Quem é leitor das antigas aqui o blog talvez já saiba dessa história. Talvez já tenha lido meu breve relato sobre esse “causo”. Mas nunca fui mais a fundo com isso. Até hoje.

Senti vontade de falar mais sobre o que me aconteceu, porque não é todo dia que temos uma história dessas pra contar. E também porque por mais incomum que isso seja, esse relato pode ajudar algum de vcs em uma situação parecida. (Espero que não, mas…)

o que fazer quando picada por um escorpiãoNa ambulância, a caminho do hospital. A cidade não tem táxis e esse foi o único transporte que conseguimos para ir para o hospital. Nessa hora já estava um pouco mais tranquila apesar da dor.

Há 3 anos atrás resolvi passar o carnaval na Amazônia com um grupo de amigos. Escolhemos um hotel bem legal, mais chiquezinho porque apesar de estar na Amazônia ninguém ali queria passar perrengue. Chegamos lá e o quarto era um sonho… lindo, super bem decorado, charmoso… tudo que tínhamos imaginado e mais um pouco.

O encantamento começou a acabar no primeiro banho. O chuveiro, que fica no meio do quarto (sem porta ou cortina), tinha um piso por onde escorria a água. Por esse mesmo piso, subiam varias mini pererecas. Era um inferno na hora de dormir. Colocamos varias toalhas molhadas no chão pra elas não subirem e entrarem no quarto.

Depois de 2 noite e muitos bichos no quarto (apesar da tela), fomos dormir cedo pois no dia seguinte tínhamos um passeio na hora do nascer do sol. No meio da noite eu senti a picada. Na verdade, estava dormindo e senti alguma coisa andando em mim e dei um tapa imediatamente. Foi nessa hora que ele me picou, bem mão entre o dedão e o indicador. A dor na hora foi beeem grande, mas assumo que o susto de ver que tinha sido picada por um escorpião foi ainda maior.

Fiquei muito nervosa, mas consegui sair do quarto pra chamar um funcionário do hotel enquanto meu marido ficava de olho no escorpião. Depois de matar o bicho é que a situação começou a complicar pois a dor da mordida começou a se tornar uma fornecia muito forte que foi tomando conta de todo o meu braço. Colocamos ele num pote pra levar pro hospital e ligamos pra uma amiga médica que estava viajando com a gente.

o que fazer quando picada por um escorpiãoNo dia seguinte de manhã logo após a minha alta, pensando em como ir para o hotel.

Na mesma hora fomos pro hospital público da cidade. Estávamos em Novo Airão, uma micro cidade na Amazônia. Chegando lá, achei que seria uma coisa corriqueira e todos soubessem lidar com a situação, só que não! Para o meu espanto eu virei atração turística do hospital e uma enfermeira chamava a outra e a outra pra ver “uma menina que foi picada por um escorpião”.

O plantonista cubano, por sua vez, deixou claro que nunca tinha tratado um caso de picada de animal peçonhento pois isso não acontecia muito em seu país e ele estava a pouco tempo no Brasil. Dado esse cenário comecei a entrar levemente em pânico.

Nesse meio tempo meu marido e a amiga médica (que foram comigo para o hospital), acharam um cartaz igual aqueles de trabalho de escola, feito na cartolina com as indicações do que fazer em caso de picada de escorpião, cobra, aranha… analisamos o bicho que eu levei com o cartaz e identificamos o tipo de escopião e como proceder. Graças a Deus minha picada foi leve e eu não precisei de soro/antídoto pra mordida. Mas tive que ficar em observação até as 7h da manhã no hospital, e nesse horário só fui liberada porque eu disse que a minha amiga médica ia tomar conta de mim! Hahahahahaha

Ou seja, tenso! Com relação a picada e dor, passei quase 1 semana sem sentir a mão e 3 dias sem conseguir mexer o dedão e o indicador. Foi bem ruim.

o que fazer quando picada por um escorpiãoO “bichinho”. Ele devia ter uns 12cm de ponta a ponta. Nojento e assustador.

Achei que o hotel fez pouco caso e não deu muita assistência, tampouco se desculpou oficialmente. A noite seguinte foi horrível pois não consegui dormir nada com medo de outro escorpião e pra piorar apareceu uma aranha gigante na parede. Ok que ela ficou na mesma posição toda a noite, mas mesmo assim foi bem ruim.

O que eu aprendi com isso? 1. Seguro viagem é fundamental em qualquer circunstância, em qualquer viagem e para qualquer destino. 2. Shit happens. Por isso é bom estar preparado e não deixar que isso acabe com a viagem. 3. Em caso de picada de animais peçonhentos, leve o bicho para o hospital e vá o mais rápido possível.

E esse foi o caso do dia em que fui mordida por um escorpião. Na melhor das hipóteses, que foi o meu caso, você vai ter história para contar, relembrar e compartilhar. Espero que nunca aconteça com vocês, mas se acontecer… já sabem o que fazer!

02
jul 2018

Yummy Tip: Le Blond

Há algumas semanas eu estava tentando conhecer o mais novo empreendimento do chef global Claude Troigos, o Le Blond.

A casa que abriu no final do Leblon tem filas homéricas na porta desde o dia da inauguração, independente da hora ou dia da semana. Por conta disso nunca tinha conseguido ir conhecer.

Mas esse final de semana tomamos coragem, nós preparamos psicologicamente para a fila que pegaríamos e fomos até lá. Cheguei às 21h do sábado, e tinham 14 mesas na minha frente. Tudo bem. Segui o melhor esquema que pude pensar: coloquei o nome na lista e fui pra Dias Ferreira fazer hora até ser chamada. Em 1h20 nos sentamos.

O restaurante é simpático, com uma decoração que me remeteu aos bistrôs franceses (apesar de achar que a ideia deles nem é essa) e não muito grande.

Começamos o jantar com algumas entradas que o garçom recomendou: ovo poche Paul Bocuse, bruschetta de Parma e picles e bonbons de Brie. Achamos todos gostosos, mas nada excepcional.

Para o prato principal, o pessoal da mesa não foi muito criativo. Três pessoas pediram o peixe com banana caramelizada e purê de baroa, e eu pedi o risoto de camarão trufado. Tudo bem gostoso. Inclusive esses pratos também são servidor no Chez Claude. Aliás, vários dos pratos de lá são.

Para terminar a orgia alimentar pedimos o Petit Gateau de Doce de leite com queijo canastra. De-li-ci-o-so! Comemos dois. Hahahahahaha Tudo isso regado a vinho, claro. Levamos 2 garrafas e pagamos R$42 pela taxa de rolha. Achei honesto.

No geral achei o restaurante gostoso. Não amei, mas achei bom. O atendimento foi excelente, a comida é gostosa e o preço é o que se espera de um restaurante no Leblon que leva a marca/nome do Claude. O ponto negativo na minha opinião: o restaurante é realmente muito barulhento. Fomos tarde, já não estava mega lotado e ainda assim tínhamos que falar alto (em uma mesa redonda de 4 pessoas) para conseguir nos ouvir. Chato isso né?

Resumindo: achei bom, apesar de barulhento. Iria novamente mas pessoalmente achei a experiência de ir no Chez Claude bem melhor. Portanto, se eu tivesse que escolher entre eles (e digo escolher pq os dois são perto, do mesmo chef, com comida parecida, mesmo estilo e preços iguais) ia optar pelo Chez Claude.

Serviço:

Le Blond
Av. Ataulfo de Paiva, 1321 – Leblon
Tel.: (21) 3322-1440
Não aceita reserva

Desde que a Victoria começou a introdução alimentar, assumo que tenho pesquisado mais e me esforçado mais para comer novas coisas, fazer novo pratos e provar outros sabores. Sei que o exemplo é o melhor que podemos dar para os nossos filhos então, tenho caprichado nisso.

Foi exatamente assim que descobri essa receita de bolinho de banana. Não me lembro aonde vi, em algum instagram provavelmente. Foi perfeita pra gente. Quantidade pequena, sabor grande e hiper fácil de fazer. É uma ótima opção para o café da manhã ou para os lanchinhos da escola.

Ingredientes:

  • 1 banana bem madura
  • 1 colher de sopa de aveia em flocos
  • 1 ovo
  • canela a gosto (eu adoro e capricho!)

Modo de Fazer:

Amasse a banana e misture com os outros ingredientes. Coloque em pequenas fominhas (uso aquelas de silicone que não grudam) e deixe assar por mais ou menos 10 minutos em fogo médio. Espete um palito para ver se está pronto. Depois é só polvilhar com mais canela se quiser e comer. Dica gorda: quentinho acompanhado de sorvete fica uma delícia!

Perceberam que a receita é ridiculamente fácil de fazer né? Quase auto-explicativa! E ainda assim consegui queimar o fundinho do bolo que está na foto! hahahaha Por isso, a dica é… atenção a temperatura do forno e ao tempo de cozimento. É bem rapidinho mesmo.

O bolinho fica uma delicia. De verdade. Principalmente para o paladar de bebês e crianças que ainda não está viciado com o açúcar. Depois que testarem me contem o que acharam lá no insta ou se postarem alguma foto do bolinho, usem a #receitascqa pra eu ver! =)

 

Normalmente mãe já sente culpa por tudo. Se a criança mama muito, se mama pouco, se
chora, se dorme pouco ou demais, enfim, esse desejo de atender todas as necessidades da
criança prontamente é algo corriqueiro, que acontece com muitas famílias. Mas será que esse
ímpeto de resolver o choro do bebê rapidamente não cria hábitos que depois são difíceis de
mudar?

Acordar muito de madrugada, ter o sono interrompido diversas vezes é muito difícil. Para uma
mãe que cuida de um bebê o dia todo ou precisa trabalhar no dia seguinte isso pode ser
devastador. Mas tem algo que assombra as madrugadas mal dormidas destas mães que
amamentam: se eu negar o peito, estou deixando meu bebê passar fome? Como avaliar?
No post de hoje, vou passar 3 dicas valiosas para que vocês identifiquem se o despertar do seu
bebê acontece por fome ou hábito. Na maioria das vezes, se a criança acorda muito de
madrugada, é sim por hábito, e não por fome.

– A primeira dica é entender os intervalos de fome do seu filho. Se é uma criança que mama de
3 em 3 horas durante o dia, tem mais de 4 meses e está ganhando peso e se desenvolvendo
adequadamente, o intervalo das mamadas de madrugada pode ser de 3 horas ou mais! Se o
seu filho mama mais de madrugada do que de dia, ele certamente está usando o mamar como
um conforto para manter o sono. Neste caso, tente manter um intervalo de 3 ou 4 horas e nos
outros despertares atenda o seu bebê com carinho e conforto, não com o seio.

– Perceba a forma como seu filho adormece. Se ele precisa mamar até dormir no começo da
noite, chances são de ele precisar do peito de madrugada só para adormecer em eventuais
despertares. Alguns despertares são comuns (exemplo: 00h, 02h, 04h e 05h da manhã) e
nestes despertares a criança precisa mamar. Comece a colocar o seu bebê acordado no berço
e esse padrão certamente vai alterar!

– Outra dica importante: o tempo da mamada. Todas as crianças têm um ritmo e certamente
você sabe qual é o do seu filho. Se ele ficar “mamindo”, ou seja, de dia mama em 20 minutos e
de madrugada fica 1 hora mamando e dormindo ao mesmo tempo, algo está errado. Se isso
acontecer, tire o peito da boquinha da criança assim que a sucção diminuir, assim ele terá que
se confortar de outra forma para continuar dormindo. Ele pode reclamar no início, mas depois
de um tempo de tentativa, ele acabará aceitando.

Apesar de existirem outras associações de sono como colo ou chupeta, esta de precisar mamar
para manter o sono é a mais comum. Isso acontece porque grande parte das mães resolve a
necessidade da criança sempre alimentando. Obviamente o peito é um local de conforto, de
aconchego e muitas vezes é o caminho mais rápido para a criança voltar a dormir. Apesar
disso, algumas crianças chegam a precisar desse conforto 6, 7, 8x por noite para manter o
sono, deixando a mãe completamente exausta.

Aprender a dormir não é sinônimo de desmame, nem de deixar chorando até dormir por
exaustão. Dá para ensinar um bebê a dormir sem mamar e desenvolver outras ferramentas de
conforto que irão auxiliar demais a ligar os ciclos de sono. Lembre sempre que a criança tem
despertares frequentes de madrugada. Isso faz parte do seu desenvolvimento e uma
aprendizagem de sono envolve ensinar o que a criança deve fazer nestes despertares, e não
fazer com que ela não acorde. Por isso, não é por fome que um bebê acorda diversas vezes.

Com paciência e uma reflexão sobre os hábitos da criança, você vai conseguir detectar se seu
filho precisa mamar ou se ele tem dificuldade no sono.

Ensinar uma criança a dormir pode dar muito trabalho, mas os resultados no desenvolvimento
e crescimento dessa criança são excelentes, além de algo muito importante também – o
descanso de toda família.