vez de se divertir. Se por acaso for um brinquedo onde todos vão, você pode estacionar o seu carrinho do lado de fora (nos lugares demarcados) e ficar tranquilo. Todo mundo faz isso. Nós fizemos isso diversas vezes e nada aconteceu. Outro país né pessoal…

Remédios: Conversei com o pediatra antes de viajar e fiz 2 necessaires de remédio. Uma que foi na mala de mão com as coisas que ela mais usa e poderia precisar em uma emergência e outra que foi despachada na mala com essas mesmas coisas (sim, levei remédios duplicados) + antibiótico, antiinflamatório, termômetro de testa (levei um tradicional e menor na mala de mão), e alguns itens que ela não precisaria a qualquer momento ou talvez nem usasse!

Carro: Alugar um carro em Orlando é fundamental, e quando você está com um bebê isso é ainda mais importante. Se você tem um bebêzinho você vai precisar de um bebe conforto para o carro. Se o seu filho é maiorzinho, peça a cadeirinha. Isso é lei nos Estados Unidos e é fundamental solicitar o bebê conforto ou cadeirinha no ato da sua reserva de carro. Nós reservamos aqui e pedimos o bebê conforto para a Vic sem problema nenhum. A instalação no carro é super fácil, feita apenas com o cinto de segurança. Mas se você tiver dúvida ou dificuldade, o pessoal da locadora te ajuda a instalar tudo certinho.

Outlets e shoppings: Os EUA são o paraíso das compras. Seja para os bebês, seja para os adultos. Victoria não tem muita paciência para ficar nos outlets e no shopping passeando e entrando e saindo de lojas. Acho que nenhum bebe tem. Mas conseguimos ir com ela ao shopping e ao outlet e claro, respeitar o tempo dela. Todos os outlets e shoppings que fomos tinham banheiro familiar, que foi ótimo para trocar fralda e até pra amamentar (muitos tinham cadeira de amamentação). Nenhum deles tinha muita estrutura de entretenimento para criança, mas na idade que ela viajou, bastava pegar no colo e dar uma passeada para ela se distrair.

Restaurantes: Nos parques todos os restaurantes tem estrutura para receber bebês e crianças. Tem cadeirinha, alguns preparam uma comidinha especial se você pedir, tem banheiro com fraldário e trocador ou seja, são super acessíveis. Fora dos parques isso é quase igual. A grande maioria é bem receptiva e estruturada para receber os bebês. Uma curiosidade e ponto para atenção: a grande maioria dos restaurantes, diferente aqui do Brasil, não permite que o carrinho fique estacionado ao lado da mesa. Pois é, como nós costumávamos almoçar na hora que a Vic dormia, tínhamos que pedir uma mesa especial, avisar que o carrinho ficaria ao lado da mesa e ainda assim aguentar alguns olhares tortos.

Seguro Viagem: Nem preciso dizer que isso é IMPRESCINDÍVEL né? Não tem como viajar pra nenhum lugar, com ou sem bebê sem ter seguro. E não me venha querendo dizer que vai usar o seguro do cartão tá?! Você está levando o seu bebê, a coisa mais preciosa da sua vida, não queria economizar R$100 com ele. Obrigada, de nada. Nós sempre fazemos seguro com a Real porque ela compara todos os preços e coberturas das melhores seguradoras do mercado. Uso eles há anos e gosto MUITO. Recomendo de verdade. Faça seu orçamento aqui.

Fotografia: Sou a louca da foto. Amo, tenho tripé, maquina DSLR, gopro, celular… levei tudo isso e no final das contas percebei que com um bebê isso acaba sendo um trambolho gigante e a gente quase não usa. Comprei o Memory Maker para os parques da Disney (falei sobre isso aqui) e acabei fazendo MUITAS fotos com o celular porque era mais prático. Acho que esse foi um dos maiores furos que demos, muita tralha pra pouca foto com a máquina grande.

DICAS FINAIS:

  • Leve um tapetinho, uma canga ou toalha para colocar no chão e deitar o seu bebê de vez em quando. As costas dele agradecem. Se ele já é maior e senta, o mesmo serve para você brincar um pouquinho e tirar ele do “ambiente” colo/carrinho um pouco.
  • Além da famosa Babies´r´us (que fechou), comprei várias coisas para Vic na Macrobaby. Achei uma loja ótima para bebês com preços super competitivos (e eles cobrem qualquer preço mais baixo que você encontrar), e as vendedoras falam português. Excelente para quem tem dificuldade com o inglês.
  • A viagem de avião não foi um bicho de 7 cabeças. Contei mais sobre ela e dei as dicas que funcionaram comigo nesse post aqui.
  • Não esqueça os acessórios do seu carrinho de bebê. Capa de chuva e mosquiteiro são importantes sim. Não deixe de fora.
  • Uma dica que eu sempre falo pras pessoas é: entenda que a viagem que você fazia antes de ter filho NUNCA vai ser igual a que você vai fazer depois dos filhos. Sabendo disso, você vai curtir muito e entender que as viagens mudam sim, e a gente também. E isso, é só uma questão de adaptação. Não espere ficar até altas horas no parque, ou dormir como se não houvesse amanhã. Seu filho não vai mudar só porque viajou. Tente manter a rotina dele como der e sem dúvidas, a sua viagem vai ser a melhor possível!
  • Aproveite! Você está em Orlando com o seu bebê!

Espero que vocês tenham gostado desse post, tenham tirado todas as dúvidas e claro, tenha deixado todos os corações mais tranquilos para a viagem. Acho que no final das contas é isso que a gente precisa né? Se tiverem qualquer dúvida, podem deixar no Facebook ou no instagram que eu respondo pra vocês! =)

Há alguns meses atrás postei aqui o passo a passo para você registrar seu filho como cidadão italiano. Esse é o primeiro passo para pais com dupla cidadania que desejam que seus filho tenham também a cidadania italiana. É esse também o primeiro passo para você fazer o passaporte italiano do seu filho.

No consulado aqui do Rio, depois de aproximadamente 3 meses que você fez o registro você já pode solicitar o passaporte italiano dele. Então, a grande dica é: assim que fizer o registro, tente já agendar a solicitação do passaporte para 3 meses depois. Dessa forma o processo acontece com mais rapidez. Os agendamentos aqui no Rio estão bem distantes, então, vale ficar ligado nessa dica e já deixar agendado com um espaçamento de 3 meses entre uma solicitação e a outra.

CLIQUE AQUI E VEJA COMO REGISTRAR SEU FILHO COMO CIDADÃO ITALIANO

Uma outra dica super válida é você só fazer o passaporte do seu filho caso ele tenha uma viagem marcada. Assim como no passaporte brasileiro, a validade é mais curta para bebês e crianças pequenas. Por isso, fique atento para não gastar dinheiro e tempo a toa.

O passo seguinte é reunir a documentação. No dia agendado, você precisa levar:

  • o comprovante do agendamento;
  • um documento de identidade válido e recente do menor e dos pais (caso trate-se de
    duplos cidadãos apresentam o passaporte brasileiro);
  • 2 fotografias com o rosto bem centralizado na moldura, formato 35x45mm, em
    cores sobre fundo branco. Por causa da digitalização da imagem para a impressão
    sobre o documento, são necessárias fotos nas quais o rosto esteja bem centralizado;
  • comprovante de residência (não são aceitas contas de celular).
  • dinheiro ou cartão de débito (com acréscimo de 2% ao valor) para pagar a taxa de emissão do passaporte (veja aqui o cambio do momento);

CLIQUE AQUI E VEJA COMO FAZER O PASSAPORTE BRASILEIRO DO SEU FILHO

(Vic na Disney! Entrou no país usando seu passaporte italiano!)

É importante lembrar que no dia da solicitação do passaporte os dois pais devem estar presentes junto com a criança no consulado. Caso um dos pais não possa ir o responsável deverá obrigatoriamente entrar em contato com o setor de passaportes enviando um e-mail (passaporti.riodejaneiro@esteri.it), para apresentar as razões do impedimento e concordar eventuais modalidades para a concessão da autorização. (Nos casos em que será concedida a autorização pelo setor o interessado poderá dar a própria “autorização” assinando e autenticando a própria firma junto uma outra qualquer autoridade italiana ou também junto a um “Cartório de Notas” localizado dentro da nossa circunscrição reconhecendo a firma por
autenticidade.)

Depois de feita a solicitação é só aguardar aproximadamente uma semana e ir buscar o passaporte. Para buscar não é necessário que a criança vá ou que estejam presentes o pai e a mãe. Basta um dos responsáveis com o ticket do pedido de emissão do passaporte. Para buscar não é necessário fazer agendamento.

Parece complicado, mas juro que é bem tranquilo. O procedimento é cheio de formalidades, mas é muito mais simples do que parece. Foi ótimo de fazer logo isso e adorei que assim que foi emitido já pude solicitar o ESTA para a Victoria e pronto. Agora, ela já pode entrar nos EUA usando o seu passaporte italiano.

VEJA AQUI COMO USAR O ESTA PARA ENTRAR NOS ESTADOS UNIDOS.

Lembrando que esse passo a passo é sobre o procedimento de emissão de passaporte no consulado italiano aqui no Rio. Não sei se em outros consulados o procedimento é o mesmo.

Passaporte em mãos. Arriverdeci! Vamos mostrar o mundo para nossa criancinha meio brasileira, meio italianinha!