15
jan 2018

10 dicas para viajar de avião com bebê

Acho que um dos momentos que os pais mais temem quando o assunto é viajar com um bebê é o avião. Assumo que eu estava um pouquinho apreensiva com esse momento. Será que o ouvido vai doer? Será que ela vai chorar sem parar? Será que vai conseguir dormir? Mil questionamentos passaram pela minha cabeça, mas só a vivência e a prática conseguem fazer com que a gente se tranquilize né?

Como acabei de voltar da Disney com a Victoria (que viajou com 5 meses e meio) e consegui reunir algumas dicas essenciais para você fazer uma viagem de avião com bebê da forma mais tranquila e confortável possível pra você e pro seu pequeno também.

  • Vôos noturnos são excelentes: Independente se o seu bebê dorme a noite toda ou não, sem sombra de dúvidas fazer um vôo noturno vai ser a melhor escolha. Ou eles vão dormir no bercinho ou vão dormir no seu colo. Mas pode ter certeza, eles não passaram a noite inteira acordados dentro do avião.
  • Evite escalas: Além de serem cansativas, elas também fazem com que o bebê fique desperto. Sei que as vezes é impossível não ter alguma escala no vôo, mas se puder evitar, acho que a melhor opção é pega um vôo direto.

(Esse é o bercinho da Delta. No meu vôo só havia um disponível. Ele não é muito confortável e é bem pequenininho. Vic quase não coube.)

  • O bercinho não é necessariamente um big deal: Peguei o bercinho na ida e na volta, e nas 18h totais de vôo, pude usá-lo no máximo por 6h. Talvez eu tenha dado azar, talvez não. Quando o aviso de apertar cintos está aceso o bebê não pode ficar no bercinho. Ou seja, Vic passou grande parte do tempo no meu colo. Além disso, o berço é pequenininho e ela com 5 meses mal cabia nele.
  • Procure o assento mais confortável pra você: Procure marcar o assento que seja mais confortável pra você. Prefere janela, sente-se na janela. Gosta de esticar a perna no corredor, então não pense duas vezes. Eu gosto de sentar na primeira fila pois estico a perna na parede e quando não tem parede, tem muito espaço na frente e achei esse espaço extra excelente para ficar de pé quando Vic estava acordada e inquieta (antes do avião levantar vôo principalmente!).

  • Trocar fralda não é uma missão impossível: Apesar daquele micro banheiro, trocar fraldas por lá não é uma missão impossível. Tenha em mãos tudo que você precisa para uma troca e vá com tudo. O trocador é fácil de abrir e o máximo que acontece é o bebê colocar a mão na parede do banheiro (que eu morro de nojo! #fresca) mas depois você limpa a mão dele e pronto.
  • A TV pode ser um aliado: Victoria não está acostumada a ver televisão, então, toda vez que aparece uma telinha na frente dela ela fica maluca. No vôo de ida, ela acordou mais ou menos 1h antes do avião pousar… do momento que precisamos sentar e apertar os cintos até a hora que pude levantar, a TVzinha foi uma mão na roda. Pros que costumam ver TV, as cias áereas tem programas para crianças e bebês.
  • Alimentação no vôo: se o seu filho está só no peito, ótimo, ele é um excelente “cala boca” ou melhor, acalma bebês. Mas se ele já come ou toma mamadeira, não conte com a boa vontade da tripulação para esquentar água ou nem mesmo para te dar água. Leve o que você precisa com você no vôo e garanta a comidinha do seu baby na hora em que ele precisar e não na hora em que os comissários tiverem boa vontade.

(O bercinho é acoplado na parede em frente as cadeiras da fileira do meio, que normalmente ficam bloqueadas para aqueles que solicitam o bercinho. Reparem que ele aguenta até 12kg).

  • A mala de mão dos sonhos: Capriche na mala de mão. Pode parecer uma bobeira, mas ela pode salvar sua vida durante o vôo. Leve mudaS (no plural) de roupa para você e seu marido, e principalmente para o bebê. Pense que pode fazer frio, calor, ele pode vomitar, pode derramar alguma coisa na roupa… quando o assunto são bebês, é beeem melhor prevenir do que remediar. Nosso vôo foi cancelado e fomos parar em Atlanta a -4ºC. Vic nem percebeu. Eu tinha um gorrinho, uma boa coberta, roupas e pijamas extras, e muitas fraldas.
  • Documentos em mãos: Deixe os seus passaportes e os do seu bebê, assim como cartões de embarque sempre em mãos. Pode ser nas suas ou na da pessoa que estiver com você. Vira e mexe alguém pede para ver a documentação do bebê e é muito melhor deixar tudo de fácil acesso.
  • Facilite a sua vida ao máximo: Sei que essa dica parece bem idiota, mas acredite, não é. Pense em tudo que pode facilitar o seu processo de vôo. Do momento que você sai de casa até o momento que você pisa no quarto do hotel com seu bebê. Bolsa transpassada ajuda (e muito!), roupa confortável,  um sapato que você não precise das mãos para calçar, nada de metais, acesso rápido as coisas do bebê (trocador, muda de roupa, cobertinha, paninhos, remédios…), pouca tralha nas mãos…

Além dessas dicas, ainda tem aquelas coisas básicas que lemos em todos os lugares: chupeta ou peito na hora do pouso e da decolagem, muito entretenimento para seu bebê principalmente se for um vôo diurno, entretenimento que não faça muito barulho para não incomodar os vizinhos, não ligue para os olhares atravessados se o seu bebê começar a chorar, calma e paciência…

Acredite, o vôo é muito mais tranquilo do que parece. Claro que os bebês choram. Claro que ficamos aflitos quando isso acontece. Mas passa, eles se distraem, nós acalmamos eles, eles dormem com aquele barulho gostoso e com o escurinho do avião.