21
fev 2018

Montevidéu | Uruguai

A capital do Uruguai foi o nosso ponto de partida nessa viagem. A ideia era conhecer um pouquinho da cidade, passear, comer bem e relaxar. Sem pressa, sem pressão, sem correria. Queríamos curtir pela primeira vez na vida o famoso slow travel, uma novidade pra gente. Montevidéu não poderia ser o destino mais perfeito para isso. 

Apesar de ser a maior cidade do país, é uma cidade tranquila com muitos parques, lugares para passear e “ponto turísticos” muito tranquilos e agradáveis. Eu diria que é um mix de Buenos Aires com São Paulo e uma pitadinha de Rio de Janeiro por causa da orla. É uma cidade grande, mas pequena ao mesmo tempo. Tem ares de cidadão, mas aquele toque charmoso de lugares menores.

Pra quem não sabe, Montevidéu esta na lista das 30 cidades mais seguras do mundo, e é a capital do Mercosul. Hoje, tem uma população aproximada de 1,9 milhões de pessoas, metade da população total do país. Pra vocês terem uma ideia de grandeza, a cidade do Rio tem aproximadamente 6,3 milhões de pessoas e São Paulo 12 milhões. Ou seja, é suuuuper agradável passear por lá. Não tem engarrafamento, não tem multidão… uma delicia.

Como chegar

Para chegar a Montevidéu é super fácil. Várias companhias aéreas voam do Brasil pra lá. Nós fomos de Latam em um vôo de 2h30, direto do Rio. Prático, rápido e com excelente custo x benefício. A Gol e a Aerolíneas Argentinas fazem vôos com escalas para lá. Eu uso esse buscador para pesquisar as minhas passagens.

É possível chegar de ônibus e de carro também. Principalmente se você sair do Sul do Brasil. As estradas no Uruguai são boas e muito bem sinalizadas. Nós alugamos um carro para sair de Montevidéu e rodar pelo Uruguai e foi ótimo. Ah! A dica aqui é: pague o aluguel do carro com cartão de crédito (por esse site mesmo) e ganhe o desconto de 22% do IVA.

Clima/Quando ir

O clima pode ser um fator decisivo para você organizar sua viagem para o Uruguai. Os dias de clima quente, coincidem com a alta temporada (e consequentemente com os preços mais altos). A baixa temporada é no inverno, e as temperaturas podem ser bem baixas por lá.

Em Montevidéu você não vai ser muito afetado por isso mas fique atento a época se for casar sua viagem a capital com outras cidades pelo país. Punta del Este, por exemplo, fica completamente vazia no inverno. Muitos estabelecimentos fecham e você pode deixar de aproveitar o que a cidade tem a oferecer por esse motivo.

(Praia de Pocitos vista do letreiro, bem em frente ao Hyatt Centric)

Vistos e Vacinas

Como o Uruguai faz parte do Mercosul você não precisa nem do passaporte para ingressar no país, basta uma carteira de identidade recente (com 10 anos mais ou menos) e pronto. O país também não exige vistos e vacinas específicos.

Mas, como eu costumo dizer, acho super válido estar com a vacina de febre amarela em dia e levar o certificado de vacinação em todas as viagens, principalmente agora, que o Brasil está no meio de um surto.

Seguro Viagem

Para entrar no Uruguai você não é obrigado a apresentar nenhuma comprovação de que tem um seguro de viagem, como é feito na Europa. Porém, como sempre falo por aqui independente de onde você vá, na minha opinião, é imprescindível ter um seguro. É o famoso “Vai que…”. Muita gente usa o do cartão de crédito e eu já falei sobre os prós e os contras aqui.

Hoje em dia, recomendo e uso esse site aqui, que é um comparador de preços e coberturas. Já há alguns anos fecho com eles (inclusive faço os seguros da Victoria) e estou muito satisfeita. Agora, eles são parceiros do blog, então, confio ainda mais.

coisas que amamos comissão real seguros

Moeda/Câmbio

A moeda no Uruguai é o peso uruguaio. Recomendo que vocês troquem pouco dinheiro, pois, por incrível que pareça você não vai usar tanto a moeda corrente. Essa foi uma dica do concierge do nosso hotel e foi realmente uma barbada!

Vou explicar: usamos uber sempre que precisávamos nos locomover dentro da cidade, além de muito mais barato do que os taxis, o valor era cobrado direto no cartão. Nos restaurantes, pagávamos com cartão de crédito (pois você tem uma devolução de 22% dos valores gastos em restaurantes quando paga no cartão!). Trocamos apenas R$300 para 8 dias de viagem e funcionou super bem. Usamos o dinheiro em alguns poucos lugares que não aceitavam cartão, para dar gorjetas e para comprar um imã pra nossa coleção.

Mas, ainda assim, acho importante ter um pouco de dinheiro local em mãos e pra isso sugiro que você não troque no aeroporto, foi a taxa mais alta que vimos por lá. O lugar mais barato para trocar dinheiro foi em uma casa de cambio, na cidade vieja, na Praça Constituición (Plaza Matriz). Era tão mais barato que tinha ate fila na porta.

Onde ficar

Não tive muito dificuldade em escolher o lugar que ficaríamos. Com a Victoria participando da viagem, fiquei um pouco mais criteriosa com certas coisas, e o hotel é uma delas. Antes, a localização era o mais importante na decisão do hotel. Agora, além da localização valorizo muito um hotel mais moderninho, que tenha um quarto espaçoso (se possível com varanda), um bom restaurante, room service, piscina e claro, que aceite bebês e tenha alguma infra pra eles.

Dito isso, minha primeira opção em Montevidéu foi o Hyatt Centric. O hotel fica em Pocitos, um dos bairros mais bacaninhas da cidade, perto de uma rua cheia de restaurantes e bares, um shopping, de frente para o calçadão (ramblas)… Foi a escolha perfeita pra gente.

Foto da galeria desta acomodaçãoFoto da galeria desta acomodação

(Fotos do Booking, porque com a Vic a tiracolo já chegamos bagunçando tudo!)

O quarto era ótimo. Eles disponibilizaram um bercinho pra Victoria, o serviço de room service foi excelente e o hotel ainda conta com um semi-spa com uma piscina aquecida super linda e deliciosa, academia e disponibilidade para massagens. Pra completar o combo do nosso hotel ideal, eles tem um dos restaurantes mais bem falados da cidade, o Plantado e um barzinho super delicia, o Moderno.

Além do Hyatt vi como uma boa opção o Sofitel Carrasco, que apesar de ser meio distante do resto da cidade, é em um bairro bacaninha com bons restaurantes e bares por perto. Cheguei a visitar o hotel e achei bem bonito. É nele que fica o Cassino Carrasco, o maior da cidade.

Outra opção legal é o Tryp Montevideu, que fica em Punta Carretas, bairro vizinho a Pocitos que também é bem legalzinho cheio de restaurantes, bares e lojas. Inclusive o melhor shopping da cidade fica aqui.

Outras opções: Sheraton, Regency Rambla, NH Montevideu (na cidade velha) e Own.

Passamos dois dias em Montevidéu e conseguimos fazer um roteiro conciso com os principais pontos da cidade. Mas vou colocar aqui vários pontos que podem ser visitados pra quem for passar mais tempo ou quiser conhecer mais pontos quando for visitar a cidade.

  • Ciudad Vieja: concentra as principais atrações turísticas como o Palacio Salvo, Teatro Solis, Café Brasileiro, Puerta Cidadela e Mercado del Puerto. Em uma manhã você consegue passear pela região e ver todos esses pontos. Recomendo que o passeio termine no Mercado do Porto para você almoçar por lá. Lembrem-se que essa região é o centro da cidade, portanto nada funciona aos sábados depois das 13h e aos domingos. Por isso, evite visitar durante esse período.

  • Palácio Salvo: Prédio mais fotografado de Montevideo. (Pertinho tem o Hotel Radisson, que tem uma linda vista da cidade no último andar!)
  • Teatro Solis: O mais lindo teatro da cidade. Oferece visitas guiadas de segunda a domingo às 11h, 12h, 16h e 17h; aos sábados às 13h.

  • Café Brasilero: Café/lanchonete super histórico .
  • Museu Andes 1972: Museu dedicado ao avião que caiu na Cordilheira dos Andes
  • Plaza Zabala: a mais antiga e uma das mais bonitas praças da cidade.
  • Puerta Cidadela: Um portal na Plaza da Independência que é a entrada da cidade antiga.

  • Rambla: Calçadão que margeia o Rio da Prata.
  • Tristan Navaja: a feira de mil e uma coisas que acontece aos domingos.
  • Parque Rodó: Lindo parque para visitar no domingo. Ótima opção para levar crianças.
  • Mercado del Puerto: Uma das principais atrações de Montevidéu. Perfeito para almoçar. Peça uma típica parrillada

  • Farol de Punta Carretas: Local mais famosos para ver o por do sol na cidade.
  • Casino Carrasco: O cassino fica dentro do hotel Sofitel.
  • Estadio Centenário: Palco da primeira copa do mundo, realizada em 1930.
  • Letreiro de Montevidéu: Bem em frente ao Hyatt Centric.

  • Jardim Japonês e Jardim Botânico
  • Bodega Bouza: A vinícola mais próxima de Montevidéu. Fica a 40 minutos de carro e vale a visita. É linda, tem um restaurante delicioso e os vinhos são muito bons.

Infelizmente eu não consegui visitar tudo isso, mas achei que valia colocar a minha pesquisa aqui pra vocês.

Onde comer

El Palenque: O restaurante que mais gostamos no Mercado do Porto. Pelo que vimos lá (e pelas muitas indicações que recebemos) é mesmo o melhor. Chegue cedo para não pegar fila ou prepare-se para esperar um pouco. Se quiser seguir a tradição, sente-se no balcão (preferencialmente longe do forno) e peça sua parrillada seguida de panqueca de doce de leite ali mesmo.

Francis: Um restaurante mais arrumadinho que fomos. Fica em Punta Carretas e é bem famosinho. O ideal é chegar com reserva ou chegar bem cedinho, quando abre. Nós chegamos as 20h em ponto (sem reserva) e conseguimos uma mesa para nós e o carrinho da Victoria.

Plantado: O restaurante do Hyatt Centric. Jantamos uma das noites por lá e gostamos muito. O restaurante é mais moderninho e tem um cardápio bem caprichado. Se quiser, pode fazer reserva, mas quando fomos não estava muito cheio.

Garcia: Outra boa opção de carne para o almoço. Pedimos a tradicional parrillada e adoramos. A comida estava deliciosa. Ele fica em uma rua bem perto do Sofitel Carrasco. Dá pra emendar em um passeio pelo bairro.

Bodega Bouza: O restaurante da Bodega Bouza é delicioso e super vale a visita. Além da comida boa, o ambiente é super agradável. De um lado você tem vista para a vinícola e do outro lado você olha algumas parreiras de uva.

  • O uber funciona muito bem por lá. Usamos em todas as situações e valeu super a pena. Bem mais barato que o táxi e super fácil de pedir.
  • Faça o pagamento dos seus almoços e jantares com cartão de crédito para economizar os 22% da taxa de IVA (igual ao nosso ICMS) que é devolvida diretamente no seu cartão.
  • Não troque muito dinheiro por pesos uruguaios, além de usar muito o cartão, em vários lugares você consegue fazer os pagamentos em reais e dólares.
  • A cidade é uma das 30 mais seguras do mundo, mas nem por isso você vai dar bobeira. Fique sempre atento.
  • Se tiver tempo e gostar de vinho não deixe de ir a Bodega Bouza. Nós adoramos!
  • Se você está com um bebê, fique ligado pois os restaurantes não gostam que você entre com o carrinho e deixe ele aberto próximo a mesa. Eles fazem cara feia, reclamam e muitas vezes mandam fechar. Um saco!
  • Fomos no verão e a temperatura variou no mesmo dia de 16 a 29 graus, ou seja, prepare-se para essa grande variação de temperatura.
  • Achamos o valor das refeições super alto. Mesmo descontando os 22% do imposto. Então, saia do Brasil sabendo que comer por lá custa caro.
  • Os cassinos são proibidos para menores de 18 anos. Inclusive bebês de colo.

(O que é, o que é um pontinho vermelho na frente do letreiro?! É a Vic! <3)

Se quiserem saber mais sobre  a minha viagem pelo país:
– Leia aqui sobre Colonia del Sacramento+
– Leia aqui sobre Carmelo e Carmelo Resort and Spa – A Hyatt Hotel.

Viajamos no Carnaval de 2018.

Prontinho! Acho que agora vocês estão munidos de informações e dicas para fazer seu passeio pela capital do Uruguai.

Acompanhem minhas viagens em tempo real pelo instagram @coisasqueamamos 
E curtam a nossa página no Facebook!

Bom, em breve, nossa primeira viagem internacional com a Victoria vai acontecer e por mais que eu achei que vai ser ótimo e vai dar tudo certo, sempre bate aquela insegurança né?! Como vai ser uma viagem em familia, todos foram muito solícitos e toparam tudo para a pequenininha poder ir e para nós podermos aproveitar ao máximo as férias.

Antes de definirmos pra onde iríamos, o que íamos fazer, quanto tempo ficar… pensamos em muita coisa. Tínhamos que pensar no bem estar dela, no que fosse mais agradável pra gente e claro, naquilo que nos trouxesse o mínimo de segurança. Sem esquecer de que estávamos fazendo uma viagem em família, ou seja, o destino tinha que agradar todo mundo.

Destino: Pra decidir pra onde iríamos nessa primeira viagem, pensamos em um lugar que nos trouxesse segurança. Tanto pela língua falada, como pelas facilidades para com um bebe e também para o caso de qualquer emergência médica. Sim, sei que é meio louco pensar nisso, mas o seguro morreu de velho. Por todos esses motivos escolhermos ir para os Estados Unidos.

Conforto: Pra não baquear muito a Victoria (e para não nos deixar traumatizados) queríamos um lugar que tivesse vôo direto e noturno ou com o mínimo de escalas possíveis. Outro ponto que avaliamos muito no quesito conforto foi o fato de podermos alugar uma casa ou ter um bom hotel com estrutura bacana. A liberdade para levar nosso carrinho trambolho também pesou. Afinal, se vamos passar o dia na rua com a pequena, que ela esteja confortável num carrinho grandão e gostoso.

Clima: Pensamos muito em ir para a Europa, mas como vamos no reveillon, por lá será o auge do inverno, e acho que ela não ia curtir tanto essa temperatura nada amena. Então, resolvemos ir para os Estados Unidos mas para um lugar que não tivesse um inverno tão rigoroso.

Baby Friendly: Queríamos um destino baby friendly afinal, vai ser nossa primeira viagem verdadeira com ela, então, pra gente era importante estar em um lugar que tivesse o mínimo de estrutura para um bebê. Banheiros familiares, trocadores… Apesar da Victoria mamar exclusivamente no peito, quando fechamos a viagem ela nem tinha nascido e não sabíamos como seria isso. Por isso, essa estrutura era tão importante. Ela vai viajar com 5 meses e meio, em alguns casos o bebe já come alguma coisa, bebe suquinho e etc com essa idade. Não é o caso dela, mas poderia ser. Pensamos nisso também.

Acesso: Outra coisa que pode parecer bobeira, mas era importante pra gente: ser um lugar acessível. Você passar um dia inteiro com um bebe de colo, passeando pra cima e pra baixo. Imagina se fosse um local onde o carrinho não pudesse andar, não tivesse acesso, fosse cheio de escadas… péssimo né?! Estar de carro ou a pé era outro quesito importante. Afinal, os horários de um bebe são completamente diferentes, então, eu e o Alexandre, apesar de estarmos em uma viagem em família, queríamos ter liberdade para ir e vir quando achássemos conveniente.

Tralha: Todo mundo já sabe que um bebê pode precisar de mil e uma coisas, por isso, pensar na quantidade de tralha que você vai levar é importante. Principalmente em tempos de companhias aéreas que restringem (e até cobram) a bagagem despachada. Pense nisso na hora de decidir qual passagem comprar e qual companhia aérea escolher.

Comida: A Victoria ainda vai estar mamando no peito exclusivamente quando viajarmos, mas acho que esse é um item extra a se pensar. Quando o baby já come é sempre bom pensarmos se o lugar que vamos tem uma comida tranquila para bebes comerem, se tem supermercado perto, se tem estrutura para fazer alguma coisa… (pensei nisso para as próximas viagens!)

Repeteco: Pra essa primeira viagem pra fora do país com ela, optamos por um destino que a gente já conhece. Assim, se a gente tiver que abrir mão de uma coisa aqui ou outra ali, não vamos sentir tanto. É legal também por que vamos nos adaptando a um novo estilo de viagem pra ela e pra gente.

Ufa! Parece muita coisa né? Mas no final todo esse “excesso de cautela” é para a primeira viagem. Acho que depois, com o tempo, vamos nos acostumar e as viagens serão mais fáceis. Não que a gente não pense nessas coisas, mas acho que o pensamento vai fluir naturalmente e não será tão programado assim.

Agora é só curtir e entender, que com um novo membrinho na família o estilo e rítmo das viagens mudaram mesmo, mas não necessariamente para pior. Apenas p diferente daquilo que estávamos acostumados.

Em breve, volto aqui para falar mais sobre o assunto. Mas no próximo post, com a viagem já feita, cheia de dicas e contando mais sobre o próximos destinos. Sim, próximos no plural! Oba!!!

Não sei se já contei por aqui, mas Victoria mal nasceu e já tem sua primeira viagem internacional marcada #vicpelomundo Adoro! Vamos para os EUA no réveillon e para isso, comecei todo aquele processo de tirar passaporte, fazer cidadania, visto e etc.

Espero que ela curta ser uma pequena viajante como os pais são né… porque vai começar desde cedo! =)

O processo, no todo, foi bem mais simples do que eu esperava. Para tirar o passaporte dela foi bem tranquilo. Só precisei acessar o site da Polícia Federal e marcar a opção “Requerer Passaporte”. Nesse momento você vai preencher todas as informações necessárias e dados da criança, estar com a GRU paga (aquela taxa de R$257,25) e marcar a opção se a criança pode viajar apenas com um dos pais ou precisa dos dois juntos para realizar as viagens. Marquei “autorizando o menor a viajar com apenas um dos genitores, indistintamente”, assim ela pode ir só comigo ou só com o Alexandre sem precisar de toda aquela burocracia de autorização de viagem e etc.

Uma informação que eu não sabia é que a duração do passaporte para bebês e crianças pequenas é completamente diferente dos adultos. Até 1 ano de idade ele é válido por 1 ano, de 1 a 2 por 2 anos, 2 a 3 por 3 anos, 3 a 4 por 4 anos e acima de 5 ele já vale pelos 5 anos, como é o padrão. Ou seja: só vale tirar se você tiver uma viagem planejada mesmo.

Agora é a hora de separar a documentação e mandar ver. Você vai precisar de:

  • Certidão de nascimento original;
  • Identidade e CPF dos pais (ou passaporte);
  • Uma foto 5×7 com fundo branco, recente, colorida, sem data e sem nada que cubra o rosto do bebê (adultos têm a foto feita na hora, crianças menores de 3 anos precisam levar);
  • Protocolo e comprovante do pagamento da GRU;
  • Caso um dos pais não esteja presente no dia, uma autorização do pai ausente para a emissão do passaporte com firma reconhecida.
  • Caso já tenha feito, é importante levar o passaporte anterior.

(Foto do meu pacotinho para o passaporte | Nanda Castelo Fotografia)

É imprescindível que no dia do agendamento os pais estejam juntos com o bebê no ato da solicitação. Já para buscar o documento pronto, basta o menor de idade com um dos responsáveis.

Depois é só aguardar a emissão que costuma ser rápida (aqui no Rio leva no máximo 15 dias corridos) e buscar o documento pronto.