Bom, em breve, nossa primeira viagem internacional com a Victoria vai acontecer e por mais que eu achei que vai ser ótimo e vai dar tudo certo, sempre bate aquela insegurança né?! Como vai ser uma viagem em familia, todos foram muito solícitos e toparam tudo para a pequenininha poder ir e para nós podermos aproveitar ao máximo as férias.

Antes de definirmos pra onde iríamos, o que íamos fazer, quanto tempo ficar… pensamos em muita coisa. Tínhamos que pensar no bem estar dela, no que fosse mais agradável pra gente e claro, naquilo que nos trouxesse o mínimo de segurança. Sem esquecer de que estávamos fazendo uma viagem em família, ou seja, o destino tinha que agradar todo mundo.

Destino: Pra decidir pra onde iríamos nessa primeira viagem, pensamos em um lugar que nos trouxesse segurança. Tanto pela língua falada, como pelas facilidades para com um bebe e também para o caso de qualquer emergência médica. Sim, sei que é meio louco pensar nisso, mas o seguro morreu de velho. Por todos esses motivos escolhermos ir para os Estados Unidos.

Conforto: Pra não baquear muito a Victoria (e para não nos deixar traumatizados) queríamos um lugar que tivesse vôo direto e noturno ou com o mínimo de escalas possíveis. Outro ponto que avaliamos muito no quesito conforto foi o fato de podermos alugar uma casa ou ter um bom hotel com estrutura bacana. A liberdade para levar nosso carrinho trambolho também pesou. Afinal, se vamos passar o dia na rua com a pequena, que ela esteja confortável num carrinho grandão e gostoso.

Clima: Pensamos muito em ir para a Europa, mas como vamos no reveillon, por lá será o auge do inverno, e acho que ela não ia curtir tanto essa temperatura nada amena. Então, resolvemos ir para os Estados Unidos mas para um lugar que não tivesse um inverno tão rigoroso.

Baby Friendly: Queríamos um destino baby friendly afinal, vai ser nossa primeira viagem verdadeira com ela, então, pra gente era importante estar em um lugar que tivesse o mínimo de estrutura para um bebê. Banheiros familiares, trocadores… Apesar da Victoria mamar exclusivamente no peito, quando fechamos a viagem ela nem tinha nascido e não sabíamos como seria isso. Por isso, essa estrutura era tão importante. Ela vai viajar com 5 meses e meio, em alguns casos o bebe já come alguma coisa, bebe suquinho e etc com essa idade. Não é o caso dela, mas poderia ser. Pensamos nisso também.

Acesso: Outra coisa que pode parecer bobeira, mas era importante pra gente: ser um lugar acessível. Você passar um dia inteiro com um bebe de colo, passeando pra cima e pra baixo. Imagina se fosse um local onde o carrinho não pudesse andar, não tivesse acesso, fosse cheio de escadas… péssimo né?! Estar de carro ou a pé era outro quesito importante. Afinal, os horários de um bebe são completamente diferentes, então, eu e o Alexandre, apesar de estarmos em uma viagem em família, queríamos ter liberdade para ir e vir quando achássemos conveniente.

Tralha: Todo mundo já sabe que um bebê pode precisar de mil e uma coisas, por isso, pensar na quantidade de tralha que você vai levar é importante. Principalmente em tempos de companhias aéreas que restringem (e até cobram) a bagagem despachada. Pense nisso na hora de decidir qual passagem comprar e qual companhia aérea escolher.

Comida: A Victoria ainda vai estar mamando no peito exclusivamente quando viajarmos, mas acho que esse é um item extra a se pensar. Quando o baby já come é sempre bom pensarmos se o lugar que vamos tem uma comida tranquila para bebes comerem, se tem supermercado perto, se tem estrutura para fazer alguma coisa… (pensei nisso para as próximas viagens!)

Repeteco: Pra essa primeira viagem pra fora do país com ela, optamos por um destino que a gente já conhece. Assim, se a gente tiver que abrir mão de uma coisa aqui ou outra ali, não vamos sentir tanto. É legal também por que vamos nos adaptando a um novo estilo de viagem pra ela e pra gente.

Ufa! Parece muita coisa né? Mas no final todo esse “excesso de cautela” é para a primeira viagem. Acho que depois, com o tempo, vamos nos acostumar e as viagens serão mais fáceis. Não que a gente não pense nessas coisas, mas acho que o pensamento vai fluir naturalmente e não será tão programado assim.

Agora é só curtir e entender, que com um novo membrinho na família o estilo e rítmo das viagens mudaram mesmo, mas não necessariamente para pior. Apenas p diferente daquilo que estávamos acostumados.

Em breve, volto aqui para falar mais sobre o assunto. Mas no próximo post, com a viagem já feita, cheia de dicas e contando mais sobre o próximos destinos. Sim, próximos no plural! Oba!!!

Não sei se já contei por aqui, mas Victoria mal nasceu e já tem sua primeira viagem internacional marcada #vicpelomundo Adoro! Vamos para os EUA no réveillon e para isso, comecei todo aquele processo de tirar passaporte, fazer cidadania, visto e etc.

Espero que ela curta ser uma pequena viajante como os pais são né… porque vai começar desde cedo! =)

O processo, no todo, foi bem mais simples do que eu esperava. Para tirar o passaporte dela foi bem tranquilo. Só precisei acessar o site da Polícia Federal e marcar a opção “Requerer Passaporte”. Nesse momento você vai preencher todas as informações necessárias e dados da criança, estar com a GRU paga (aquela taxa de R$257,25) e marcar a opção se a criança pode viajar apenas com um dos pais ou precisa dos dois juntos para realizar as viagens. Marquei “autorizando o menor a viajar com apenas um dos genitores, indistintamente”, assim ela pode ir só comigo ou só com o Alexandre sem precisar de toda aquela burocracia de autorização de viagem e etc.

Uma informação que eu não sabia é que a duração do passaporte para bebês e crianças pequenas é completamente diferente dos adultos. Até 1 ano de idade ele é válido por 1 ano, de 1 a 2 por 2 anos, 2 a 3 por 3 anos, 3 a 4 por 4 anos e acima de 5 ele já vale pelos 5 anos, como é o padrão. Ou seja: só vale tirar se você tiver uma viagem planejada mesmo.

Agora é a hora de separar a documentação e mandar ver. Você vai precisar de:

  • Certidão de nascimento original;
  • Identidade e CPF dos pais (ou passaporte);
  • Uma foto 5×7 com fundo branco, recente, colorida, sem data e sem nada que cubra o rosto do bebê (adultos têm a foto feita na hora, crianças menores de 3 anos precisam levar);
  • Protocolo e comprovante do pagamento da GRU;
  • Caso um dos pais não esteja presente no dia, uma autorização do pai ausente para a emissão do passaporte com firma reconhecida.
  • Caso já tenha feito, é importante levar o passaporte anterior.

(Foto do meu pacotinho para o passaporte | Nanda Castelo Fotografia)

É imprescindível que no dia do agendamento os pais estejam juntos com o bebê no ato da solicitação. Já para buscar o documento pronto, basta o menor de idade com um dos responsáveis.

Depois é só aguardar a emissão que costuma ser rápida (aqui no Rio leva no máximo 15 dias corridos) e buscar o documento pronto.