Esse fim de semana resolvi fazer um programa diferente e ir conhecer a Ilha da Gigóia. Pra quem não é do Rio, essa é uma pequena ilha que fica no Canal da Barra da Tijuca. Hoje, moram aproximadamente 3 mil pessoas na ilha, que pode ser percorrida em uma caminhada de mais ou menos 25 minutos.

Pra chegar na Ilha é necessário fazer uma travessia de balsa (R$2/pessoa). Os barcos partem de um pequeno pier em uma ruela entre o prédio da Unimed e o posto Shell (na Avenida Armando Lombardi), no início da Barra da Tijuca. Quem for de metrô pode descer na estação Jardim Oceânico e atravessar a rua para chegar ao pier. (A dica aqui é estacionar o carro no shopping Barra Point!)

Se você quiser que o barqueiro te leve a algum outro ponto da Ilha da Gigoia ou da Ilha Primeira (que é logo depois) você precisa falar com ele para ele te informar o valor da “corrida” e te deixar no pier mais próximo. Foi o que fizemos. Pedimos para o barqueiro nos levar até o Bar do Cícero que era nossa escolha para o almoço.

Chegamos cedo por lá pois o restaurante costuma lotar. Pegamos uma mesa na beira da água e começamos a curtir o programa. Pedimos uma porção de pastel de camarão, que estava divino. Terminamos com uma moqueca de peixe que também estava deliciosa. O prato é bem farto e servia 3 pessoas tranquilamente. Achei o Bar do Cícero com excelente custo x benefício. Inclusive é uma boa opção para quem quer comer um bom prato de frutos do mar sem gastar muito.

Lá na Ilha da Gigoia você ainda encontra outras opções bem conhecidas de restaurantes como o Laguna, o Venne e o Bistrô Gigoia. O ideal é sempre chegar cedo ou ligar para fazer reserva e garantir seu lugar.

Quem quiser um final de semana off e bem fora do tradicional, pode se hospedar por lá. A ilha oferece algumas opções de hospedagem bacaninhas pros hospedes relaxarem e descansarem fugindo do padrão: Pousada da Gigóia, Pousada Ilha Maravilha, Pousada Oásis do Barral, Pousada Barra Eco BoutiquePousadinha da Barra.

O local não oferece grandes atrativos além de relaxar e passear meio sem rumo pelas ruelas. Mas quem quiser, pode negociar com o barqueiro um passeio pelas ilhas do entorno. Esse programa custa em geral R$20/pessoa e leva aproximadamente uns 40 minutos. Dependendo do percurso você consegue ver diversas aves e até jacarés.

O programa é super legal para fazer com família, amigos e claro, com crianças e bebês. Nós fomos com o nosso carrinho que fechar pequenininho e foi super tranquilo. A Vic aproveitou muito e adorou o passeio de balsa.

No último final de semana tive a oportunidade de, finalmente, conhecer o AquaRio – o Aquário Marinho do Rio, inaugurado em novembro de 2016. Eu estava muito animada desde o dia em que visitamos o aquário de Toronto e a Victoria ficou enlouquecida com o programa. Então, não pensei duas vezes em prestigiar, na minha cidade, o mesmo tipo de entretenimento pra ela.

Com 26 mil m² de área construída e 4,5 milhões de litros de água salgada (o mesmo que duas piscinas olímpicas de água), o AquaRio é, hoje, o maior Aquário Marinho da América do Sul e tem 8 mil animais de 350 espécies diferentes em exposição. São ao todo 28 tanques, sendo três deles, de toque para que os visitantes possam interagir com os animais.Compramos os ingressos pela internet e essa já é uma boa dica. Comprando antecipado na internet você paga mais barato (no site tem vários descontos como parcerias com bancos, descontos para moradores do Rio…) e não precisa entrar em nenhuma fila para trocar. É só apresentar o ingressos no celular e pronto.

Logo no lobby do prédio que antes abrigou o Frigorífico do Rio de Janeiro, fica uma ossada de uma baleia jubarte, encalhada na Praia da Macumba em 2014. O “esqueleto” tem 13 metros de comprimento e 47 toneladas e fica pendurado no teto de pé direito altíssimo.

O passeio começa pelo terceiro andar do prédio e logo de cara você se depara com animais mais “perigosos” como arraias, peixe elétrico, moreias, águas vivas e etc. Em seguida passa pelo tanque do Nemo (um dos mais disputados do passeio), caranguejos, lagostas, peixes coloridos e outros animais menos assustadores.

Todos os corredores são bem escuros para destacar ainda mais os tanques e os animais que habitam ali. Portanto, se você vai com o seu pequeno, vale explicar isso antes de entrar para que ele não se assuste. Vimos algumas crianças com medo dos corredores e outras com medo dos bichos “sairem” do aquário…

O grande destaque do passeio, ma minha opinião, é o Tanque Oceânico, o maior de todos. Você começa vendo ele de cima e tem até uma arquibancada para você sentar e ficar ali admirando os tubarões, arraias e peixes variados que passam pra lá e pra cá.

(DICA: As primeiras “janelas” desse tanque ficam suuuuper disputadas porque as pessoas chegam e não sabem que o tanque é imenso e continua. Por isso, recomendo que você ande até a ultima janela, ela está sempre vazia e você vai conseguir curtir muito mais a experiência sem milhares de pessoas te empurrando em volta.)

É dentro desse aquário que fica o “tunel de vidro”. Você anda por ele como se estivesse no meio dos animais. É super interessante (e super lotado também). Se quiser uma boa foto, tenha paciência e fique ai algum tempo esperando esvaziar.

E quando você pensa que acabou, chegam os tanques de toque. Sem dúvidas, uma das experiências que as crianças maiores mais amam. Acabamos não indo em nenhum pois as filas estavam enormes, mas vimos que tinham pequenas arraias, ouriços e estrelas do mar. Só fique atento ao horário de funcionamento, pois esses tanques tem horário diferenciado para que os animais não se estressem.

Não preciso nem dizer que as crianças amaram, né? Elas são bem pequenas mas mesmo assim conseguiram aproveitar e curtiram muito o programa. No geral eu achei tudo bem organizado e arrumado, mas fomos em um dia que estava muito cheio. Talvez em algum dia de semana seja melhor.

Pra quem conhece outros aquários mundo afora, talvez não ache esse grandes coisas, mas pessoalmente o programa super válido para levar as crianças. E quero muito repetir o passeio com a Vic daqui a 1 ano mais ou menos e de repente fazer alguma outra experiência como a Visita aos Bastidores, e no futuro quem sabe ela se anima para fazer a experiência de dormir no aquário.

COMO CHEGAR

O local tem estacionamento (sujeito a disponibilidade) para quem estiver de carro. As tarifas variam de preço para o período de 4h: Visitantes Associados do AquaRio: R$25,00* – A cada 30min. adicionais + R$5,00 | Visitantes com Ingressos do AquaRio: R$38,00* – A cada 30min. adicionais + R$10,00 | Rotativos comuns: R$70,00 – A cada 30min. adicionais + R$10,00. A entrada do estacionamento é pela via de serviço ao lado da praça Muhammad Ali, logo após saída do túnel 450 anos, no Porto Maravilha.

Pessoalmente acho interessante ir de VLT e combinar esse passeio com outros programas na região. Embarque na linha 1, sentido Rodoviária/Praia Formosa e desça na estação Utopia/AquaRio. Você pode estacionar seu carro na Marina da Gloria ou no Santos Dumond, pegar o VLT e ir até lá passeando, parando nos museus e nos murais do Kobra.

SERVIÇO E PREÇOS

O AquaRio fica na Praça Muhammed Ali, na Gamboa, Centro do Rio.
Funciona todos os dias das 10h às 18h, com a última entrada às 17h.

Recomendo comprar os ingressos, com antecedência pelo site oficial.
As tarifas (em setembro de 2018) são:

  • Tarifa normal: R$100
  • Brasileiros e cidadãos do Mercosul: R$80 (mediante comprovação com documento)
  • Cariocas: R$60 (mediante comprovante de residência)
  • Idosos e Estudantes: R$50 (mediante comprovação)
  • Crianças de 3 a 11 anos: R$50 (mediante comprovação)
  • Bebê até 3 anos: Não pagam

Visitamos o AquáRio em agosto de 2018. Victoria tinha 13 meses.

14
maio 2018

Yummy Tip: Mauá

Outro dia contei lá no instagram sobre um passeio que fiz ao Centro do Rio. Visitamos o MAR, o Museu do Amanhã, a região revitalizada do porto e foi super interessante. Victoria adorou e nós também.

Já que o programa era de dia inteiro optamos por almoçar no Mauá, o restaurante brasileiríssimo que fica no terraço do Museu de Arte do Rio (MAR). Não podíamos ter escolhido melhor. Além da vista deliciosa o restaurante nos agraciou com um almoço dos deuses.

Optamos por sentar em uma mesa na área externa com vista para o Museu do Amanhã, mas o espaço oferece uma área fechada com vidro e ar condicionado. Ótima opção para os dias mais quentes.

Começamos com um pastelzinho de queijo da canastra com cebola caramelizada. Estava gostoso, mas eles tem entradas melhores. Não foi a melhor pedida. Para o prato principal pedimos uma moqueca com arroz e banana que estava divina e o prato mais famoso da casa, o mignon de sol com banana e farofa, que foi de comer rezando. Pessoalmente eu gostei mais da carne, mas os dois pratos estavam excelentes.

Para encerrar a orgia gastronômica pedimos uma goiabada com sorvete de queijo de cair o queixo. Tão gostosa que podia ter comido duas vezes.

Como contei, estávamos com a Victoria (9 meses). Foi super tranquilo ir com ela. Sentamos em uma mesa para 4 pessoas e tiramos uma das cadeiras para acomodar o carrinho. Funcionou super bem. O local não tem banheiro com trocador, mas o museu tem e você pode usar.

No geral achei o restaurante excelente. Recomendo muito a visita para quem está pela região e quer comer bem e com uma vista linda da cidade. Os pratos não são muito baratos, mas ainda assim vale a pena. Acho que o custo x benefício do programa como um todo valeu muito.

Serviço:
Restaurante Mauá
Praça Mauá, 5º, 6º piso (Museu de Arte do Rio) – Centro
Tel .: (21) 3031-2819
Horário de Funcionamento: de segunda a domingo das 12h às 18h
www.restaurantemaua.com.br

Antes de engravidar estava dedicando meu tempo a fazer trilhas e caminhadas nos finais de semana. Frequentemente coloco no snapchat (@coisaqueamamos) e no instagram um pouquinho dessas minhas “aventuras”. Hoje, resolvi compartilhar com vocês todas que eu já fiz e o que achei de cada uma delas. Isso pode ajudar vocês a decidir qual a próxima trilha a ser feita, e quais vocês vão evitar.

A minha ideia é contar um pouquinho da minha experiência e do tempo que eu levei fazendo as trilhas. Lembrando que eu tenho problema no joelho, ou seja, sou mais lenta que o normal e diria que sou quase sedentária. Portanto, se você é um super atleta, seu tempo vai ser bem mais rápido que o meu e você vai tirar de letra.

  • Morro da Urca

A trilha é tranquila. Não é hiper exaustiva e é super segura. Ela começa na Pista Claudio Coutinho, na Urca. O local fica cheio por conta do Pão de Açúcar e isso pode ser um dificultador para quem for de carro e chegar tarde.
Nível de Dificuldade: Fácil
Tempo: 35 minutos
Segurança: Grande
Vista: Muito boa

  • Parque da Catacumba

Essa trilha que fica na Lagoa foi uma super novidade para mim. Não sabia nem que ela existia e adorei conhecê-la. Como ela fica na Zona Sul é super de fácil acesso e é uma trilha bem tranquila para levar crianças, principalmente, porque no Parque em si, tem muita atividade para elas como arvorismo e tiroleza.
Nível de Dificuldade: Super Fácil
Tempo: 20 minutos
Segurança: Grande
Vista: Boa

  • Pedra Bonita

Essa é uma das trilhas mais famosas do Rio. Digo isso pois é uma das primeiras que todo mundo faz. Ela é tranquila, de fácil acesso e com uma vista linda. Não é legal para levar as crianças. Lá em cima é só uma pedra e não me parece muito seguro para os pequenos. Cheguem cedo para conseguir parar o carro com facilidade (ou na subida da trilha) ou no estacionamento que fica um pouco abaixo. O exercício já começa ai.
Nível de Dificuldade: Fácil
Tempo: 50 minutos
Segurança: Média/Grande
Vista: Muito boa

  • Parnaso

Mas quem pensa que só no Rio tem boas trilhas, está super enganado. Em Teresópolis você pode ir ao Parque Nacional da Serra dos Órgãos. Por lá, você encontra diversas trilhas para todos os níveis de visitante. Contei mais detalhes sobre essa trilha aqui. Só pra resumir, como lá em um Parque Nacional, você encontra diversas trilhas, de tamanhos e dificuldades diferentes.
Nivel de Dificuldade: Fácil, médio e difícil.
Tempo: Depende da trilha que você vai escolher.
Segurança: Grande
Vista: Boa

Vou passar um tempo sem fazer novas trilhas, mas assim que a Victoria nascer vou voltar a ativa e vou atualizando esse post ou fazer novos posts com as trilhas que eu fizer pela frente.

As próximas trilhas na minha lista são: Corcovado, Pedra do Telégrafo e Vidigal. São as que eu tenho mais vontade de fazer e acho que terão belas vistas e muitas fotos legais!

Se vocês tiverem sugestões de trilhas, dicas ou ideias, deixem aqui nos comentários que assim que eu puder voltar a ativa, vou procurar as novidades.