24
maio 2018

Yummy Tip: INO

Semana passada fui conhecer mais um restaurante novo que abriu no Rio, o INO. O italiano fica no reduto gastronômico de Botafogo, a rua Conde de Irajá e é vizinho de grandes nomes como Lasai e Irajá Gastrô. Logico, que o INO não poderia ficar para trás e oferece aos seus clientes um delicioso cardápio com entradas, massas frescas, assados e claro, sobremesas.

Você chega no restaurante e já se encanta com o ambiente. Uma casinha, em Botafogo, com um clima super agradável, decoração simples e minimalista. Já começa a refeição com o pé direito. O atendimento também é excelente. O garçom foi super gentil, nos explicou vários pratos, ofereceu vinho, nos “deixou” experimentar algumas opções antes de decidir qual seria a vencedora e foi super ágil no atendimento.

Nós começamos o jantar pelo carpaccio crocante, e já adianto que é uma armadilha. Você pede um, mas quando ele acaba você vai querer pedir outros dez de tão maravilhoso que é. São pequenos carpaccios temperados com mostarda, azeite trufado e grana padano, envoltos em um cone salgado. Serio, surreal de delicioso!

Para o prato principal eu pedi o polpetone com taglioline na manteiga de salvia e o Alexandre foi na massa com camarões. As opções que mais saem  no restaurante, segundo o garçom que nos atendeu. Achei o meu delicioso, é exatamente o tipo de prato que eu gosto de pedir. O Alexandre gostou muito do dele também.

Encerramos o jantar com a sobremesa mais pedida do cardápio, o 3x cioccolato, que nada mais é do que chocolate de três formas diferente: como um bolinho super úmido, uma farofinha crocante e sorvete. Uma deliciosa forma de encerrar o jantar no Ino.

Acho que deu pra perceber que tivemos uma experiência super gostosa por lá né? Sem dúvidas o Ino entrou pra nossa lista de restaurantes deliciosos no Rio que valem ser repetidos.

Serviço:
INO Restaurante
Rua Conde de Irajá, 115 – Botafogo
Tel: 3851-6601
reservas@inorio.com.br
http://www.inorio.com.br

Quem me acompanha por aqui a algum tempo sabe que sou super safa no quesito organizar viagem. Já tenho um método próprio, faço isso há anos e raramento sinto dificuldade em preparar uma viagem pra mim e para a minha família.

Mas dessa vez, organizando uma parada nas Montanhas Rochosas do Canadá, assumo que me senti um pouco insegura e não achei tantas informações como eu imaginei que acharia. Então, se você tá organizando sua viagem para aquela região, leia esse post e se prepare para evitar algumas dessas dificuldades que eu tive, ou para lidar com elas.

Quanto tempo ficar: Isso é um assunto quase impossível de decidir. Cada blog fala uma coisa, cada pessoa dá uma informação diferente.. complicado! Acho que o primeiro passo é decidir se você vai a Banff e Jasper ou só a Banff. Depois é saber se você é do tipo que gosta sentar e curtir a paisagem, fazer um pic-nic ou apenas que ir passando pelas atrações. Nós tiramos 4 dias inteiros e vamos ficar mais pela região de Banff e Lake Louise. A princípio decidimos não ir a Jasper. Na volta eu conto o que eu achei desse tempo mas pelas minhas pesquisas se você resolver incluir Jasper no seu roteiro, acho válido ficar pelo menos 6 dias inteiros nas Rochosas.

Onde se hospedar: Aqui o assunto fica ainda mais complicado. Em Banff você até encontra uma variedade maior de hotéis, albergues e até casas para aluguel de temporada, mas em compensação é tudo beeem mais caro. Em Jasper a coisa complica. São pouquíssimas opções de hospedagem. A melhor dica aqui é: RESERVEM OS HOTÉIS COM O MÁXIMO DE ANTECEDÊNCIA POSSÍVEL (principalmente se você for no verão, como eu!). Selecionei alguns em Banff, Lake Louise, Canmore (fica a 20min de Banff e costuma ter opções de hospedagem com melhor preço) e Jasper para facilitar a sua vida e ajudar na pesquisa. Vejam o que agrada mais em termos de custo x benefício, localização e estilo.

Banff: Rimrock | Fairmont | Moose Hotel e Suite | Elk + Avenue Hotel | The Juniper | Hidden Ridge Resort (apartamento)

Lake Louise: Fairmont | Paradise Lodge | Lake Louise Inn | Mountaineer Lodge | Baker Creek Mountain Resort

Canmore: Stoneridge Mountain Resort | Solara Resort | Grande Rockies Resort | Platinum Suites Resort | Malcom Hotel

Jasper: Fairmont | Best Western | Pyramid Lake ResortMount Robson Inn | Whisttlers Inn | Shaefers Den (apartamento de temporada)

> A maioria dos hotéis que se autodenominam como Lodge, possuem quartos ou bangalôs mais completos com cozinha, sala, mais de um ambiente/quarto. Se é isso que você está procurando, talvez essa seja uma boa opção. Selecionei alguns apartamentos também caso vocês queiram uma coisa mais econômica ou estejam com mais gente.

> Lembrando que eu não experimentei nenhum desses hotéis, são indicações baseadas nas minhas muitas pesquisas para esses destinos. Vou ficar no Paradise Lodge (em Lake Louise) e na volta conto o que eu achei!

Hotel Fairmont Lake Louise, nas margens do lago

Como se locomover: Aqui sem dúvidas a melhor opção é você mesmo estar dirigindo o seu veículo. Alugar carro é bem fácil por lá. Nós alugamos na RentCars e vamos pegar no aeroporto de Calgary. Achamos que assim vamos conseguir fazer a viagem com tranquilidade, no nosso tempo, parando algumas milhares de vezes para tirar foto, outras milhares para ver os animais e as paisagens. Se preferir pode alugar um trailler, ai acaba matando dois coelhos em uma cajadada só. Hospedagem e transporte em um único lugar. Os trailler são super comuns por lá e você encontra diversos campings e estacionamentos para parar o seu, fazer o despejo de esgoto, colocar água… Dá uma lida nesse post aqui da Fran para entender mais sobre os traillers e motohomes.

E com bebê, rola? Essa foi a pergunta que eu mais procurei na internet e não encontrei nenhuma resposta pra ela. Aliás, não encontrei nenhuma ajuda, luz no fim do tunel, nem nada… Eu vi algumas fotos de pessoas com bebês e crianças e acho que com bom senso rola sim. Mas isso eu só vou saber dar detalhes na volta. O mais importante, na minha opinião, é conhecer o seu bebê, a rotina e o seu estilo de viagem. Sabendo que Vic adora uma rua, acho que ela vai curtir passear por lá. Mas sabemos que não vamos fazer TODOS os programas, que vamos ter que abrir mão de algumas trilhas e passeios e que isso faz parte do pacote “viajar com bebê”. Por nós tudo bem!

Seguro Viagem: O Canadá não obrigada ninguém a fazer seguro para entrar lá, mas como eu sempre falo, acho imprescindível estar segurado quando viajamos. Além disso, acho que essa é uma viagem que merece um bom seguro. Vamos fazer trilhas, vamos estar em lugares mais ermos, vamos encarar ursos (tensa e ao mesmo tempo amando isso!)… enfim, motivos temos de sobra. Eu sempre faço o nosso com a Real, que é parceira do blog, e é a seguradora que nós sempre usamos quando viajamos. Eles fazem uma comparação de todos as seguradoras do mercado em termos de preços e coberturas. Gosto de verdade. Faça seu orçamento aqui. 

Comida e Restaurantes: Quando você pesquisa muito sobre a região, acha dica de restaurante nas cidades, hotéis e tal, mas fico me perguntando: “E se eu estiver no meio do mato, numa trilha como faz?” Pelo que eu li, não faz. Comer em áreas muito isoladas não é recomendado por conta dos ursos. Por isso, se organize para parar em lanchonetes no caminho e, se for o caso, para voltar para uma das cidades mais próximas da atração ou local em que você está para comer. Esquema bem parecido com o que fizemos na Islândia.

Acho que essas foram as minhas principais dificuldades e questionamentos sobre essa viagem para as Montanhas Rochosas do Canadá. Muitas dessas respostas só vou ter certeza absoluta na volta, e vou contar tudo para vocês por aqui, mas outras acho que esse post já ajuda muito quem está se organizando para ir pra lá e também está com esses questionamentos e não tem tempo de esperar os posts da volta da viagem! =)

Recebi um convite muito especial da Nathalia para falar aqui com as leitoras do Coisas que
Amamos sobre o sono do bebê, que é um desafio para muitas famílias, especialmente quando
as crianças tem de 0 a 24 meses.

Então nesse post quero deixar 10 dicas que podem ajudar demais no sono das crianças.
Muitas delas são “batidas”, mas eu trabalho com isso há 5 anos e vejo que nem sempre o que
é as pessoas praticam o que se ouve (mesmo que repetidas vezes), ou seja, o senso comum,
muitas vezes não é a prática comum. Então, que tal tentar?

  • Tenha uma rotina. Eu sei que muitas pessoas não querem ficar escravas do relógio, mas
    crianças precisam de uma rotina. Uma quebra ou outra no fim de semana não deve prejudicar muito o sono do seu bebê, mas no dia a dia, a criança precisa ter horário para acordar, fazer atividades, ter seu tempo de higiene, comer, fazer sonecas e ter hora para dormir. Se você é de uma família que não gosta muito de ter horário para tudo, tenha uma regularidade, ou seja, a rotina vai seguir de acordo com o horário que a criança acorda, ao invés de seguir o relógio.
  • Tenha um ritual de sono consistente. A criança precisa entender que a hora do sono chegou. Então todos os dias, antes de dormir, faça sempre as mesmas coisas com ela. Estas coisas devem ser atividades em que a criança interaja com a mãe, pai ou cuidador. Exemplo: banho, massagem, troca, história, limpeza de boquinha, oração, boa noite para os brinquedos e cama. A sequência deve ser sempre a mesma, assim a criança chegará na hora de dormir muito mais calma e relaxada para entrar no sono.
  • Verifique sempre se o sono do dia está adequado. Dormir pouco durante o dia é ruim para a criança, porque ela vai chegar muito cansada no fim do dia, pode produzir cortisol (hormônio de vigília para se manter acordada) e será mais resistente para entrar no sono. Porém se a criança dormir demais durante o dia, ela também não estará cansada o suficiente e portanto não estará preparada para dormir. Então pense na idade do seu filho e quantas sonecas por dia são necessárias para a idade dele.
  • Preste muita atenção ao tempo que o bebê fica acordado. Se a criança começa a apresentar sinais de sono 2 horas depois que ela acorda, provavelmente essa é a janela adequada para você ter durante o dia. Segurar a criança acordada a qualquer custo para que ela durma melhor é um caminho inverso para alcançar esse objetivo. Uma criança muito cansada e estressada pode entrar em efeito vulcânico, ou seja, ela não vai dormir e ficará extremamente irritada, o que irá prejudicar ainda mais a entrada no sono. Respeite sempre o tempo que seu filho consegue ficar acordado.
  • Fique atenta à luminosidade e barulho. Algumas crianças conseguem dormir em qualquer ambiente, é verdade. Entretanto muitas outras precisam estar em um ambiente adequado para o sono, ou seja, livre de luz e com pouco ou nenhum barulho. Se seu filho não consegue dormir, verifique estes pontos e deixe o ambiente o mais escuro possível. Se você morar em um lugar barulhento, tente colocar um ruído branco para abafar os sons externos.

  • Cuidado com a exposição da criança aos eletrônicos. Se seu filho gosta de ver desenhos, o ideal é que os aparelhos eletrônicos sejam desligados pelo menos 1 hora antes do sono. Não recomendo usar TV, Ipad, celular ou qualquer outro aparelho dentro do ritual de sono porque a luz azul que sai desses aparelhos pode antagonizar os efeitos da melatonina (hormônio do sono).
  • Tome cuidado com as formas de acalmar seu filho. Crianças não choram por um único motivo, então se seu filho não dorme e chora muito, algo está errado. Procure verificar os horários, quando comeu (pode ser fome), se há algo incomodando (se ele se contorce), se a fralda está suja ou se pode existir algum motivo para o choro. Lembre que as associações de sono são geralmente criadas quando a criança é acalentada sempre da mesma maneira. Um bom exemplo são as crianças que são acalentadas no peito em todas as situações, mesmo as que estão alimentadas (que mamaram em um intervalo curto). Neste caso, a criança pode precisar do seio diversas vezes a noite, apenas para relaxar. O mesmo pode acontecer com o colo ou com a chupeta.
  • Fique de olho na temperatura. Se o bebê estiver com frio ou calor, esse certamente será um motivo para atrapalhar o sono. Lembramos que para bebês pequenos, até um ano, a temperatura deve ser regulada por roupas e não com cobertores.
  • Visite regularmente o pediatra. Uma dificuldade comportamental com o sono é bastante comum. Mais de 90% dos problemas de sono das crianças são comportamentais, mas existem alguns fatores fisiológicos como apneia, sonambulismo, terror noturno, síndrome das pernas inquietas, alergias alimentares, deficiência de ferro entre outros, que podem prejudicar o sono da criança. O acompanhamento do médico é essencial para você entender a dificuldade da criança e atender a necessidade exata do seu filho.
  • Por fim, nossa dica mais valiosa – ensine seu filho a dormir sozinho! É muito importante que a partir dos 4 meses, os pais comecem um processo para ensinar o bebê a dormir sem ajuda. Uma criança que entra no sono sozinha, tem certamente muito mais qualidade de sono na madrugada e nas sonecas do que a que precisa ter seu sono induzido de alguma forma. Você pode começar devagar, diminuindo os estímulos, fazendo mudanças semanais, mas tente colocar seu filho sonolento no berço e parar de fazer a “parte dele” para entrar no sono. Na tentativa de ajudar, os pais acabam bloqueando uma oportunidade de a criança desenvolver habilidades de auto conforto, e isso faz com que ela precise de auxílio de madrugada para manter o sono. Existem diversos métodos de aprendizagem. Você pode escolher um que seja adequado para sua família e seguir o plano. Isso fará bem para o sono da criança e para o descanso adequado de toda família!

Obrigada Michele! Amei o post e acho sim que ele vai ajudar muita gente, assim como me ajudou e ajudou a Victoria! =) Quem quiser saber um pouco mais da minha experiência do sono com a Victoria, contei como foi o início do treinamento lá nos destaques do Instagram!

Fotos: Nanda Castello Fotografia

14
maio 2018

Yummy Tip: Mauá

Outro dia contei lá no instagram sobre um passeio que fiz ao Centro do Rio. Visitamos o MAR, o Museu do Amanhã, a região revitalizada do porto e foi super interessante. Victoria adorou e nós também.

Já que o programa era de dia inteiro optamos por almoçar no Mauá, o restaurante brasileiríssimo que fica no terraço do Museu de Arte do Rio (MAR). Não podíamos ter escolhido melhor. Além da vista deliciosa o restaurante nos agraciou com um almoço dos deuses.

Optamos por sentar em uma mesa na área externa com vista para o Museu do Amanhã, mas o espaço oferece uma área fechada com vidro e ar condicionado. Ótima opção para os dias mais quentes.

Começamos com um pastelzinho de queijo da canastra com cebola caramelizada. Estava gostoso, mas eles tem entradas melhores. Não foi a melhor pedida. Para o prato principal pedimos uma moqueca com arroz e banana que estava divina e o prato mais famoso da casa, o mignon de sol com banana e farofa, que foi de comer rezando. Pessoalmente eu gostei mais da carne, mas os dois pratos estavam excelentes.

Para encerrar a orgia gastronômica pedimos uma goiabada com sorvete de queijo de cair o queixo. Tão gostosa que podia ter comido duas vezes.

Como contei, estávamos com a Victoria (9 meses). Foi super tranquilo ir com ela. Sentamos em uma mesa para 4 pessoas e tiramos uma das cadeiras para acomodar o carrinho. Funcionou super bem. O local não tem banheiro com trocador, mas o museu tem e você pode usar.

No geral achei o restaurante excelente. Recomendo muito a visita para quem está pela região e quer comer bem e com uma vista linda da cidade. Os pratos não são muito baratos, mas ainda assim vale a pena. Acho que o custo x benefício do programa como um todo valeu muito.

Serviço:
Restaurante Mauá
Praça Mauá, 5º, 6º piso (Museu de Arte do Rio) – Centro
Tel .: (21) 3031-2819
Horário de Funcionamento: de segunda a domingo das 12h às 18h
www.restaurantemaua.com.br