Ok, talvez esse post devesse ser entitulado de “Alimentação do meu bebe nessa viagem”, por que vou falar específicamente de como fizemos com a comidinha da Victoria nessa ida ao Uruguai. Choveram perguntas sobre como a Vic comeu, o que ela comeu, como fizemos… Postei no stories o video dela comendo uma bananinha e muita gente ficou curiosa sobre como eu fiz. Pra vocês entenderem como funcionou pra mim nessa viagem, tenho que começar do início.

(Mamãe comendo and bebendo e a Vic olhando, porque já estava almoçada!)

Victoria tinha 7 meses e estava no início da introdução alimentar quando viajamos. A introdução dela foi lenta e gradual, como eu escolhi que seria. Ela se adaptou super bem as frutas e comeu todas que experimentou numa boa. Mas estava um pouco resistente as comidas salgadas. Ou seja, chorava, virava a cara, cuspia tudo, fazia escândalo e a grande maioria das vezes acabava não comendo. #hajapaciência

Seguindo a orientação da nutricionista e do pediatra, a comida da Victoria é feita no vapor, amassadinha no garfo e sem sal. Os temperos são naturais e de verdade como cebola, alho everdinhos. No momento da viagem, a Victoria ainda não jantava (atrasamos a introdução do jantar por causa da viagem) então a rotina alimentar dela estava assim:

7h30 – acorda e mama
9h30 – fruta
12h – almoça
15h – fruta
17h30 – mama
19h30 – mama e dorme

Bom, dado isso eu tinha que me organizar para ela comer 2 frutas por dia e almoçar. As frutas eram fáceis de resolver. Todo café da manhã de hotel tem frutas, então, ainda no Brasil, dei pra ela experimentar as frutas mais comuns de achar em hotel: banana, mamão, maçã, pera, melão e melancia.

As comidas sim eram uma questão pra mim. Eu pensei em trazer papinhas prontas dos EUA para ela comer, pensei em ficar em hotéis com cozinha ou alugar apartamentos para poder fazer alguma coisa para ela lá, mas tudo me parecia ou muito desconfortável ou muito nada a ver com o que a gente pretendia. Até que pensei no Empório da Papinha. (Não, isso não é publi)

Eles fazem papinhas fresquinhas, orgânicas, sem conservantes e com comida de verdade. Pra 6/7 meses eles vendem cremes e sopas, como a Vic começou a introdução já com alimentos amassadinhos, optei por comprar as sopas com pedacinhos para 8+.

Quando liguei para fazer a compra, informei que estava indo viajar para o Uruguai e eles foram super eficientes na embalagem das papinhas. Colocaram tudo em um isopor com gelo seco (para ficarem congeladas por até 24h), lacraram o isopor e pelo lado de fora colocaram um aviso em espanhol que aquilo era comida de bebe, liberado pela Anvisa… Esse isopor foi dentro da mala, despachado junto com ela. Chegando lá só precisamos colocar pra congelar novamente.

Todo dia de manhã nós escolhíamos uma papinha, pedíamos para alguém na cozinha do hotel esquentar e colocávamos no potinho térmico. Quando era hora do almoço dela, era só preparar ela pra comer e pronto. No dia seguinte, a mesma coisa.

“Mas Nathalia, que coisa pouco prática. No Uruguai também tem bebês em fase de introdução alimentar, era mais fácil comprar alguma coisa por lá.” Verdade, talvez fosse mesmo, mas eu optei por fazer uma coisa que eu acredito que era o melhor pra ela. Ela estava com dificuldade no início da introdução, não queria comer, já tinha provado as papinhas e tinha gostado. Sem falar no fato de serem orgânicas, fresquinhas, sem conservantes… seguindo a linha que eu aplico e casa. Eu podia comprar alguma coisa lá, provavelmente ia ser mais prático sim, mas não era o que eu considerava a melhor opção pra ela naquele momento. Ponto final.

(Lanchando uma batatinha doce no dia que chegamos do Brasil. #musafitness)

Então, foi basicamente assim que funcionamos durante os 8 dias de viagem. Levei 9 papinhas + 2 papinhas de manga (fruta que eu sabia que não seria fácil de encontrar lá e que ela ama) no isopor, despachamos dentro da mala, mantivemos congelado mesmo mudando de hotel (levamos de um pro outro dentro do isopor com gelo normal).

DICAS:

  • Vale levar um pouco de detergente e uma esponjinha pra lavar os itens da comidinha deles no hotel;
  • Leve mais de um potinho térmico, as vezes a frutinha precisa ficar geladinha também;
  • Não esqueça o pratinho e talheres próprios;
  • Nos usávamos uma pastilha de esterilização ou pedíamos pro pessoal da cozinha do hotel jogar o uma água fervendo nas coisas de vez em quando, para dar aquela limpada mais profunda;
  • Uma lancheirinha térmica também é bem vinda pra carregar as coisas;
  • Eu levei um babador lavável e vários babadores descartáveis que são ótimos pra dar comidinha na rua, porque eles ficam imundos ai você joga fora e pronto. (Achei pra vender aqui)

Como falei, foi assim que eu fiz. Que funcionou pra mim. Não significa que seja a melhor forma, a forma mais prática ou a melhor forma pra você. É apenas a minha experiência que eu resolvi compartilhar depois de receber algumas perguntas sobre o assunto.

Colonia del Sacramento foi uma parada na nossa slow travel para fazer exatamente com que a viagem fosse mais tranquila e calma. Enquanto 90% das pessoas que visitam a cidadezinha fazem um bate e volta de Buenos Aires ou de Montevidéu, nós optamos por passar a noite lá e conhecer um pouco mais do que ela tem a oferecer.

A cidade tem origem na antiga cidade de Colônia do Santíssimo Sacramento, fundada em 22 de janeiro de 1680 por Manuel Lobo, então Governador da Capitania Real do Rio de Janeiro, a mando do Império Português no século XVII. A área onde localiza-se a fundação portuguesa hoje faz parte do Centro Histórico (também conhecido como cidade antiga) e é reconhecido pela UNESCO como Patrimônio da Humanidade.

Como chegar?

Colonia del Sacramento fica a mais ou menos 180km de Montevidéu, isso dá aproximadamente 2h de carro. Nós alugamos um carro e viajamos de Montevidéu até lá e foi ótimo. As estradas são boas, bem sinalizadas e seguras. Como a Victoria estava com a gente, pedimos um bebê conforto no ato do aluguel e foi tranquilíssimo fazer a viagem.

Outra opção é ir de ônibus ou passeios turísticos. Tem muitas agências que vendem passeios de um dia para Colonia com saídas de Montevidéu. Em geral você sai cedinho da capital uruguaia e volta no final do dia.

Uma outra pedida é chegar em Colônia de barco. A cidade fica a apenas 1h de barco rápido saindo de Buenos Aires. Sim, é mais perto da capital argentina do que da uruguaia. As empresas que fazem esse transporte de barco são: Buquebus, Seacat ou Colônia Express. Se for apenas passar o dia, procure a opção daytrip no site para ver se o preço fica mais em conta.

Lembre-se que se vier de Buenos Aires, você terá que fazer imigração na ida e na volta, por isso, organize-se para “perder” esse tempo e chegue pelo menos 1h antes do horário de saída do seu barco.

Quanto tempo ficar

Esse é um assunto meio polêmico. A cidade antiga, que é a parte mais visitada pelos turistas, é bem pequenininha. Em um dia você consegue ver tudo com calma, fazer fotos e comer em algum restaurante gostoso. Por isso tanta gente faz bate e volta para lá.

Eu optei por passar a noite pois estava a caminho de Carmelo e porque queria ver o tão famoso por do sôl da cidade. Não me arrependo nem um pouco. Acabei ficando um dia inteiro também. Cheguei por volta das 11h de um dia e sai às 12h do outro dia. Por isso, minha recomendação é de passar a noite por lá, se for possível. A cidade fica mais vazia, você vê aquele por do sol lindíssimo, vê a cidade antiga a noite, iluminada… é bem bonito.

Seguro Viagem

Para entrar no Uruguai você não é obrigado a apresentar nenhuma comprovação de que tem um seguro de viagem, como é feito na Europa. Porém, como sempre falo por aqui independente de onde você vá, na minha opinião, é imprescindível ter um seguro. É o famoso “Vai que…”. Muita gente usa o do cartão de crédito e eu já falei sobre os prós e os contras aqui.

Hoje em dia, recomendo e uso esse site aqui, que é um comparador de preços e coberturas. Já há alguns anos fecho com eles (inclusive faço os seguros da Victoria) e estou muito satisfeita. Agora, eles são parceiros do blog, então, confio ainda mais.

coisas que amamos comissão real seguros

Moeda/Câmbio

A moeda no Uruguai é o peso uruguaio. Recomendo que vocês troquem pouco dinheiro, pois, por incrível que pareça você não vai usar tanto a moeda corrente. Essa foi uma dica do concierge do nosso hotel em Montevidéu e foi realmente uma barbada!

Assim como na capital pagávamos com cartão de crédito nos restaurantes para ter a devolução de 22% do imposto. E lá como ficamos super bem localizados, só andamos a pé.

Em alguns lugares de Colônia você também consegue usar o peso argentino. Como a cidadezinha é muito frequentada por turistas que vem da capital do país vizinho, algumas lojinhas mais turísticas aceitam a moeda argentina.

Onde ficar

Como essa foi a nossa primeira viagem com a Victoria optei por hotéis confortáveis e bem localizados. Achei que isso era bem importante para a nossa “qualidade de vida” na viagem e acertei na mosca. Ficamos no Radisson Colonia del Sacramento e foi ótimo. Ele fica fora da cidade antiga, mas super pertinho, e na beira do Rio.

Os quartos são super amplos, o café da manhã é ótimo e super variado (o que foi fundamental para a gente pois pegávamos várias frutinhas para a Vic comer!) e claro, tem uma estrutura boa com restaurante, piscinas (uma aquecida coberta e uma com borda infinita na beira do rio), sala de jogos para criança e até mesmo um cassino. Honestamente, acho que ficaria lá novamente mesmo sem a Vic. hahahaha Gostei bastante do hotel.

Foto da galeria desta acomodaçãoFoto da galeria desta acomodação

Na minha opinião, sem dúvidas os melhores lugares para se hospedar em Colônia são próximos a cidade antiga. Por isso, nem cogitei sair muito dessa área. Outra opção que eu vi lá que achei bem legal foi o Charco Hotel. Ele fica dentro da cidade murada e é bem luxuoso e moderninho. A Pousada Boutique Las Terrazas é outra boa opção próxima ao centrinho. A Posada Don Antonio é mais simples e consequentemente mais baratinha, mas não menos simpática.

Quem preferir pode também alugar um apartamentinho. Achei a Casa Francis uma excelente opção nesse sentido. Linda, bem localizada, moderna e com uma vista de camarote para o pôr do sol.

A minha última dica é: se você estiver de carro e quiser ficar em um super hotel pagando um pouco mais barato. Recomendo muito o Spa Hotel La Reserve. Ele fica a 2km da cidade murada, mas é um super hotelzão delicioso, com spa e com preço ótimo por ser mais afastado da cidade.O que fazer

Bom, como eu falei, o big deal de Colonia del Sacramento é a cidade antiga, murada. Então, basicamente você vai bater perna por ali. Andar, andar, andar, tirar fotos, parar para um drink, andar mais…

  • Farol: É um dos pontos mais famosos da cidade. Você pode subir até lá em cima para ver Colonia do alto.
  • Portão da Cidadela: É portão que fica na entrada da cidade antiga/murada.

  • Muro: Bem ao lado do portão ainda resiste uma parte do muro que um dia envolveu a cidade antiga. Nesse trecho é possível subir no muro, tirar umas fotos e ver a cidade lá de cima.
  • Calle de los Suspiros: Um ruazinha famosa por ser o local por onde os escravos passavam suspirando antes de serem executados.

  • El Drugstore: Um bar/restaurante diferentão e super famosinho por lá. Pelo que dizem o ambiente é beeem melhor do que a comida. Vale para sentar e tomar um drink.
  • Basílica del Santíssimo Sacramento: considerada a igreja mais antiga do Uruguai.
  • Portinho (ou Porto de Iates): Não é de ondem partem os barcos para Buenos Aires, é um “pier” com alguns banquinho e uma linda vista para o pôr do sol.
  • Cassino: O maior cassino da cidade fica coladinho no Radisson e super pertinho da cidade velha.

Onde comer

Ficamos pouco tempo na cidade para recomendar muitas opções, mas almoçamos no restaurante do Hotel Charco, o Charco Bistrô e adoramos. Ambiente super agradável e comida deliciosa. Vale muito a pena.

Como falei acima, o El Drugstore é bem famosinho mas muita gente diz que a comida não está boa, por isso, recomendo sentar lá para tomar uns drinks e ver o tempo passar.

O famoso chivito numa versão meio chique no Charco Bistrô

Vai com crianças?

A Victoria é um bebê e por isso os lugares que visitamos não fez tanta diferença pra ela, mas a grande dica para quem vai a Colonia del Sacramento com os muito pequenininhos é: andar por lá com carrinho pode ser bem complicado, opte pelo canguru pois as ruas são cheias de pedras e bastante esburacadas. Isso vai ser beastante desconfortável para o seu bebê e trágico para o carrinho.

Outra informação importante é: os cassinos não aceitam menores de 18 anos, nem mesmo se eles forem bebês pequenininhos ou crianças de colo, sem idade para entender do que aquele ambiente se trata. Eles pedem documentação para qualquer pessoa que entre no cassino e possa parecer ser menor de idade.

Pra mim, Colonia del Sacramento surpreendeu muito positivamente. Estava com pouca expectativa da cidade, até por que a maioria das pessoas que visita passa apenas algumas horas e acho que perde uma das coisas mais lindas que vimos por lá, que foi o pôr do sol.

Achei a cidade muito simpática, muito graciosa e muito interessante de conhecer. Essa coisa de andar, se perder e se achar é muito gostoso. Vale sim, fazer o bate e volta, mas se você tiver a possibilidade  de dormir ao menos uma noite por lá tenho certeza que você não vai se arrepender.

Se quiserem saber mais sobre  a minha viagem pelo país:
Leia aqui sobre Montevidéu
– Leia aqui sobre Carmelo e Carmelo Resort and Spa – A Hyatt Hotel.

Viajamos no Carnaval de 2018. Victoria tinha 7 meses.

Acompanhem minhas viagens em tempo real pelo instagram @coisasqueamamos 
E curtam a nossa página no Facebook!

21
fev 2018

Montevidéu | Uruguai

A capital do Uruguai foi o nosso ponto de partida nessa viagem. A ideia era conhecer um pouquinho da cidade, passear, comer bem e relaxar. Sem pressa, sem pressão, sem correria. Queríamos curtir pela primeira vez na vida o famoso slow travel, uma novidade pra gente. Montevidéu não poderia ser o destino mais perfeito para isso. 

Apesar de ser a maior cidade do país, é uma cidade tranquila com muitos parques, lugares para passear e “ponto turísticos” muito tranquilos e agradáveis. Eu diria que é um mix de Buenos Aires com São Paulo e uma pitadinha de Rio de Janeiro por causa da orla. É uma cidade grande, mas pequena ao mesmo tempo. Tem ares de cidadão, mas aquele toque charmoso de lugares menores.

Pra quem não sabe, Montevidéu esta na lista das 30 cidades mais seguras do mundo, e é a capital do Mercosul. Hoje, tem uma população aproximada de 1,9 milhões de pessoas, metade da população total do país. Pra vocês terem uma ideia de grandeza, a cidade do Rio tem aproximadamente 6,3 milhões de pessoas e São Paulo 12 milhões. Ou seja, é suuuuper agradável passear por lá. Não tem engarrafamento, não tem multidão… uma delicia.

Como chegar

Para chegar a Montevidéu é super fácil. Várias companhias aéreas voam do Brasil pra lá. Nós fomos de Latam em um vôo de 2h30, direto do Rio. Prático, rápido e com excelente custo x benefício. A Gol e a Aerolíneas Argentinas fazem vôos com escalas para lá. Eu uso esse buscador para pesquisar as minhas passagens.

É possível chegar de ônibus e de carro também. Principalmente se você sair do Sul do Brasil. As estradas no Uruguai são boas e muito bem sinalizadas. Nós alugamos um carro para sair de Montevidéu e rodar pelo Uruguai e foi ótimo. Ah! A dica aqui é: pague o aluguel do carro com cartão de crédito (por esse site mesmo) e ganhe o desconto de 22% do IVA.

Clima/Quando ir

O clima pode ser um fator decisivo para você organizar sua viagem para o Uruguai. Os dias de clima quente, coincidem com a alta temporada (e consequentemente com os preços mais altos). A baixa temporada é no inverno, e as temperaturas podem ser bem baixas por lá.

Em Montevidéu você não vai ser muito afetado por isso mas fique atento a época se for casar sua viagem a capital com outras cidades pelo país. Punta del Este, por exemplo, fica completamente vazia no inverno. Muitos estabelecimentos fecham e você pode deixar de aproveitar o que a cidade tem a oferecer por esse motivo.

(Praia de Pocitos vista do letreiro, bem em frente ao Hyatt Centric)

Vistos e Vacinas

Como o Uruguai faz parte do Mercosul você não precisa nem do passaporte para ingressar no país, basta uma carteira de identidade recente (com 10 anos mais ou menos) e pronto. O país também não exige vistos e vacinas específicos.

Mas, como eu costumo dizer, acho super válido estar com a vacina de febre amarela em dia e levar o certificado de vacinação em todas as viagens, principalmente agora, que o Brasil está no meio de um surto.

Seguro Viagem

Para entrar no Uruguai você não é obrigado a apresentar nenhuma comprovação de que tem um seguro de viagem, como é feito na Europa. Porém, como sempre falo por aqui independente de onde você vá, na minha opinião, é imprescindível ter um seguro. É o famoso “Vai que…”. Muita gente usa o do cartão de crédito e eu já falei sobre os prós e os contras aqui.

Hoje em dia, recomendo e uso esse site aqui, que é um comparador de preços e coberturas. Já há alguns anos fecho com eles (inclusive faço os seguros da Victoria) e estou muito satisfeita. Agora, eles são parceiros do blog, então, confio ainda mais.

coisas que amamos comissão real seguros

Moeda/Câmbio

A moeda no Uruguai é o peso uruguaio. Recomendo que vocês troquem pouco dinheiro, pois, por incrível que pareça você não vai usar tanto a moeda corrente. Essa foi uma dica do concierge do nosso hotel e foi realmente uma barbada!

Vou explicar: usamos uber sempre que precisávamos nos locomover dentro da cidade, além de muito mais barato do que os taxis, o valor era cobrado direto no cartão. Nos restaurantes, pagávamos com cartão de crédito (pois você tem uma devolução de 22% dos valores gastos em restaurantes quando paga no cartão!). Trocamos apenas R$300 para 8 dias de viagem e funcionou super bem. Usamos o dinheiro em alguns poucos lugares que não aceitavam cartão, para dar gorjetas e para comprar um imã pra nossa coleção.

Mas, ainda assim, acho importante ter um pouco de dinheiro local em mãos e pra isso sugiro que você não troque no aeroporto, foi a taxa mais alta que vimos por lá. O lugar mais barato para trocar dinheiro foi em uma casa de cambio, na cidade vieja, na Praça Constituición (Plaza Matriz). Era tão mais barato que tinha ate fila na porta.

Onde ficar

Não tive muito dificuldade em escolher o lugar que ficaríamos. Com a Victoria participando da viagem, fiquei um pouco mais criteriosa com certas coisas, e o hotel é uma delas. Antes, a localização era o mais importante na decisão do hotel. Agora, além da localização valorizo muito um hotel mais moderninho, que tenha um quarto espaçoso (se possível com varanda), um bom restaurante, room service, piscina e claro, que aceite bebês e tenha alguma infra pra eles.

Dito isso, minha primeira opção em Montevidéu foi o Hyatt Centric. O hotel fica em Pocitos, um dos bairros mais bacaninhas da cidade, perto de uma rua cheia de restaurantes e bares, um shopping, de frente para o calçadão (ramblas)… Foi a escolha perfeita pra gente.

Foto da galeria desta acomodaçãoFoto da galeria desta acomodação

(Fotos do Booking, porque com a Vic a tiracolo já chegamos bagunçando tudo!)

O quarto era ótimo. Eles disponibilizaram um bercinho pra Victoria, o serviço de room service foi excelente e o hotel ainda conta com um semi-spa com uma piscina aquecida super linda e deliciosa, academia e disponibilidade para massagens. Pra completar o combo do nosso hotel ideal, eles tem um dos restaurantes mais bem falados da cidade, o Plantado e um barzinho super delicia, o Moderno.

Além do Hyatt vi como uma boa opção o Sofitel Carrasco, que apesar de ser meio distante do resto da cidade, é em um bairro bacaninha com bons restaurantes e bares por perto. Cheguei a visitar o hotel e achei bem bonito. É nele que fica o Cassino Carrasco, o maior da cidade.

Outra opção legal é o Tryp Montevideu, que fica em Punta Carretas, bairro vizinho a Pocitos que também é bem legalzinho cheio de restaurantes, bares e lojas. Inclusive o melhor shopping da cidade fica aqui.

Outras opções: Sheraton, Regency Rambla, NH Montevideu (na cidade velha) e Own.

Passamos dois dias em Montevidéu e conseguimos fazer um roteiro conciso com os principais pontos da cidade. Mas vou colocar aqui vários pontos que podem ser visitados pra quem for passar mais tempo ou quiser conhecer mais pontos quando for visitar a cidade.

  • Ciudad Vieja: concentra as principais atrações turísticas como o Palacio Salvo, Teatro Solis, Café Brasileiro, Puerta Cidadela e Mercado del Puerto. Em uma manhã você consegue passear pela região e ver todos esses pontos. Recomendo que o passeio termine no Mercado do Porto para você almoçar por lá. Lembrem-se que essa região é o centro da cidade, portanto nada funciona aos sábados depois das 13h e aos domingos. Por isso, evite visitar durante esse período.

  • Palácio Salvo: Prédio mais fotografado de Montevideo. (Pertinho tem o Hotel Radisson, que tem uma linda vista da cidade no último andar!)
  • Teatro Solis: O mais lindo teatro da cidade. Oferece visitas guiadas de segunda a domingo às 11h, 12h, 16h e 17h; aos sábados às 13h.

  • Café Brasilero: Café/lanchonete super histórico .
  • Museu Andes 1972: Museu dedicado ao avião que caiu na Cordilheira dos Andes
  • Plaza Zabala: a mais antiga e uma das mais bonitas praças da cidade.
  • Puerta Cidadela: Um portal na Plaza da Independência que é a entrada da cidade antiga.

  • Rambla: Calçadão que margeia o Rio da Prata.
  • Tristan Navaja: a feira de mil e uma coisas que acontece aos domingos.
  • Parque Rodó: Lindo parque para visitar no domingo. Ótima opção para levar crianças.
  • Mercado del Puerto: Uma das principais atrações de Montevidéu. Perfeito para almoçar. Peça uma típica parrillada

  • Farol de Punta Carretas: Local mais famosos para ver o por do sol na cidade.
  • Casino Carrasco: O cassino fica dentro do hotel Sofitel.
  • Estadio Centenário: Palco da primeira copa do mundo, realizada em 1930.
  • Letreiro de Montevidéu: Bem em frente ao Hyatt Centric.

  • Jardim Japonês e Jardim Botânico
  • Bodega Bouza: A vinícola mais próxima de Montevidéu. Fica a 40 minutos de carro e vale a visita. É linda, tem um restaurante delicioso e os vinhos são muito bons.

Infelizmente eu não consegui visitar tudo isso, mas achei que valia colocar a minha pesquisa aqui pra vocês.

Onde comer

El Palenque: O restaurante que mais gostamos no Mercado do Porto. Pelo que vimos lá (e pelas muitas indicações que recebemos) é mesmo o melhor. Chegue cedo para não pegar fila ou prepare-se para esperar um pouco. Se quiser seguir a tradição, sente-se no balcão (preferencialmente longe do forno) e peça sua parrillada seguida de panqueca de doce de leite ali mesmo.

Francis: Um restaurante mais arrumadinho que fomos. Fica em Punta Carretas e é bem famosinho. O ideal é chegar com reserva ou chegar bem cedinho, quando abre. Nós chegamos as 20h em ponto (sem reserva) e conseguimos uma mesa para nós e o carrinho da Victoria.

Plantado: O restaurante do Hyatt Centric. Jantamos uma das noites por lá e gostamos muito. O restaurante é mais moderninho e tem um cardápio bem caprichado. Se quiser, pode fazer reserva, mas quando fomos não estava muito cheio.

Garcia: Outra boa opção de carne para o almoço. Pedimos a tradicional parrillada e adoramos. A comida estava deliciosa. Ele fica em uma rua bem perto do Sofitel Carrasco. Dá pra emendar em um passeio pelo bairro.

Bodega Bouza: O restaurante da Bodega Bouza é delicioso e super vale a visita. Além da comida boa, o ambiente é super agradável. De um lado você tem vista para a vinícola e do outro lado você olha algumas parreiras de uva.

  • O uber funciona muito bem por lá. Usamos em todas as situações e valeu super a pena. Bem mais barato que o táxi e super fácil de pedir.
  • Faça o pagamento dos seus almoços e jantares com cartão de crédito para economizar os 22% da taxa de IVA (igual ao nosso ICMS) que é devolvida diretamente no seu cartão.
  • Não troque muito dinheiro por pesos uruguaios, além de usar muito o cartão, em vários lugares você consegue fazer os pagamentos em reais e dólares.
  • A cidade é uma das 30 mais seguras do mundo, mas nem por isso você vai dar bobeira. Fique sempre atento.
  • Se tiver tempo e gostar de vinho não deixe de ir a Bodega Bouza. Nós adoramos!
  • Se você está com um bebê, fique ligado pois os restaurantes não gostam que você entre com o carrinho e deixe ele aberto próximo a mesa. Eles fazem cara feia, reclamam e muitas vezes mandam fechar. Um saco!
  • Fomos no verão e a temperatura variou no mesmo dia de 16 a 29 graus, ou seja, prepare-se para essa grande variação de temperatura.
  • Achamos o valor das refeições super alto. Mesmo descontando os 22% do imposto. Então, saia do Brasil sabendo que comer por lá custa caro.
  • Os cassinos são proibidos para menores de 18 anos. Inclusive bebês de colo.

(O que é, o que é um pontinho vermelho na frente do letreiro?! É a Vic! <3)

Se quiserem saber mais sobre  a minha viagem pelo país:
– Leia aqui sobre Colonia del Sacramento
– Leia aqui sobre Carmelo e Carmelo Resort and Spa – A Hyatt Hotel.

Viajamos no Carnaval de 2018. Victoria tinha 7 meses.

Prontinho! Acho que agora vocês estão munidos de informações e dicas para fazer seu passeio pela capital do Uruguai.

Acompanhem minhas viagens em tempo real pelo instagram @coisasqueamamos 
E curtam a nossa página no Facebook!

Acho que um dos momentos que os pais mais temem quando o assunto é viajar com um bebê é o avião. Assumo que eu estava um pouquinho apreensiva com esse momento. Será que o ouvido vai doer? Será que ela vai chorar sem parar? Será que vai conseguir dormir? Mil questionamentos passaram pela minha cabeça, mas só a vivência e a prática conseguem fazer com que a gente se tranquilize né?

Como acabei de voltar da Disney com a Victoria (que viajou com 5 meses e meio) e consegui reunir algumas dicas essenciais para você fazer uma viagem de avião com bebê da forma mais tranquila e confortável possível pra você e pro seu pequeno também.

  • Vôos noturnos são excelentes: Independente se o seu bebê dorme a noite toda ou não, sem sombra de dúvidas fazer um vôo noturno vai ser a melhor escolha. Ou eles vão dormir no bercinho ou vão dormir no seu colo. Mas pode ter certeza, eles não passaram a noite inteira acordados dentro do avião.
  • Evite escalas: Além de serem cansativas, elas também fazem com que o bebê fique desperto. Sei que as vezes é impossível não ter alguma escala no vôo, mas se puder evitar, acho que a melhor opção é pega um vôo direto.

(Esse é o bercinho da Delta. No meu vôo só havia um disponível. Ele não é muito confortável e é bem pequenininho. Vic quase não coube.)

  • O bercinho não é necessariamente um big deal: Peguei o bercinho na ida e na volta, e nas 18h totais de vôo, pude usá-lo no máximo por 6h. Talvez eu tenha dado azar, talvez não. Quando o aviso de apertar cintos está aceso o bebê não pode ficar no bercinho. Ou seja, Vic passou grande parte do tempo no meu colo. Além disso, o berço é pequenininho e ela com 5 meses mal cabia nele.
  • Procure o assento mais confortável pra você: Procure marcar o assento que seja mais confortável pra você. Prefere janela, sente-se na janela. Gosta de esticar a perna no corredor, então não pense duas vezes. Eu gosto de sentar na primeira fila pois estico a perna na parede e quando não tem parede, tem muito espaço na frente e achei esse espaço extra excelente para ficar de pé quando Vic estava acordada e inquieta (antes do avião levantar vôo principalmente!).

  • Trocar fralda não é uma missão impossível: Apesar daquele micro banheiro, trocar fraldas por lá não é uma missão impossível. Tenha em mãos tudo que você precisa para uma troca e vá com tudo. O trocador é fácil de abrir e o máximo que acontece é o bebê colocar a mão na parede do banheiro (que eu morro de nojo! #fresca) mas depois você limpa a mão dele e pronto.
  • A TV pode ser um aliado: Victoria não está acostumada a ver televisão, então, toda vez que aparece uma telinha na frente dela ela fica maluca. No vôo de ida, ela acordou mais ou menos 1h antes do avião pousar… do momento que precisamos sentar e apertar os cintos até a hora que pude levantar, a TVzinha foi uma mão na roda. Pros que costumam ver TV, as cias áereas tem programas para crianças e bebês.
  • Alimentação no vôo: se o seu filho está só no peito, ótimo, ele é um excelente “cala boca” ou melhor, acalma bebês. Mas se ele já come ou toma mamadeira, não conte com a boa vontade da tripulação para esquentar água ou nem mesmo para te dar água. Leve o que você precisa com você no vôo e garanta a comidinha do seu baby na hora em que ele precisar e não na hora em que os comissários tiverem boa vontade.

(O bercinho é acoplado na parede em frente as cadeiras da fileira do meio, que normalmente ficam bloqueadas para aqueles que solicitam o bercinho. Reparem que ele aguenta até 12kg).

  • A mala de mão dos sonhos: Capriche na mala de mão. Pode parecer uma bobeira, mas ela pode salvar sua vida durante o vôo. Leve mudaS (no plural) de roupa para você e seu marido, e principalmente para o bebê. Pense que pode fazer frio, calor, ele pode vomitar, pode derramar alguma coisa na roupa… quando o assunto são bebês, é beeem melhor prevenir do que remediar. Nosso vôo foi cancelado e fomos parar em Atlanta a -4ºC. Vic nem percebeu. Eu tinha um gorrinho, uma boa coberta, roupas e pijamas extras, e muitas fraldas.
  • Documentos em mãos: Deixe os seus passaportes e os do seu bebê, assim como cartões de embarque sempre em mãos. Pode ser nas suas ou na da pessoa que estiver com você. Vira e mexe alguém pede para ver a documentação do bebê e é muito melhor deixar tudo de fácil acesso.
  • Facilite a sua vida ao máximo: Sei que essa dica parece bem idiota, mas acredite, não é. Pense em tudo que pode facilitar o seu processo de vôo. Do momento que você sai de casa até o momento que você pisa no quarto do hotel com seu bebê. Bolsa transpassada ajuda (e muito!), roupa confortável,  um sapato que você não precise das mãos para calçar, nada de metais, acesso rápido as coisas do bebê (trocador, muda de roupa, cobertinha, paninhos, remédios…), pouca tralha nas mãos…

Além dessas dicas, ainda tem aquelas coisas básicas que lemos em todos os lugares: chupeta ou peito na hora do pouso e da decolagem, muito entretenimento para seu bebê principalmente se for um vôo diurno, entretenimento que não faça muito barulho para não incomodar os vizinhos, não ligue para os olhares atravessados se o seu bebê começar a chorar, calma e paciência…

Acredite, o vôo é muito mais tranquilo do que parece. Claro que os bebês choram. Claro que ficamos aflitos quando isso acontece. Mas passa, eles se distraem, nós acalmamos eles, eles dormem com aquele barulho gostoso e com o escurinho do avião.