Quando comecei a montar minha viagem pelo Reino Unido eu tinha algumas especificidades que fazia questão de seguir e alguns lugares que não queria abrir mão de visitar. Então, pra começar a programa a viagem basicamente eu tive que “marcar no mapa” os lugares que eu queria ir e tentar traçar uma rota.

Baseei meu roteiro na viagem que um casal de amigos tinha feito alguns meses antes (Thanks Gus e Dani!) e fui adequando os locais, atrações e restrições que eu queria e tinha. Como estava grávida de 19 semanas, tive que maneirar na quantidade de paradas e na velocidade da viagem. Mas honestamente, acho que isso não interferiu em quase nada no roteiro.

Viajamos em fevereiro e era inverno, por isso, tivemos que adequar nosso roteiro as condições climáticas também. Por sorte pegamos dias maravilhosos, de céu azul, muito sol e temperaturas super toleráveis (considerando a estação do ano!)

Incluímos Londres pois conhecíamos pouco a cidade, e aproveitamos para colocar algumas cidades do interior da Inglaterra, além da Escócia e da Irlanda (que foi apenas Dublin, pela falta de tempo). No final o meu roteiro ficou assim:

Dia 1: Londres (Hotel: The Z Hotel Gloucester Place)
Dia 2: Londres
Dia 3: Londres
Dia 4: Londres – Winchester (Hotel: Mercure Winchester Essex Hotel)
Dia 5: Winchester – Stonehenge – Bath
Dia 6: Bath (Hotel: Hilton Bath City)
Dia 7: Bath – York
Dia 8: York (Hotel: Indigo Hotel)
Dia 9: York – Edimburgo
Dia 10: Edimburgo (Hotel: The Scotsman)
Dia 11: Edimburgo – Inverness
Dia 12: Inverness (Hotel: The Bunchrew House)
Dia 13: Inverness – Skye – Glasgow
Dia 14: Glasgow – Dublin
Dia 15: Dublin (Hotel: Temple Bar Hotel)
Dia 16: Dublin – Rio

O que levar em consideração na hora de montar o seu roteiro:

Acho que você tem que pensar em algumas coisas na hora que está preparando a sua viagem pelo Reino Unido.

  • Que tipo de viajante você é? Topa pular de cidade em cidade, prefere ficar muito ou pouco tempo em cada lugar? Gosta de viajar de carro ou prefere trem/avião?
  • Vai viajar no inverno? Topa pegar muito frio? Vai no verão? Faz questão de praia?
  • Tem alguma cidade especifica que queira visitar? Pesquisou alguma coisa sobre a região que pretende conhecer? Topa fazer um “roteiro copiado” de outra pessoa? Prefere montar o seu exatamente como você quer?

Se você pensa em tudo isso, as chances da sua viagem ser um sucesso são enormes. Você monta de acordo com o seu estilo de ser, com os seus gostos, com o seu budget…

Como contei nesse post aqui, fizemos a viagem toda de carro e foi bem tranquilo. Só pegamos o avião para ir de Glasgow para Dublin. Apesar de todo o percurso ter sido feito na mão inglesa, as estradas são bem sinalizadas, o GPS funciona super bem e com calma e tranquilidade você aprende a dirigir na “mão errada” numa boa.

Abaixo coloquei os links para os posts completos de todas as cidades que eu visitei, assim vocês podem ter uma noção melhor do que ver em cada local, como chegar, highlights…Pessoalmente achei esse roteiro bem completo. Pra ficar perfeito, só acrescentaria um ou dois dias extras para visitar Skye na Escócia, um lugar que passamos rápido e nos deixou encantados.

Post completo sobre Winchester, clique aqui.
Post completo sobre Bath, clique aqui.
Post completo sobre York, clique aqui.
Post completo sobre Stonehenge, clique aqui.
Post completo sobre Edimburgo, clique aqui.
Post completo sobre Inverness, clique aqui.
Post completo sobre Dublin, clique aqui.
Post completo sobre viajar de carro no Reino Unido, clique aqui.
Video sobre a viagem pelo interior da Inglaterra, clique aqui.

Ah! Lembrem-se que para entrar na Europa é obrigatório ter um seguro viagem no valor minimo de 30 mil euros. Recomendo o comparador de preços e seguros da Real. É onde eu sempre faço e nunca tive problemas.

Se tiverem dúvidas ou quiserem mais informações é só perguntar aqui nos comentários que eu respondo tudo!

comissão booking hotel minicomissão real seguro minicomissão rentcars carro mini

 

 

 

Obaaaaaa! Mais um video da minha última viagem pela Europa. No CqA TV de hoje, mostrei um pouquinho do nosso roteiro pela Inglaterra. Como contei aqui no blog, passei por Londres, Winchester, Stonehenge, Bath e York, e mostrei isso em vídeo para vocês!

Curtiram? Ficaram com água na boca e querendo conhecer todas essas cidades? Essa era a intenção do video. As dicas do que fazer, como chegar, onde ficar e etc vocês encontram nos posts de cada uma das cidades que visitei.

Não se esqueçam de curtir o canal (clicando aqui) e ficar por dentro de todas as novidades que estamos postando semanalmente por lá. Cliquem no sininho para receber o alerta sempre que tiver novas postagens por lá! =)

Assim que saí de Londres, pegamos o carro e caímos na estrada. Nossa primeira parada foi na cidadezinha de Winchester, no interior do país. Sabíamos que era uma cidade pequena, porém cheia de histórias para contar, então, não pensamos duas vezes na hora de incluí-la no nosso roteiro.

A cidade

Winchester é uma cidade no sul da Inglaterra, capital do condado de Hampshire, com uma população de aproximadamente 35 mil habitantes. Winchester, no passado, foi capital da Inglaterra. Se desenvolveu a partir da cidade romana de Venta Belgarum. O maior ponto de referência da cidade é a Catedral de Winchester, uma das maiores catedrais da Europa, com distinção de ter a extensão mais longa e geral de todas as catedrais góticas da Europa. A cidade é também lar da Universidade de Winchester e a famosa escola pública, Winchester College.

O interesse arquitetônico e histórico da cidade, e suas ligações rápidas com outras cidades, levaram Winchester a se tornar uma das áreas mais caras e desejadas do país. Fonte: Wikipedia.

Como chegar

Chegar em Winchester é bem fácil. De carro, saindo de Londres, você chega em 1h30 sem trânsito, numa estrada ótima. Como contei no post sobre como é dirigir no Reino Unido, alugamos o carro na RentCars,

Se você quiser ir de trem, é bem tranquilo também. Na estação de Waterloo, em Londres, saem trens várias vezes por dia para lá. O trajeto leva aproximadamente uma hora e te deixa bem pertinho do bafafá da cidade. De lá é só caminhar e conhecer tudo.

Onde ficar

Nós passamos apenas uma noite, então, fizemos questão de ficar em um hotel super bem localizado na cidade para poder ir e vir com facilidade e conhecer o máximo possível a pé.

Nos hospedamos no Mercure Winchester Wessex Hotel. A localização é perfeita. Ele fica coladinho na Catedral e bem perto de tudo. Uma outra vantagem que vimos nesse hotel era o fato dele ter estacionamento, um ponto positivo pra quem vai de carro. O quarto que ficamos era bem pequeno, mas não chegou a ser um problema pra gente. Vocês podem optar por um quarto superior com vista para a catedral, deve ser bem lindo. O café da manhã, incluído na diária, é muito gostoso e farto. Sem falar na vista da hora do café… linda!

Quando estava escolhendo onde ficar, recebi outras boas indicações de hotéis por lá. Algumas opções mais luxuosas e confortáveis, com preços variados, mas todas com excelente localização. Dos que eu vi por lá, os que eu mais gostei foram: Hotel Du Vin e Winchester Hotel & Spa.

Além desses, recebi ótimas indicações também do Winchester Royal Hotel e do Nº 5 Street. Vale você dar uma pesquisada e ver qual atende melhor seu gosto, bolso e estilo.

O que fazer/Quanto tempo ficar

Passei meio dia em Winchester e conheci conhecer bem a cidade, mas recomendo que você passe um dia inteiro para ver tudo com mais calma e para conseguir aproveitar bem.

Sem dúvidas, só consegui conhecer bem a cidade pois com a ajuda do Winchester City Council, eu agendei um guia para nos levar para passear nessa tarde que tivemos por lá. Aliás, fica ai uma dica super bacana para quem quiser conhecer melhor a cidade. Amamos o guia e foi super legal ver os lugares e saber mais da história com ele.

Steve Heath
steve.heath@entadic.co.uk
078 3322 8425

Como tínhamos pouco tempo, o Steve fez um apanhadão da cidade alta e da cidade baixa com a gente em 3h30, que era mais ou menos o tempo que tínhamos disponível antes de escurecer. Foi super legal e valeu cada minuto. Recomendo muito.

  • Catedral de Winchester: É uma das maiores catedrais da Inglaterra. Ela começou a ser construída no século XI, quando Winchester era a capital de Inglaterra, e só terminaram no século XVI. A sua base foi um mosteiro fundado por monges beneditinos em 642. Ela tem um lugar de destaque na história de Inglaterra, pois foi o local de eventos importantes como, por exemplo, a coroação de Eduardo o Confessor ou o casamento de Maria I de Inglaterra com Filipe II de Espanha. É na catedral de Winchester que você encontra o túmulo de Jane Austin. A catedral funciona todos os dias das 9h30 às 17h e você precisa pagar uma entrada no valor de £7.95. Aos domingos, ela funciona de 12h30 às 15h. Para saber mais e planejar sua visita veja o site da catedral aqui.

  • Jane Austin House: A casinha amarela na College Street é famosa por ser o local onde Jane Austin passou os últimos dias de vida. Ela não está aberta para visitação, mas vale dar uma passadinha por ali para conhecer o local.

  • Wolvesey Castle: Como era inverno, não pudemos entrar no Castelo de Wolvesey. Ele funciona apenas no verão pois é quando a cidade recebe mais visitantes. Não espere chegar lá e dar de cara com um castelo, hoje, só existem as ruínas do que um dia foi o castelo. Ele foi erguido no início do século 12, mas durante a guerra civil de 1646 foi destruído. Entrada gratuita.
  • High Street: É uma das principais ruas da cidade. Liga a parte alta, a parte baixa. Lá você encontra comércio, lojinhas, restaurantes, mercados… Achei uma delicia passear por ali, entrar e sair das lojas e tomar um cafézinho vendo as pessoas passarem.

  • Westgate: Fomos subindo a High Steet até chegar ao Westgate, um dos cinco portões originais da cidade, que ainda existe, e hoje é um museu. A dica aqui é: suba até o rooftop para ter uma vista privilegiada da cidade, e tirar uma boa foto da High Street.
  • Kingsgate: Esse portão é um bônus, que vale ser visitado. Ele fica próximo a Catedral, portanto, inclua ele no seu passeio quando estiver por lá. Junto com o Westgate, eles são os únicos que sobraram na cidade. Ele tem um diferencial que é a igreja de São Swithun-upon-Kingsgate, que fica no alto do portão. Se tiver a oportunidade, visite a mini-igreja gratuitamente para ver como ela é diferente.

  • Great Hall: Era, na minha opinião, o ponto alto da cidade. Eu estava animadíssima para conhecer por um único motivo: é lá que fica a famosa Távola Redonda do Rei Arthur. Não se sabe se de fato a história é verdade, nem tampouco se a mesa é original, porém, a gente é turista e torce para que seja né? Afinal, quão legal é dizer que você ficou cara a cara com a famosa Távola Redonda do Rei Arthur? Mas antes disso, vale explicar que o Great Hall, nada mais é do que o que sobrou do Castelo de Winchester. A visita vale também para você admirar a arquitetura do local, que é linda. Uma dica legal é: atrás do pequeno jardim do Great Hall tem uma escadinha que leva a alguns prédios, que hoje são residenciais. Vá até ali tirar umas fotos e ver como era o castelo antigamente. A ideia, era fazê-lo bem parecido com o Castelo de Versalhes na França.

Onde comer

Acreditem, acho que foi em Winchester que comi as melhores refeições da minha viagem pela Inglaterra, então, faço questão de recomendar dois lugares que eu comi e amei, e alguns outros que me indicaram e que pareciam ser ótimos também.

The Wykeham Arms: É um pub super tradicional da cidade. Inaugurado no século 16, e mantido da forma original desde então. Ele possui vários ambientes e uma comida deliciosa. No almoço eles oferecem um menu diferenciado, com preço mais acessível. Vale muito a pena. Se for final de semana ou alguma data comemorativa na cidade, faça reserva. Mesmo para almoço.

The Chesil Rectory: Outro lugar muito legal, que vale a visita. Fomos jantar lá e a comida estava divina. O ambiente também é muito legal. Faça reserva para garantir a sua mesa.

Outro lugar que todo mundo nos recomendou mas infelizmente não conseguimos ir foi o The Black Rat. É um pub/restaurante com comida delicia e estrelas Michelin. Chegamos a ir na porta, mas como era uma segunda feira, as 21h30 já estava fechado. Apesar de não ter ido, cheguei a entrar e adiando que achei o ambiente do Chesil Rectory melhor. Portanto, minha dica é: coma no Chesil e tome uns drinks no Black Rat.

Adorei a visita a Winchester e acho que você pode sim incluir a cidade no seu roteiro. Ela é cheia de história, de lugares lindos, de bons restaurantes e, na época de Natal, ainda acontece por lá uma das feirinhas natalinas mais famosas da Inglaterra. Nada mal, né?!

Se você quiser saber mais sobre a cidade, sua atrações, restaurantes… não deixe de visitar o site Visit Winchester. Lá você encontra várias outras informações que pode precisar para fazer uma visita super completa na cidade! Ah! Se já quiser ir curtindo o clima da cidade, pode seguir eles no instagram @kingalfwinchester!

 

Special thanks to Steve and Winchester City Council for all their support and for helping us organize the perfect time in Winchester.

Se tem uma coisa muito bacana em ir a Europa é poder estar em outras cidades e países num instante e gastando (em geral) bem pouco. Companhias aéras de custo baixo, ônibus e trens estão a disposição dos turistas para fazê-los chegar aonde quiserem. E comigo, não seria diferente. Queria experimentar uma nova “sensação” durante a viagem, então, resolvi passar um dia em Londres. Mas o que em Londres me faria sentir essa nova sensação? A viagem de trem e as poucas horas que eu teria na cidade. Alguns bons 2 meses antes da viagem comprei minha passagem de Eurostar e no dia 02 de janeiro embarquei de trem para passar algumas horas em Londres.

Amei a experiência. E aviso desde já, cheguem com antecedência para embarcar no trem. A imigração demora, a fila é grande e lá dentro tem freeshop! hahahaha 2h depois do embarque cheguei a Londres já correndo para embarcar no meu passeio na London Eye e River Experience (passeio de 1h de barco pelo Tâmisa). O legal desse pacote é que muita coisa em Londres fica na beira do Rio, então pra quem tem pouco tempo na cidade, dá pra ver super por alto tudo que fica na beira do rio. Depois disso e da fila enooorme para entrar na roda gigante (apesar do ticket comprado com antecedência de 2 meses ter hora marcada), fui almoçar e dar uma volta pela região do Parlamento e Big Ben a pé mesmo. Uma área linda da cidade.

Como no inverno o sol se põe super cedo por lá, 16h30 da tarde já estava de noite, sendo assim, quando eu cheguei ao Palácio de Buckingham já era noite e não deu pra fotografar tão bem a grandiosidade do local. Me arrependi de não ter pego um daquele ônibus de turismo que passam por vários hot spots e você pode descer e subir aonde quiser e a hora que quiser, sabem? Acho que valeria a pena pra aproveitar melhor meu pouco tempo. #ficaadica

Mas foi de metrô que cheguei em em Picadilly Circus e Oxford Street, onde encontrei vááárias lojas super bacanas, inclusive a tão falada Selfridges e a Primark de coisas baratinhas. Pra quem quer comprar produtinhos de beleza, por lá é possível encontrar as famosas farmácias Boots também. Ou seja, deixei para fazer umas comprinhas nos ultimos segundos antes de voltar. O bacana dessa viagem é o gostinho de “quero muito mais” que fica, e andar de trem bala atravessando o Canal da Mancha também é ótimo!

  • Onde comer?

Jamie´s Italian: Se você for como eu, viciada no programa de Jamie Oliver, esse é o restaurante ideal para você. Um dos vários restaurantes do chef inglês tem como especialidade a comida italiana. O do Covent Garden (que é mais ou menos perto da London Eye) fica no endereço 11 Upper St Martin’s Lane.

Fish & Chips: Pra quem não quer perder tempo comendo, a iguaria inglesa de peixe frito e fritas é famosa e vende em vários lugares no entorno no rio. Escolha o que mais te agradar e pronto!

  • Onde comprar?

Lojas como Zara, H&M, Primark, Selfridges, Boots… e muitas outras podem ser encontradas nessa rua. Se joguem!